Vegetation and microclimate in open urban areas. Cuiabá, Mato Grosso - Brazil

Authors

  • Maria Corette Pasa UFMT
  • Lucas Henrique Vieira Lenci UNIR
  • Nhaára Da Vila Pereira PPGCFA/UFMT
  • Rosenil Antonia de Oliveira Miranda MESTRANDA PPGCFA

DOI:

10.34062/afs.v7i3.8352

Keywords:

Green areas, Environmental comfort, Urban climate, Health.

Abstract

The influence of vegetation on the reduction of heat in open urban environments by providing a milder and more pleasant microclimate is highlighted in modern science. The objective of this study was to evaluate the trend of microclimatic variables and thermal comfort, in the Federal University of Mato Grosso - UFMT campus, in open spaces (forest fragment, cerrado and paved) with and without afforestation. Three collection points were selected in open spaces (wooded and without afforestation) at the UFMT campus in Cuiabá. To record the data, we used the Alloet Thermohigrometer mini-markers, model TA-318 with 0.1%. The collections took place in May of 2018, period that begins the local winter. The microclimatic variables such as air temperature, relative humidity (%), wind speed, ultraviolet index and chance of rain were analyzed daily from 09:00 to 17:00 for 15 days. The results highlight the importance of the shade provided by the tree vegetation in the forest fragment, which revealed a significant difference for the thermal comfort in relation to the other sample points and without afforestation. The microclimatic parameters present variations of the temperature and relative humidity of the air at the points allocated, with emphasis on the thermal comfort sensation for the wooded area. The research also suggests new scientific investments in studies on urban micro-climates as a way to stimulate and raise awareness of the importance of vegetation in thermal comfort, which can directly reflect the health and well-being of people in general.

 

Author Biographies

Maria Corette Pasa, UFMT

IB/UFMT

Lucas Henrique Vieira Lenci, UNIR

Engenharia Florestal

Nhaára Da Vila Pereira, PPGCFA/UFMT

PPGCFA

Rosenil Antonia de Oliveira Miranda, MESTRANDA PPGCFA

PPGCFA

References

ABREU, L. V. Avaliação da escala de influência da vegetação no microclima por diferentes espécies arbóreas. Campinas, SP. 2008.

ALBUQUERQUE, M. M.; LOPES, W. G. R. Influência da vegetação em variáveis climáticas: Um estudo em bairros da cidade de Teresina, Piauí. Espaço Geográfico em Análise, Curitiba, v. 36, p. 38-68, Abril 2016

ANGEOLETTO, F.; SANTOS, J.W.M.C.; SANZ, J.P.R.;SILVA,F.F.;ALBERTÍN, R.M. Tipologia socio-ambiental de las ciudades medias de Brasil: aportes para um desarrollo urbano sostenible. Urbe Revista Brasileira de Gestão Urbana, v. 8, n. 2, p. 272-287, 2016.

BIZ, S.; MARIA, T. R. B. C.; MOTA, C. J.; FAVARO, J. F.; BRUN, F. G. K.; BRUN, E. J. Levantamento florístico da mata ciliar urbana do córrego Água Turva em Dois Vizinhos-PR. REVSBAU, Piracicaba – SP, v.10, n.2, p. 14-26, 2015.

CALLEJAS, I. J. A. Avaliação temporal do balanço de energia em ambientes urbanos na cidade de Cuiabá-MT. Cuiabá, 2012. 265f. Tese (Doutorado), Programa de Pós-graduação em Física Ambiental, Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, 2012.

DUARTE, T.E.P.N.; ANGEOLETTO, F. SANTOS, J.W.M.C.; SILVA, F.F.; BOHRER, J.F.C.; MASSAD, L. Reflexões sobre arborização urbana: desafios a serem superados para o incremento da arborização urbana no Brasil. Rev. Agro. Amb., v. 11, n. 1, p. 327-341, jan./mar. 2018.

EMBRAPA. Arborização urbana e produção de mudas de essências florestais nativas em Corumbá, MS. Corumbá: Embrapa Pantanal, 2002.

BRASIL, IBGE. Censo Demográfico. Disponível em: . Acessado em: 24 de agosto de 2018.

FAO. Agriculture, Forestry and Other Land Use Emissions by Sources and Removals by Sinks: 1990–2011 Analysis. FAO Statistics Division Working Paper Series, 14/01. UN FAO, Rome, Italy, 2016. <http://www.fao.org/docrep/019/i3671e/ i3671e.pdf>.

FISCH, G.; LEAN, J.; WRIGHT, I.R.; NOBRE, C.A. Simulações climáticas do efeito do desmatamento na região Amazônica; estudo de um caso em Rondônia. Submetido à Revista Brasileira de Meteorologia, 1996c.

HAMILTON, M.G. e TARIFA, J.R. Synoptic aspects of a polar outbreak leading to frost in tropical Brazil, July 1972. Monthly Weather Review, 106(11): 1545 - 1556, 1978.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Censo Demográfico. Rio de Janeiro: IBGE, 2010. Disponível em: <http://www.censo2010.ibge.gov.br/sinopse/index.php?uf=51&dados=6>. Acesso em: 22 de maio 2018.

INSTITUO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS. Disponível em: http://www.inpe.br/. Acesso em 30/05/2018

KATZSCHNER, L. Urban climate studies as tools for urban planning and architecture. In: ENCONTRO NACIONAL DE CONFORTO NO AMBIENTE CONSTRUÍDO: Anais... Salvador: FAUFBA/LACAM; ANTAC, 1999, 49-58.

LORENZI, H. Árvores brasileiras. v1, v2 e v3. São Paulo, Plantarum, 2009.

MAITELLI, G. T. Interações Atmosfera – Superfície. In: MORENO, G. HIGA, T.C.S. (orgs). Geografia de Mato Grosso: Território, Sociedade e Ambiente. Cuiabá, Entrelinhas, 2005.

MAITELLI, G. T. Balanço de energia estimado para Cuiabá: uma abordagem de balanço de energia pelo método de Bowen. Fórum Patrimônio: Ambiente Construído e Patrimônio Sustentável. UFMG v. 3, p. 1-24, 2010.

BEAUFORT SCALE. NATIONAL METEOROLOGICAL LIBRARY AND ARCHIVE’S. THE BEAUFORT SCALE. www.metoffice.gov.uk/corporateqlibrary . Acesso em agosto de 2018.

MASCARÓ, L; MASCARÓ J. Vegetação Urbana. 2ºed. Porto Alegre: Ed. +4, 2005. 204 p

MILANO, M. S.; DALCIN, E. C. Arborização de vias públicas. Rio de Janeiro, RJ: Light, 2000. 131p.

MONTEIRO, C. A. F. Por um suporte teórico e prático para estimular os estudos geográficos do clima urbano do Brasil. GEOSUL. Florianópolis, p.7-19, 1990.

PINHO, J. G. de. A Evolução da Intensidade da Ilha de Calor em Cuiabá – MT: 1990 a 2002. 69 p. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Geografia) – Departamento de Geografia, Instituto de Ciências Humanas e Sócias da Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá/ MT. 2008.

ROMERO, M. A. B. Arquitetura bioclimática do espaço público. 1. ed. Brasília: UNB,2007. 226 p.

SECRETARIAT OF THE CONVENTION ON BIOLOGICAL DIVERSITY. Cities and Biodiversity Outlook. Montreal: [s.n.], 2012. 64 p.

SHINZATO P. Impacto da Vegetação nos Microclimas Urbanos. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo). Universidade de São Paulo, São Paulo. 2009.

SILVA, M.P.; TARIFA, J.R. RITMO DA TEMPERATURA NO CLIMA LOCAL DA CIDADE DE CUIABÁ-VÁRZEA GRANDE (MT): Uma análise secular (1912 A 2012). Biodiversidade, V.16, N2, p. 2 – 20. 2017.

SILVA, B. A.; XAVIER, T. C.; ALVAREZ, C. E. A influência da vegetação no conforto térmico para a condição microclimática de Vitória (ES). Cidades Verdes, v.03, n.08, p.15. 2015.

SOUZA, M. C. D. C.; AMORIM, M. C. C. T. Qualidade ambiental em áreas verdespúblicas na periferia de Presidente Prudente SP: os exemplos dos bairros Humberto Salvador e Morada do Sol. Caminhos de Geografia, Uberlânia, v. 17, n. 57, p. 59-73,Março 2016.

WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO). Reducing Risks, Promoting Healthy Life. World Health Organization: Geneva, 2002. Disponível em: http://www.who.int/whr/2002/en/whr02_en.pdf. Acesso em: 24 de julho de 2018.

WORKING GROUP ON THE ANTHROPOCENE. Disponível em:

<https://quaternary.stratigraphy.org/workinggroups/anthropocene/>. Acesso em

ago. 2018.

Published

2020-11-03