Apresentação

Autores

  • Lívia Márcia Tiba Rádis Baptista polifoniapa@gmail.com
    Universidade Federal da Bahia (UFBA/CNPq)
  • Simone Tiemi Hashiguti Hashiguti polifoniapa@gmail.com
    Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)
  • Alexandre José Cadilhe polifoniapa@gmail.com
    Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF)

Resumo

Este volume foi finalizado nos meses de outubro e novembro de 2022, sob o efeito dos resultados dos dois turnos da eleição presidencial mais importante da história democrática do Brasil e após os quase quatro anos completados de um governo federal desastroso junto ao qual passamos a pandemia de COVID-19, configurando não só uma “cruel pedagogia do vírus” (SANTOS, 2020) quanto uma cruel pedagogia de gestão pública, para a qual os esforços de execução de uma necropolítica (MBEMBE, 2018) não foram poupados.  Para nós, após essas experiências e do que pudemos apreender nesse período acerca das formas cotidianas e frequentes do racismo estrutural (ALMEIDA, 2020) que constitui nossa sociedade e que se torna cada vez mais visível, além da violência e dos crimes de gênero que têm sido também cada vez mais noticiados, está mais clara do que nunca a necessidade de, no âmbito dos estudos sobre educação linguística e formação docente, revisarmos os quadros teórico-metodológicos que vêm fundamentando nosso fazer/sentir na sala de aula e na pesquisa

Referências

ALMEIDA, S. Racismo estrutural. São Paulo: Editora Jandaíra, 2020.

ANZALDÚA, G. Speaking in Tongues: A Letter To 3rd World Women Writers. In: ANZALDÚA, G.; MORAGA, C. (Orgs.) (1981). This bridge called my back: writings by radical women of color. Nueva York: Kitchen Table: Women of Color Press, 1981.

FREIRE, P. A Pedagogia da Autonomia: Saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra. Coleção Leitura. 1996.

GROSFOGUEL, R. Decolonizing Post-Colonial Studies and Paradigms of Political-Economy: Transmodernity, Decolonial Thinking, and Global Coloniality. In: Transmodernity, Vol. 1, Issue 1, 2011.

MBEMBE, A. Necropolítica. São Paulo: N-1 edições, 2018.

MIGNOLO, W. D. Colonialidade: o lado mais escuro da Modernidade. Revista Brasileira de Ciências Sociais [online]. 2017, v. 32, n. 94 Disponível em: <https://doi.org/10.17666/329402/2017>.

PALERMO, Z. Alternativas locales al globocentrismo. 1991. Revista de Estudios Internacionales, v. 1, n. 2, p. 8-17, 2019.

QUIJANO, A. [1991] Coloniality and modernity/Rationality. Cultural Studies. Vol. 21, Nos. 2 3 March/May 2007, pp. 168 -178.ISSN 0950-2386 print/ISSN 1466-4348 online.

SANTOS, B. S. Para além do pensamento abissal: Das linhas globais a uma ecologia de saberes. Novos Estudos, 79, nov., 2007, pp. 71-94. https://doi.org/10.1590/S0101-33002007000300004.

_____. The end of the cognitive empire: The Coming of Age of Epistemologies of the South. Duke University Press, 2018.

_____. A cruel pedagogia do vírus. Coimbra: Almedina, 2020.

Downloads

Publicado

2023-01-23

Como Citar

TIBA RÁDIS BAPTISTA , L. M. .; HASHIGUTI , S. T. H. .; CADILHE , A. J. . Apresentação . Polifonia, [S. l.], v. 29, n. 53, p. 6–14, 2023. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/polifonia/article/view/14856. Acesso em: 12 jun. 2024.

Edição

Seção

Apresentação