Educação e inacabamento

Autopoiesis na formação de professores de línguas

Autores

  • Alan Ricardo Costa polifoniapa@gmail.com
    Universidade Federal de Roraima (UFRR)

Resumo

Neste artigo, trato do inacabamento na (e da) formação docente de professores de línguas. Tal formação, à luz das Teorias do Pensamento Complexo, é concebida como um processo caótico e contínuo de auto-trans-formação, na perspectiva da ontoepistemogênese. Em síntese, a ontoepistemogênese parte do conceito de autopoiesis e da acepção de conhecer/viver, da Biologia da Cognição, para pensar a formação do docente como uma interação entre todas as partes do ser e seu acoplamento com o meio. Meu objetivo com a pesquisa é averiguar a consciência de professores de línguas sobre esse processo de formação enquanto contínuo, complexo e configurado pelo inacabamento. Em termos metodológicos, a pesquisa é qualitativa e transdisciplinar, desenvolvida a partir do estudo de autonarrativas de professores de línguas. Procedeu-se a investigação a partir de um curso online de formação docente com 13 professoras, realizado em um grupo no Facebook, com atividades semanais de confecção de autonarrativas – entendidas como tecnobiografias – que foram tratadas por meio do método cartográfico, aqui designado como “cartografia complexa”. Os resultados da pesquisa proporcionaram evidências do grau de autoconsciência dos participantes da pesquisa quanto ao inacabamento docente e sobre o processo de autopoiesis na auto-trans-formação de professores de línguas.

Referências

ARAGÃO, R. Cognição, emoção e reflexão na sala de aula: por uma abordagem sistêmica do ensino/aprendizagem de inglês. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, Belo Horizonte, vol. 5, nº 2, 2005. BARTON, D.; LEE, C. Language Online: Investigating Digital Texts and Practices. New York: Routledge, 2013. BOHN, H. Professor: uma identidade não herdada. In: SILVA, K.A.; ANDRADE, M.M.; PEREIRA FILHO, C.A. (Org.) A formação de professores de Línguas: políticas, projetos e parcerias. São Paulo: Pontes, 2015, v. 1, p. 17-31.

CHAGAS, M.F.L. #EntreNÓSnaRede: ontoepistemogênese de educadores(as) na interação com tecnologias digitais. 2021. 300f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade de Santa Cruz do Sul, Rio Grande do Sul, 2021.

COSTA, A.R. Contribuições para uma cartografia complexa da ontoepistemogênese: autonarrativas e formação docente na Educação a Distância. 2021. 189f. Tese (Doutorado em Letras) – Universidade de Santa Cruz do Sul, Rio Grande do Sul, 2021.

______; FIALHO, V.R. Paulo Freire na formação docente e na cibercultura: um olhar crítico-reflexivo sobre as tecnologias hoje. In: COSTA, A.R; FAGUNDES, A.; FONTANA, M.V.L. (Org.) Letras para a Liberdade: perspectivas críticas no ensino de línguas e literaturas. São Paulo: Pimenta Cultural, 2022, p. 327-349.

______.; PELLANDA, N.M.C.; FIALHO, V.R. A Cartografia Complexa enquanto método de pesquisa na Linguística Aplicada: esboçando e avaliando um conceito. Revista Ideação, Foz do Iguaçu, vol. 24, n. 1, p. 5-26, 2022. ______.; SILVA, P.L.O; JACÓBSEN, R.T. Plasticidade cerebral: conceito(s), contribuições ao avanço científico e estudos brasileiros na área de Letras. Revista Entrepalavras, Fortaleza, v. 9, n. 3, p. 457-476, 2019. ______.; VIEIRA, A.N. G.; REGINATTO, A.A.; FIALHO, V.R. Para além do professor: Complexidade e afetividade na formação em EaD. In: FAGUNDES, A.; FONTANA, M.V.L. (Org.) Os afetos na língua: aprendizagem e formação de professores na perspectiva da afetividade. Campinas: Pontes, 2020, p. 95-116.

FREIRE, P. A Pedagogia da Autonomia: Saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra. Coleção Leitura. 1996.

GONÇALVES, O. Psicoterapia cognitiva narrativa: manual de terapia breve. São Paulo: Editorial PSY, 1998.

LARSEN-FREEMAN, D. Chaos/complexity science and second language acquisition. Applied Linguistics, Oxford, vol. 18, n° 2, p. 141-165. 1997.

LEFFA, V.J. Conversa com Vilson J. Leffa. In: SILVA, K.A.; ARAGÃO, R.C. (Org.) Conversas com formadores de professores de línguas: avanços e desafios. Campinas: Pontes, 2013, p. 375-385.

______. Malhação na sala de aula: o uso do exercício no ensino de línguas. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, Belo Horizonte, v. 8, n. 1, p. 139-158, 2008.

MARIOTTI, H. As Paixões do Ego: Complexidade, Política, Solidariedade. 2ª ed. São Paulo: Palas Athena. 2002.

MÁRQUEZ, G.G. Doze contos peregrinos. 13ª ed. Trad. Eric Nepomuceno. Rio de Janeiro: Record, 1992.

MATURANA, H. Transformación en la convivencia. Com: Sima Nisis. Buenos Aires: Granica, 2014.

______.; REZEPKA, S.N. Formação humana e capacitação. Tradução: Jaime Clasen. Petrópolis: Vozes, 2000.

______.; VARELA, F. De Máquinas y Seres Vivos – Autopoiesis: la organización de lo vivo. 5ª ed. Santiago de Chile: Editorial Universitária. 1998.

MORIN, E. O Método 1: a Natureza da Natureza. Tradução: Maria Gabriela de Bragança. 2ª ed. Portugal: Publicações Europa-América. 1977. Disponível em: <https://abdet.com.br/site/wp-content/uploads/2015/04/A-Natureza-da-Natureza.pdf>. Acesso em: 19 nov. 2021.

OLIVEIRA, C.C. Análise e desenvolvimento de conceitos base no GAIA: aprendizagem-educação; Complexidade; padrão; narrativa; metáfora. In: PELLANDA, N.M.C.; BOETTCHER, D.M.; PINTO, M.M. (Org.) Viver/Conhecer na perspectiva da Complexidade: Experiências de pesquisa. Santa Cruz do Sul: Edunisc, 2017. p. 88-103.

ORTEGA Y GASSET, J. Meditaciones del Quijote. Madrid. Revista de Occidente, Alianza Editorial. 1983. Disponível em: <https://www.cidadefutura.com.br/wp-content/uploads/Ortega-Y-Gasset.-Meditaciones-del-Quijote-1.pdf>. Acesso em: 10 jan. 2022.

PAIVA, V.L.M.O.; MURTA, C.A.R. Tecnobiografias em três gerações. In: LEFFA, V.J.; FIALHO, V.R.; BEVILÁQUA, A.F.; COSTA, A.R. (Org.) Tecnologias e ensino de línguas: uma década de pesquisa em Linguística Aplicada. Santa Cruz do Sul: Edunisc, 2020, p. 180-205.

PELLANDA, N.M.C.; BOETTCHER, D.M. O esgotamento do paradigma clássico e a emergência da Complexidade. In: PELLANDA, N.M.C.; BOETTCHER, D.M.; PINTO, M.M. (Org.) Viver/Conhecer na perspectiva da Complexidade: Experiências de pesquisa. Santa Cruz do Sul: Edunisc, 2017. p. 27-75. ______.; KELLER, D.S.; BENEDUZI, P.K.S.; VEIGA, L.F.; MEINHARDT, Y.; BORSTMANN, R.S.; SILVA, L.E.C.; LIMA, L.M.P. Na ponta dos dedos: o iPad como instrumento complexo de cognição/subjetivação. In: PELLANDA, N.M.C.;

BOETTCHER, D.M.; PINTO, M.M. (Org.) Viver/Conhecer na perspectiva da Complexidade: Experiências de pesquisa. Santa Cruz do Sul: Edunisc, 2017, p. 129-154. ______.; PICCININ, F. Autonarrativas como auto-conhecimento: uma experiência didática na perspectiva da complexidade. Revista E-Curriculum, São Paulo, v. 18, p. 453-472, 2020. SILVA, A.F. Pelos bosques da formação: o professor de espanhol como mediador intercultural na perspectiva da Biologia do Amor. 2018. 142f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal de Santa Maria, Rio Grande do Sul. 2018.

Downloads

Publicado

2023-01-23

Como Citar

COSTA, A. R. . Educação e inacabamento: Autopoiesis na formação de professores de línguas. Polifonia, [S. l.], v. 29, n. 53, p. 236–262, 2023. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/polifonia/article/view/14870. Acesso em: 12 jun. 2024.

Edição

Seção

Outros lugares