Variabilidade Climática e Precipitação, Cidade de Blumenau-SC

Autores

Palavras-chave:

TSM, Meio ambiente, Desastres naturais.

Resumo

As variabilidades climáticas nos últimos anos podem afetar cidades historicamente atingidas por desastres naturais de origem hidroclimática. O objetivo deste trabalho é analisar a variabilidade espaço-temporal da precipitação pluviométrica sob condicionantes climáticas no município de Blumenau no período de 1986 a 2015. Utilizou-se índices climáticos (National Oceanic and Atmospheric Administration); dados de precipitação (Agência Nacional de Águas); dados estimados pluviométricos do GPCC (Global Precipitation Climatology Center) para a espacialização. Calculou-se o Índice de Anomalia de Chuva, o coeficiente de correlação e determinação de Pearson. Há uma tendência de anomalias positivas do Atlântico tropical e da Antártica, sendo o oposto para o Pacífico tropical. Observa-se um aumento pluvial nos últimos 10 anos, com 2002 (1.243,3 mm) a mínima e 2008 (2.685,5 mm) a máxima pluvial. O trimestre mais chuvoso é Jan-Fev-Mar (255,4 mm-194,2 mm-159,7 mm) e o menos chuvoso Jun-Jul-Ago (112,8 mm-114,2 mm-97,5 mm). O mês de maior abastecimento hídrico foi Jan (1,63 mm) e o de maior escassez foi Ago (-0,81 mm). A estação chuvosa é (Out – Mar) e a estiagem é (Abri-Set). A climatologia indica que os menores volumes pluviais estão ao sul e as maiores concentrações de chuvas ao norte do município. A precipitação está mais relacionada com as oscilações do Pacífico tropical com r = 0,89 e r² = 0,79 (79 %). A cidade deve estar em alerta na questão da retirada da floresta, pois a área ao norte pode estar sujeita a desastres naturais de excesso e ao sul de carência hídrica.

Biografia do Autor

Dênis José Cardoso Gomes, Universidade Federal de Santa Maria

Meteorologista formado na Universidade Federal do Pará - UFPA (2019). Tem experiência na área da Geociência com ênfase em Meteorologia nas áreas: Hidrometeorologia, Climatologia, Modelagem ambiental, Biometeorologia, Desastres Naturais , Geoprocessamento. Foi bolsista PIBIC/UFPA (2016-2017) e Monitor (2017 - 2019) gerenciando o Laboratório de Estudos de Modelagem Hidroambientais (LEMHA), coordenando e executando a elaboração de banco de dados, mapas técnicos (espacialização de precipitação, uso e cobertura do solo, índices de vegetação, clinografia, geomorfológico, pedológico, risco á erosão, etc). Atualmente é mestrando em Meteorologia na Universidade Federal de Santa Maria pesquisando na área de previsões hidroclimáticas.

Nedilson Sanches Ferreira, Universidade Federal do Pará

Técnico formado pelo Instituto Tecnológico da Amazônia- ITAM- (2013).Tem experiência na área de Geociências, com ênfase em Meteorologia nas áreas de Biometeorologia, Hidrometeorologia, Climatologia, Geoprocessamento e Desastre Naturais. Atuando no momento como voluntario pesquisando e desenvolvimento trabalhos científicos no Laboratório de Estudos e Modelagem Hidroambiental (LEMHA).

Edivaldo Afonso de Oliveira Serrão, Universidade Federal de Campina Grande

Doutorando em Meteorologia pela Universidade Federal de Campina Grande - UFCG. Mestre em Meteorologia pela Universidade Federal de Campina Grande - UFCG. Bacharel em Meteorologia pela Universidade Federal do Pará - UFPA. Atua nas linhas de pesquisa de Geoprocessamento e sensoriamento remoto aplicado a modelagem hidrológica, Modelagem Hidrológica e Impactos Antrópicos na produção de energia hidrelétrica e Meteorologia e Climatologia Aplicada aos Trópicos. Estando inserido nos grupos de pesquisa de Estudos e Modelagem Hidroambientais da Universidade Federal do Pará - UFPA, grupo de pesquisa de Meteorologia e Climatologia aplicada aos Trópicos, e grupo de pesquisa de Geotecnologias e modelagem de risco ambiental da Universidade Federal de Campina Grande -UFCG, onde desenvolve pesquisas utilizando Modelagem Hidrológica, Sensoriamento Remoto da Atmosfera, Estatística não paramétrica e Análise de séries temporais aplicado a Cenários de Mudanças Climáticas e de Uso e Cobertura da Terra na produção de energia hidrelétrica. Membro do International Water Association - IWA, contribuindo com discussões sobre recursos hídricos, modelagem hidrológica e eficiência energética.

Referências

BOIASKI, N. T.; FERRAZ, S. E. T.; TATSCH, J. D. Padrão espacial da oscilação antártica no modelo HADGEM2-ES. Revista Ciência e Natura. v. especial, p. 403 – 405, 2013.

BORSATO, V. A.; MASSOQUIM, N. G.; RODRIGUES, D. U. Os complexos convectivos de mesoescala, as supercélulas e as tempestades no Paraná – o estudo de caso. Revista Geografia em Questão. v. 12, n. 01, p 196-212, 2019.

BRASIL. Agência Nacional das Águas (ANA). Sistema Nacional de Informações sobre Recursos Hídricos. Disponível em: <http://www.snirh.gov.br/hidroweb/publico/apresentacao.jsf>. Acessado: 01 de Abril de 2019.

BRASIL. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/sc/blumenau/panorama. Acessado em: 10/07/19.

BRASIL. Instituto Nacional de Meteorologia (INMET). Disponível em: <http://www.inmet.gov.br/portal/index.php?r=clima/normaisClimatologicas>. Acessado em:

de Maio de 2019.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente (MMA). Base digital cartográfica. Disponível em: http://mapas.mma.gov.br/i3geo/datadownload.htm. Acessado em 22 de Janeiro de 2019.

BRASIL. Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil (SNPDC). Sistema Integrado de Informações sobre Desastres Naturais (S2iD). Disponível em: https://s2id.mi.gov.br/. Acessado em: 07/06/2019.

BURYLO, M.; HUDEK, C.; REY, F. Soil reinforcement by the roots of six dominant species on eroded mountainous marly slopes (Southrn Alps, France). Catena. v. 84, n. 1-2, p. 70-78, 2011.

CARDOSO, C. S.; BITTENCOURT, D. P.; MENDONÇA, M. Comportamento do vento no setor leste de Santa Catarina sob influência de ciclones extratropicais. Revista Brasileira de Meteorologia. v. 27, n. 01, p. 39-48, 2012.

CHENG, C. L.; SHALABH, S; GARG, G. Coefficient of determination of multiple measurement error models. Journal of Multivariate Analyses. v. 126, p. 137-152, 2014.

COSTA, A. J. S. T.; CONCEIÇÃO, R. S.; AMANTE, F. O. As enchentes urbanas e o crescimento da cidade do Rio de Janeiro: Estudos em direção a uma cartografia das enchentes urbanas. Revista Geo UFRJ. v. 32, n. 25685, p 1- 25, 2018.

CURY, M. D.; PEZENTE, D. P.; GONÇALVES, F. N.; SUTIL, T.; MENEGASSO, J. D. Análise do índice de anomalia de chuva (IAC) á bacia hidrográfica do rio Urussanga/SC. Revista Tecnologia e Ambiente. v. 24, p. 71 – 80, 2018.

ESCOBAR, G. C. J.; SELUCHI, M. E.; ANDRADE, K. Classificação sinótica de frentes frias associadas a chuvas extremas no leste de Santa Catarina (SC). Revista Brasileira de Meteorologia. v. 31, n. 04, p. 649-661, 2016.

FRANCA, R. R.; MENDONÇA, F. A. A pluviosidade na Amazônia meridional: variabilidade e teleconexões extra-regionais. Revista Fraco-Brasileira de Geografia. n. 29, 2016.

FREITAS, M.A.S. 2005. Um sistema de suporte à decisão para o monitoramento de secas meteorológicas em regiões semi-áridas. Revista Tecnologia. v. Supl., p. 84-95, 2005.

GOTARDO, R.; PIAZZA, G. A.; TORRES, E.; SEVERO, D. L.; KAUFMANN, V. Distribuição espacial e temporal das chuvas no estado de Santa Catarina. Revista Geosul. v. 33, n. 67, p. 253 – 276, 2018.

HAHN, R. Estudo de caso de um evento extremo de precipitação com o uso do modelo WRF. Monografia em Meteorologia. UFSC, 2017.

HOUNSOU-GBO, G. A. Dinâmica do atlântico tropical e seus impactos sobre o clima ao longo da costa do nordeste do Brasil. Tese de Doutorado em Oceanografia. UFPE, 2015.

GPCC. Global Precipitation Climatology Center. Disponível em: https://kunden.dwd.de/GPCC/Visualizer. Acessado em: 10/01/19.

KASUYA, E. Onthe use of r and r squared in correlation and regression. Ecological Research. v. 34, n. 1, p. 235-236, 2018.

LEITE FILHO, C. A. Considerations on linear correlation analysis. Audiology Communucation Research. v. 24, n. 2143, p. 1-2, 2019.

LINDEMANN, D. S.; JUSTINO, F. B. A influência dos modos de variabilidade climática na temperatura em superfície na Antártica. Revista Brasileira de Meteorologia. v. 30, n. 02, p. 214 – 222, 2015.

MARCELINO, E. V.; NUNES, L. H.; KOBIYAMA, M. Mapeamento de risco de desastres naturais do estado de Santa Catarina. Revista Caminhos de Geografia. v. 8, n. 17, p. 72-84, 2006.

MINUZZI, R. B. Tendências na variabilidade climática de Santa Catarina, Brasil. Revista Brasileira de Engenharia Ambiental. v. 14, n. 12, p. 1288 – 1293, 2010.

MONTEIRO, M. A. Caracterização climática do estado de Santa Catarina: uma abordagem dos principais sistemas atmosféricos que atuam durante o ano. Revista Geosul. v. 16, n. 31, p. 69 – 78, 2001.

NOAA. National Oceanic Atmospheric and Administration. Disponível em: <https://www.esrl.noaa.gov/psd/data/climateindices/list/>. Acessado: 17 de Maio de 2019.

NERY, J. T. Dinâmica climática da região sul do Brasil. Revista Brasileira de Climatologia.v. 01, n. 01, p. 61 – 75 , 2005.

PIAZZA, G. A.; TORRES, E.; MOSER, P.; GOTARDO, R.; KAUFMANN, V.; PINHEIRO, A. Análise espacial e temporal dos dados de precipitação das estações de entorno da bacia do Ribeirão Concórdia, Lontras (SC) visando sua inserção no contexto de mudanças climáticas. Revista Brasileira de Meteorologia. v. 31, n. 04, p. 580 – 592, 2016.

SELUCHI, M.; BEU, C.; ANDRADE, K. M. Características das frentes frias causadoras de chuvas intensas no leste de Santa Catarina. Revista Brasileira de Meteorologia. v. 32, n. 01, p. 25-37, 2017.

SILVA, M. T.; ALCÂNTARA, C. R.; SOUZA, E. P.; OLINDA, R. A.; GONÇALVES, W. A. Influência da temperatura da superfície do mar na ocorrência de linhas de instabilidade na costa Norte e Nordeste do Brasil. Revista Brasileira de Meteorologia. v. 32, n. 2, p. 261 – 268, 2017.

REBOITA, M. S.; GAN, M. A.; ROCHA, R. P.; AMBRIZZI, T. Regimes de precipitação na América do Sul: uma revisão bibliográfica. Revista Brasileira de Meteorologia. v. 25, n. 02, p. 185-204, 2010.

ROOY, M. P. V. A rainfall anomaly index independent of time and space. Notes. Weather Bureau of South Africa. v. 14, p. 43 – 48, 1965.

SALVADOR, M. A. CLIMAP – Aplicativo para análise de dados climáticos – versão 3.0. Revista Brasileira de Climatologia. v. 20, n. 13, p. 349-374, 2017.

TERASSI, P. M. B.; OLIVEIRA JUNIOR, J. F.; GÓIS, G.; GALVANI, E. Variabilidade do índice de precipitação padronizada na região norte do estado do Paraná associada aos eventos de El Niño Oscilação Sul. Revista Brasileira de Meteorologia. v. 33, n. 1, p. 11-25, 2018.

VALVERDE, M. C. A interdependência entre vulnerabilidade climática e socioeconômica na região do ABC Paulista. Revista Ambiente & Sociedade. v. 20, n. 03, p. 39 – 60, 2017.

VIEIRA, R.; SHMIDT, G.; MOURA, J. M. B. M. Política pública urbana de gestão de riscos de desastres naturais em Blumenau-SC: processos e ações. Revista Ambiente & Sociedade. v. 22, e. 01182, p. 1-22, 2019.

Downloads

Publicado

2021-06-25

Como Citar

Gomes, D. J. C., Ferreira, N. S., & Serrão, E. A. de O. (2021). Variabilidade Climática e Precipitação, Cidade de Blumenau-SC. Revista Geoaraguaia, 11(1), 118-134. Recuperado de https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/geo/article/view/10290

Edição

Seção

Artigos