ANÁLISE DA VULNERABILIDADE SOCIAL SOBRE O INDICADOR DE CRIANÇAS EXTREMAMENTE POBRES NAS REGIÕES METROPOLITANAS DO BRASIL

Autores

  • Gabriel Brito Procópio Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará
  • Myllena Ferreira Peixoto Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará
  • Kananda Nunes Carvalho Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará
  • Amanda Silva Campos Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará
  • Ana Cristina Viana Campos Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará - Unifesspa http://orcid.org/0000-0003-0596-6632

DOI:

10.19093/res7902

Palavras-chave:

Vulnerabilidade Social, Pobreza, Desigualdades Metropolitanas

Resumo

O objetivo do trabalho foi analisar a vulnerabilidade social de crianças por meio dos níveis de pobrezas entre as regiões metropolitanas brasileiras e testar a associação com possíveis fatores de associação. Estudo ecológico com utilização de dados secundários advindos do Atlas de Desenvolvimento Humano no Brasil. O banco de dados foi construído no software SPSS 18.0 com análises descritivas e multivariadas em nível de significância de 5%. Em 2000 e 2010, as maiores médias percentuais de crianças extremamente pobres se encontram nas seguintes regiões metropolitanas: Petrolina-Juazeiro (28,73%), Grande Teresina (26,73%), Maceió (21,72%). No ano de 2000, o percentual de crianças extremamente pobres se manteve associado a IDHM (p=0,004), percentual de crianças 0-5 anos fora da escola (p=0,002) e percentual de domicílios sem energia elétrica (p=0,018). Já em 2010 maiores percentuais de crianças extremamente pobres podem ser explicados por maior percentual de crianças 0-5 anos fora da escola (p=0,000), maior percentual de domicílios com saneamento inadequado (p=0,000) e por indivíduos sem fundamental completo (p=0,000). Os resultados indicam que o percentual de crianças 0-5 anos fora e piores condições de saneamento básico da escola explicam as diferenças no percentual de crianças extremamente pobres em 2000 e 2010 para as RM brasileiras.

Biografia do Autor

Gabriel Brito Procópio, Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará

Aluno do curso de Bacharelado em Saúde Coletiva da Faculdade de Saúde Coletiva, Instituto de Estudos em Saúde e Biológicas da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará. Marabá, Pará, Brasil.

Myllena Ferreira Peixoto, Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará

Aluna do curso de Bacharelado em Saúde Coletiva da Faculdade de Saúde Coletiva, Instituto de Estudos em Saúde e Biológicas da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará. Marabá, Pará, Brasil.

Kananda Nunes Carvalho, Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará

Aluna do curso de Bacharelado em Saúde Coletiva da Faculdade de Saúde Coletiva, Instituto de Estudos em Saúde e Biológicas da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará. Marabá, Pará, Brasil.

Amanda Silva Campos, Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará

Aluna do curso de Bacharelado em Saúde Coletiva da Faculdade de Saúde Coletiva, Instituto de Estudos em Saúde e Biológicas da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará. Marabá, Pará, Brasil.

Ana Cristina Viana Campos, Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará - Unifesspa

Doutora em Saúde Coletiva pela Universidade Federal de Minas Gerais. Docente da Faculdade de Saúde Coletiva, Instituto de Estudos em Saúde e Biológicas da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará.

Referências

ABRINQ. Associação Brasileira dos Fabricantes de Brinquedos. Cenário da Infância e Adolescência no Brasil 2017. – São Paulo: Fundação Abrinq, 2017. Disponível em: <https://observatoriocrianca.org.br/system/library_items/files/000/000/004/original/Cen%C3%A1rio_da_Inf%C3%A2ncia_e_Adolesc%C3%AAncia_2017.pdf?1510661423>. Acesso em: 20 jan. 2019.

ARAUJO, Victor; FLORES, Paulo. Redistribuição de renda, pobreza e desigualdade territorial no Brasil. Revista de Sociologia e Política, Curitiba, v. 25, n. 63, p. 159-182, Sept. 2017. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-44782017000300159&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 28 Jan. 2019. http://dx.doi.org/10.1590/1678-987317256307.

BARRETO, Mauricio Lima. Desigualdades em Saúde: uma perspectiva global. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro , v. 22, n. 7, p. 2097-2108, July 2017 . Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232017002702097&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 04 Jan. 2019. http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232017227.02742017.

BARRETO, Ricardo Candéa Sá; SANTOS, Eli Izidro dos; CARVALHO, Ícaro Célio Santos de. Pobreza espacial em Salvador: uma análise dos setores censitários do PNUD para 2000 e 2010. Revista de Estudos Sociais, v.20, n.40, p.106-29, 2017.

CARMO, Michelly Eustáquia do; GUIZARDI, Francini Lube. O conceito de vulnerabilidade e seus sentidos para as políticas públicas de saúde e assistência social. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 34, n. 3, e00101417, 2018. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2018000303001&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 07 Jan. 2019. Epub Mar 26, 2018. http://dx.doi.org/10.1590/0102-311x00101417.

FIGUEIREDO, Gustavo de Oliveira et al. Discusión y construcción de la categoría teórica de vulnerabilidad social,. Cadernos de Pesquisa, São Paulo , v. 47, n. 165, p. 796-818, Sept. 2017 . Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-15742017000300002&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 04 Jan. 2019. http://dx.doi.org/10.1590/198053144312.

FIGUEIREDO, Adriano Marcos Rodrigues; ALMEIDA, Jessika Brenner Soares Araújo de. População Nem-Nem: uma análise a partir dos dados da PNAD 2012. Revista de Estudos Sociais, v.19, n.38, p.106-29, 2017.

FLORES, Victor Araújo e Paulo. Rev. Redistribuição de renda, pobreza e desigualdade territorial no Brasil. Revista de Sociologia e Política, v. 25, n. 63, p. 159-182, set. 2017.

FONSECA, Franciele Fagundes et al. As vulnerabilidades na infância e adolescência e as políticas públicas brasileiras de intervenção. Revista Paulista de Pediatria, São Paulo, v. 31, n. 2, p. 258-264, June 2013. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-05822013000200019&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 30 Jan. 2019. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-05822013000200019.

FUSCO, Wilson. Regiões metropolitanas do Nordeste: origens, destinos e retornos de migrantes. Revista Interdisciplinar da Mobilidade Humana., Brasília, n.39, p. 101-116, jul./dez., 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/remhu/v20n39/v20n39a06.pdf. Acesso em: 30 Jan. 2019.

GOUVEA, Ronaldo Guimaraes. Diretrizes para a gestão metropolitana no Brasil. EURE (Santiago), Santiago , v. 35, n. 104, p. 47-76, abr. 2009 . Disponivel em: <https://scielo.conicyt.cl/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0250-71612009000100003&lng=es&nrm=iso>. Acesso em: 28 jan. 2019. http://dx.doi.org/10.4067/S0250-71612009000100003.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Indicadores Sociais Municipais: uma análise dos resultados do universo do Censo Demográfico [Internet]. 2011 Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv54598.pdf. Acesso em: 8 maio 2018.

IPEA. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Planejamento e avaliação de políticas públicas / organizadores: José Celso Cardoso Jr., Alexandre dos Santos Cunha. – Brasília: Ipea, 2015. Disponível em: http://repositorio.ipea.gov.br/bitstream/11058/3521/1/Planejamento%20e%20avalia%C3%A7%C3%A3o%20de%20pol%C3%ADticas%20p%C3%BAblicas.pdf. Acesso em: 8 maio 2018.

MONTALI, Lilia; LESSA, Luiz Henrique. Pobreza e mobilidade de renda nas regiões metropolitanas brasileiras. Cadernos Metrópole, São Paulo, v. 18, n. 36, p. 503-533, Dec. 2016. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2236-99962016000200503&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 28 Jan. 2019. http://dx.doi.org/10.1590/2236-9996.2016-3610.

PNUD. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. Desenvolvimento humano nas macrorregiões brasileiras: 2016. – Brasília: PNUD: IPEA: FJP, 2016

_____________. Índice de Desenvolvimento Humano Municipal Brasileiro. (Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil 2013). – Brasília: PNUD, Ipea, FJP, 2013.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS NO BRASIL. Conheça os novos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU. Disponível em: < https://nacoesunidas.org/conheca-os-novos-17-objetivos-de-desenvolvimento-sustentavel-da-onu/> Acesso em 19 jul. 2018.

SCALON Celi. Desigualdade, pobreza e políticas públicas: notas para um debate. Contemporânea n. 1 p. 49-68, Jan.–Jun. 2011. Disponível em: <http://www.contemporanea.ufscar.br/index.php/contemporanea/article/view/20/5>. Acesso em 19 jul. 2018.

SEMZEZEM, Priscila; ALVES, Jolinda de Moraes. Vulnerabilidade social, abordagem territorial e proteção na política de assistência social. Serviço Social em Revista, Londrina, v.16, n.1, p.143-166, jul./dez. 2013. Disponível em: <http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/ssrevista/article/viewFile/16115/14627> DOI: 10.5433/1679-4842.2013

SILVA, Maria Ozanira da Silva e. Pobreza, desigualdade e políticas públicas: caracterizando e problematizando a realidade brasileira. Revista Katálysis, Florianópolis , v. 13, n. 2, p. 155-163, 2010 . Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-49802010000200002&lng=en&nrm=iso>. Acesso em 19 jul. 2018.

TEJADA, César Augusto Oviedo et al, Pobreza e saúde: evidências de causalidade em um painel de dados para o Brasil. I10, I18, I3. (S/D). Boletim de Conjuntura, UFPR. Disponível em: < http://www.boletimdeconjuntura.ufpr.br/XI_ANPEC-Sul/artigos_pdf/a2/ANPEC-Sul-A2-17-pobreza_e_saude_evidenci.pdf >. Acesso em: 12 set. 2018.

TELLA, Patricia et al. Socioeconomic diversities and infant development at 6 to 9 months in a poverty area of São Paulo, Brazil. Trends Psychiatry Psychother., Porto Alegre, v. 40, n. 3, p. 232-240, Sept. 2018. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2237-60892018000300232&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 30 Jan. 2019. Epub Aug 23, 2018. http://dx.doi.org/10.1590/2237-6089-2017-0008.

TREUKE, Stephan. A reprodução das desigualdades socioeconómicas na vizinhança: examinando a dimensão espacial da pobreza. Revista Colombiana de Sociología [online]. 2018, v.41, n.2, p.169-187, 2018. Disponível em: <https://revistas.unal.edu.co/index.php/recs/article/view/63504>. Acesso em: 30 jan. 2019

UNICEF. Fundo das Nações Unidas para a Infância. Pobreza na infância e na adolescência. – Brasília: UNICEF, 2018. Disponível em: <https://www.unicef.org/brazil/pt/pobreza_infancia_adolescencia.pdf>. Acesso em: 20 jan. 2019.

Downloads

Publicado

2020-07-10

Como Citar

Procópio, G. B., Peixoto, M. F., Carvalho, K. N., Campos, A. S., & Campos, A. C. V. (2020). ANÁLISE DA VULNERABILIDADE SOCIAL SOBRE O INDICADOR DE CRIANÇAS EXTREMAMENTE POBRES NAS REGIÕES METROPOLITANAS DO BRASIL. Revista De Estudos Sociais, 22(44), 5-15. https://doi.org/10.19093/res7902

Edição

Seção

Artigos