ÍNDICE DA VEGETAÇÃO DA DIFERENÇA NORMALIZADA (NDVI) NA SUB-BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO GURGUÉIA, PIAUÍ-BRASIL: ANÁLISE DO EFEITO DA EXPANSÃO AGRÍCOLA

Autores

Palavras-chave:

MATOPIBA, Desmatamento, Bacia hidrográfica, Gestão ambiental.

Resumo

Este estudo objetiva examinar o NDVI na sub-bacia hidrográfica do rio Gurgueia-Piauí, que faz parte da atual fronteira agrícola brasileira denominada MATOPIBA, a fim de detectar as áreas de degradação e regeneração da vegetação entre os anos de 1987 e 2017. A análise foi aplicada com base na hipótese de que os vetores de tendência residuais do NDVI resultantes, permitiriam a detecção de alterações na vegetação fotossinteticamente ativa. Realizou-se análise de regressão, e foi gerado um mapa de tendências significativas para os anos de 1987 e 2017 utilizando o software ArcGIS 10.2. Verificou-se que as áreas que mostram tendências negativas, coincidiram principalmente com as de mudança de classe de cobertura da terra, indicando uma redução da vegetação e aumento da área de solo exposto respectivamente. Essas descobertas, demonstram que a análise do NDVI é adequada para detectar áreas de mudança de vegetação e identificar a degradação e/ou regeneração da terra, sendo relevante sua utilização na gestão ambiental como forma de alcançar a sustentabilidade e manutenção do ambiente.

Biografia do Autor

Livania Norberta Oliveira, Universidade Federal do Piauí

Pós doutorado em Geografia pela Universidade Federal do Piauí (2019); Doutora em Geografia pela Universidade Federal de Pernambuco (2017). Fez doutorado Sanduíche em Geografia na Universidade de Coimbra (2017). É Mestra em Desenvolvimento e Meio Ambiente pela Universidade Federal do Piauí (2011). Possui Graduação em Licenciatura Plena em Geografia pela Universidade Federal do Piauí (2008). É integrante do Grupo de Estudos Geodiversidade, Patrimônio Geomorfológico e Geoconservação (GEOCON/UFPI); e no Grupo de Pesquisa Estudos Integrados em Bacias Hidrográficas (IFMA). Faz parte do Banco de Avaliadores do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (BASis)MEC. Coordenou o Curso de Licenciatura em Geografia da Faculdade de Educação São Francisco-FAESF (2012-2013). Coordenou o TCC na Faculdade de Educação São Francisco-FAESF (2013). Atua principalmente na área da educação e pesquisa, nos seguintes temas: Desenvolvimento e Meio Ambiente, Vulnerabilidade socioambiental, Bacias Hidrográficas, Desenvolvimento Sustentável, Impactos ambientais urbanos e rurais, Gestão ambiental, Ordenamento territorial e Educação Ambiental. e-mail: livaniageo@gmail.com. Telefone (+55) 86 99903-9641

 

Cláudia Maria Sabóia Aquino, Universidade Federal do Piauí

Possui graduação em Licenciatura Plena Em Geografia pela Universidade Federal do Piauí (1999), mestrado em Desenvolvimento e Meio Ambiente pela Universidade Federal do Ceará (2002) e doutorado em Geografia pela Universidade Federal de sergipe (2010). Atualmente é professora Adjunta da Universidade Federal do Piauí, onde atua na pesquisa e no ensino de graduação e pós-graduação (Programa de Pós-Graduação de Geografia da UFPI), em disciplinas e temas relacionados à Geografia Física. É Editora-chefe da Revista eletrônica EQUADOR e Líder do Grupo de Pesquisa Geodiversidade, patrimônio Geomorfológico e Geoconservação (GEOCON). Coordena juntamente com o professor Dr. Gustavo Souza Valladares o Grupo de Pesquisa GEOGRAFIA FÍSICA. Tem experiência na área de Geografia, com ênfase em Análise Ambiental. Tem interesse nos temas: Ensino em Geografia Física, Geodiversidade, Patrimônio Geológico e Geomorfológico, Geoconservação, Bacia hidrográfica, Desertificação e planejamento ambiental.

 

Referências

AQUINO, I.O.; CAMPOS, A.R.; RATKE, R.F. Caracterização da fitofisionomia e de solos na Sub-bacia hidrográfica do Alto Médio Gurguéia por Sistemas de Informações Geográficas – SIG. In: XXIII Seminário de iniciação científica da UFPI, Teresina-PI, 2004.

AQUINO, C. M. S; DIAS, A. A; SANTOS, F. A. Análise temporal do NDVI da bacia hidrográfica do rio Longá - Piauí – Brasil. Revista Formação (ONLINE) Vol. 3; n. 23, p.248-263, 2016.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Caderno da região hidrográfica do Parnaíba. Brasília: Secretaria de Recursos Hídricos do Ministério do Meio Ambiente. 2006. 184p.

BANDEIRA, E. G.; ALVES, C. M. D.; MELO, L. F. DE S.. Análise temporal por imagens landsat da expansão da fronteira agrícola no município Bom Jesus-PI. III Simpósio Brasileiro de Ciências Geodésicas e Tecnologias da Geoinformação. P.1-6, 2010

ECKERT,S.; HÜSLER, F.; LINIGER, H.; HODEL,E. Trend analysis of MODIS NDVI time series for detecting land degradation and regeneration in Mongolia. Journal of Arid Environments. V. 113, P. 16-28, 2015, https://doi.org/10.1016/j.jaridenv.2014.09.001

GODOY, V. N de, CRUZ, R.C. self-management of water resources - case study of river basin Santa Maria- RS. Ciência e Natura, Santa Maria v.38 n.2, Mai.- Ago. p. 980 –997, 2016,

GOVERNO DO PIAUÍ. Caracterização bacia do Rio Gurguéia. 2016. Disponível em: http://www.ccom.pi.gov.br/download/GURG.pdf> Acesso em: 30 de maio de 2016.

IBGE. Levantamento sistemático da produção agrícola. Disponível em:<https://www.ibge.gov.br/estatisticas/economicas/agricultura-e-pecuaria/9201-levantamento-sistematico-da-producao-agricola.html?=&t=o-que-e>. Acesso em julho de 2019.

FRANÇA, L. C. DE J.; ROCHA, S. J. S. S. DA. LISBOA, G. DOS S.; SILVA, J. B. L. DA; FONSECA, B. S. F. DA. Áreas de encostas prioritárias à conservação na bacia hidrográfica do rio Gurguéia, Piauí, Brasil. Anais do Congresso Técnico Científico da Engenharia e da Agronomia CONTECC. 2016

JENSEN, J. R. Sensoriamento Remoto do Ambiente: uma perspectiva em recursos terrestres. 2ª ed., São José dos Campos: Parêntese, 2009

MORAIS, R. C. DE S.contribuição metodológica para a elaboração do diagnóstico físico-conservacionista (dfc) em bacias hidrográficas: aplicação na bacia do alto Gurguéia, Piauí (BRASIL). Tese (doutorado)-Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente da Universidade Federal do Ceará, 2018, 151f.

NUCCI, J. C. Qualidade Ambiental e Adensamento Urbano – Um estudo de ecologia e planejamento da paisagem aplicado ao distrito de Santa Cecília (MSP). São Paulo:Humanitas/FAPESP. 236P, 2001.

OLIVEIRA, L. N.; AQUINO, C. M.S. de. Dinâmica Temporal do uso e cobertura da terra na fronteira agrícola do MATOPIBA: Análise na sub-bacia hidrográfica do rio Gurguéia-Piauí. Revista Equador (UFPI), Vol. 9, Nº 1, p.317 – 333, 2019

OLIVEIRA, L. M. M.; MONTENEGRO, S. M. G. L.; ANTONINO, A. C. D.; SILVA, B. B.; MACHADO, C. C. C.; GALVÍNCIO, J. D. Análise quantitativa de parâmetros biofísicos de bacia hidrográfica obtidos por sensoriamento remoto. Revista Pesquisa Agropecuária Brasileira, v. 47, n.9, p. 1209 -1217, Set., 2012.

OLIVEIRA, T. H.; GALVÍNCIO, J. D; SILVA, J. S.; SILVA, C. A.V.; SANTIAGO, M. M.; MENEZES, J. B.; SILVA, H. A.; PIMENTEL, R. M. M. Avaliação da Cobertura Vegetal e do Albedo da Bacia Hidrográfica do Rio Moxotó com Imagens do Satélite Landsat 5. In: XIV Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, Anais, Natal: INPE, abril, p. 2865-2872, 2009.

PEREIRA, L. I.; PAULI, L. O processo de estrangeirização da terra e expansão do agronegócio na região do Matopiba / The process of land grabbing and expansion of agribusiness in Matopiba. Campo-Território: Revista de Geografia Agrária, v. 11, n. 23 Jul., 12 set. 2016.

SEMAR. Secretaria do meio ambiente e Recursos hídricos do Piauí. Plano estadual de recursos hídricos do Estado do Piauí. Relatório síntese. Governo do Estado do Piauí, 2010

SERVIÇO GEOLÓGICO DO BRASIL – CPRM. Relatório situacional dos recuros hídricos superficiais da bacia hidrográfica do rio Parnaíba. SACE – Sistema De Alerta De Eventos Críticos Residência De Teresina – RETE, 2017

SILVA, L. S. da.;. ALVES,R.;. NUNES, A. K. A.;. MACEDO, de S.; MARTINS,A.da R. Florística e fitossociologia em um remanescente de mata ciliar na bacia do Rio Gurguéia-PI. Nativa, Sinop, v. 03, n. 03, p.156-164, jul./set. 2015

SOUSA,G. B. de; CAMPOS,L. P.; SILVA JUNIOR, J. F. da; GUIMARÃES,G. S. C. Parâmetros físico-químicos das águas da bacia do Rio Gurguéia- PI. Revista Brasileira de Gestão Ambiental (Pombal - PB – Brasil). v. 12, n.1, p.01-06, jan-dez, 2018.

THORNTHWAITE, C.W. Atlas of Climatic Types in the United States. Miscell Publ. n.421. U.S. Departament of Agricultures, Forest Service, 1941.

UNITED NATIONS ENVIRONMENT PROGRAMME. Status of desertification and implementation of the United Nations Plan of Action to Combat Desertification. Nairóbi, 1991.

UNITED STATES GEOLOGICAL SERVICE (Serviço Geológico dos Estados Unidos). Digital elevation: SRTM 1 Arc-Second Global. 2019. Disponível em: <http://earthexplorer.usgs.gov/>. Acesso em: 23 jul. 2019a.

UNITED STATES GEOLOGICAL SERVICE (Serviço Geológico dos Estados Unidos). Collection: landsat archive. Disponível em: <http://earthexplorer.usgs.gov/>. Acesso em: 23 jul. 2019b

Downloads

Publicado

2020-12-27

Edição

Seção

Artigos