REPRESENTAÇÕES SOCIODISCURSIVAS DO CORPO POLÍTICO TRAVESTIGÊNERE EM PRÁTICAS MIDIÁTICAS DIGITAIS BRASILEIRAS

Autores

Palavras-chave:

Discurso Midiático, Corpo/discurso transvestigênere, Recontextualização

Resumo

Neste artigo, analisaremos as representações sociodiscursivas da ativista transvestigênere Luana Muniz em práticas midiáticas digitais brasileiras. Com base na teoria-metodológica da análise de discurso crítica faircloughiana, nosso objetivo é investigar as representações do corpo/discurso político transvestigênere nas práticas midiáticas, a partir do processo de recontextualização de um evento social. Compõem o corpus, 46 notícias publicadas entre 15 de dezembro de 2015 e 6 de maio de 2017. Como ferramentas analíticas, mobilizamos as categorias linguístico-discursivas: recontextualização, representação dos agentes sociais e intertextualidade; as categorias sociais: corpo e identidade de gênero; e as categorias midiáticas: midiatização e visibilidade. A partir da análise, constatamos que, no processo de recontextualização, as práticas midiáticas escolhem incluir/excluir elementos do evento social primário de acordo com os propósitos comunicativos e com os discursos particulares das Instituições às quais estão associadas. O corpo/discurso transvestigênere de Luana Muniz é representado a partir da relação social com um corpo/discurso cisheteronormativo. Apesar do capital de visibilidade conquistado por Luana na Lapa, o corpo/discurso transvestigênere é discursivamente invisibilizado, por escolhas como, por exemplo, a não inclusão da voz e da trajetória de vida da ativista.

Biografia do Autor

Marcelo Rodrigues de Lima

Marcelo Rodrigues de Lima - Mestre em Estudos Linguísticos pela Universidade Federal de Viçosa. Atua na Rede Estadual e Privada de Educação, em Viçosa, Minas Gerais, como professor de Língua Portuguesa e Literatura. Membro do grupo de pesquisa AFECTO – Abordagens faircloughianas para estudos sobre corpo/discurso textualmente orientadas. Pesquisa: discurso midiático e representações do corpo/discurso transvestigênere; análise de discurso crítica e ensino; letramento crítico.

Maria Carmen Aires Gomes, Universidade Federal de Viçosa (UFV)

Professora associada do Departamento de Letras da Universidade Federal de Viçosa, Minas Gerais, onde atua no Programa de Pós-Graduação em Letras, na área de Estudos do Texto e Discurso. Também atua como professora colaboradora no Poslin-UFMG. PhD em Estudos da Linguagem, pela PUCSP (2010), e em Linguística, pela UnB (2016). Coordena o Grupo de Pesquisa Afecto – Abordagens faircloughianas para estudos do corpo-discurso textualmente orientados, na UFV. Sua pesquisa volta-se para questões sobre corpos, gêneros e discursos por meio de narrativas midiáticas e de vida.

Referências

BENTO, B. A reinvenção do corpo: sexualidade e gênero na experiência transexual. Natal: Garamond, 2006.

______. O que é transexualidade? São Paulo: Brasiliense, 2. ed. 2008.

______. Transviad@s: gênero, sexualidade e direitos humanos. Salvador: EDUFBA, 2017.

BUTLER, J. Problemas de Gênero: Feminismo e subversão da identidade. Tradução de Renato Aguiar. 12. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003 [1990].

CHOULIARAKI, L.; FAIRCLOUGH, N. Discourse in late modernity: Rethinking Critical Discourse Analysis. Edinburgh: Edinburgh University Press, 1999.

CONELL, R.; PEARSE, R. Gênero: uma perspectiva global. Tradução e revisão técnica de Marília Moschkovich. São Paulo: inVersos, 2015.

FAIRCLOUGH, N. Discurso e Mudança Social. Tradução de Izabel Magalhães (Coordenadora da Tradução). 2. ed. Brasília/DF: Editora Universidade de Brasília, 2016 [1992].

______. Analysing discourse: Textual analysis for social research. New York: Routledge, 2003.

FUZER, C.; CABRAL, S. R. S. Introdução à gramática sistêmico-funcional em Língua Portuguesa. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2014.

GOMES, M. C. A. “Eu não me sinto fora do eixo, fora do tom, fora de nada”: analisando as construções identitárias no discurso midiático. Cadernos Discursivos, Catalão – GO, v.1, n. 1, p. 174-188, 2013. Disponível em: https://cadis_letras.catalao.ufg.br/up/595/o /Maria_Carmen_Aires_Gomes.pdf. Acesso em: 31 out. 2016.

______. Corpo em trânsito: Problematizando as Questões de Gênero em Narrativas Jornalísticas. Gláuks: Revista de Letras. V. 14, n.1. p. 1-17, 2014a. Disponível em: http://www.revistaglauks. ufv.br/artigo/320. Acesso em: 31 out. 2016.

______. O Corpo é Meu: Analisando narrativas jornalísticas e o desenquadre do gênero. Agália, Santiago de Compostela (Galiza), v. 110, p. 77-102, 2014b. Disponível em: https://agalia.net/Agalia/110.pdf. Acesso em: 31 mar. 2019.

______. Estudo explanatório-crítico de narrativas jornalísticas e a problematização de gêneros. Calidoscópio, v.13, n.2, p.140-151, 2015. Disponível em: <http://revistas.unisinos.br/index.php/ calidoscopio/article/view/cld.2015.132.01>. Acesso em: 31 out. 2019.

GOMES, R.; GOMES, M. C. A. G. O Discurso como Prática Social: “Valdemar Morreu! Eu Sou Valéria Vasques, a Bandida!” – a Construção Identitária Transexual no Programa Zorra Total. Revista Bagoas, Porto Alegre, v. 9, n. 13, p. 377-399, 2015. Disponível em: <https://periodicos.ufrn.br/bagoas/article/view/9663>. Acesso em: 28 fev. 2018.

HALLIDAY, M. A. K; MATTHIESSEN, C. An introduction to functional grammar. 3ª ed. Londres: Arnold, 2004.

LIMA, M. R. A Rainha da Lapa e o padre: uma análise discursivo-crítica das representações sociodiscursivas de Luana Muniz nas práticas midiáticas digitais brasileiras. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Viçosa. 2019. Disponível em: <https://locus.ufv.br//handle/123456789/26604>. Acesso em: 10 set. 2019.

______. Análise discursiva da divulgação científica do conhecimento “transgeneridade” nas revistas Mente & Cérebro e Galileu. Revista Forproll. Diamantina, Vol. 03, n. 02, p. 42-59, jul/dez, 2019. Disponível em: < https://drive.google.com/file/d/1IXccT6MYBbU25qiJa5H_AVL2gJ4oeWW2/view>. Acesso em: 10 maio 2020.

LIMA, M. R.; MACHADO, T. R.; GOMES, M. C. A. “Travesti Não é Bagunça”: uma análise discursivo-crítica das representações de Luana Muniz nas práticas midiáticas jornalísticas digitais. Gláuks, Viçosa, v. 17, n. 01, p. 170-188, 2017. Disponível em: <https://www.revistaglauks.ufv.br/index.php/Glauks/article/view/9>. Acesso em: 27 set. 2018.

LANA, L. As contradições da fama da periferia: a celebrização de Tati Quebra-Barraco. In: FRANÇA, Vera et al. Celebridades do século XXI: transformações no estatuto da fama. Porto Alegre: Sulina, 2014, p. 181-205.

MAGALHÃES, I. Protagonismo da linguagem: textos como agentes. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, vol. 17, n. 4, p. 575-598, 2017.

PESSOA, D. “Eu sou gente!”: Representação dos (trans) gêneros em veículos midiáticos –caso Laerte Coutinho. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Viçosa. Viçosa. Março/2015.

PRECIADO, [Paul] B. Manifesto contrassexual: práticas subversivas de identidade sexual. São Paulo: n-1 edições, 2014 [2002].

SOUZA, Daniela Márcia de. “Mais que uma menina que se veste de menino”: uma análise discursivo-crítica das representações de Tereza Brant. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Viçosa. 2017.

RIBEIRO, S. S. Relatos de homens trans em práticas socioescolares do ensino

Médio: um olhar analítico discursivo-etnográfico-crítico e Transformacional. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Viçosa. 2020.

ROJEK, C. Celebridade. Rio de Janeiro: Rocco, 2008.

Publicado

2021-04-03