INFORMALIDADE E DIFERENCIAÇÃO DE RENDIMENTO ENTRE OS SETORES FORMAL E INFORMAL PARA A REGIÃO METROPOLITANA DE BELÉM

Autores

  • Leandro Batista Duarte Universidade Federal de Pernambuco
  • Jader Fernandes Cirino Universidade Federal de Viçosa
  • Ana Beatriz Pereira Sette Universidade Federal de Viçosa

DOI:

10.19093/res5387

Palavras-chave:

Mercado de Trabalho, Regressão Quantílica, Discriminação de rendimento, RMB

Resumo

O presente estudo teve como objetivo analisar a diferença de rendimento entre trabalhadores formais e informais na Região Metropolitana de Belém. Para tanto, foi definido como setor informal os trabalhadores que se autodeclararam por conta própria, exceto as ocupações de profissionais liberais, e os empregados sem carteira assinada. Por outro lado, o setor formal ficou constituído pelos empregados assalariados com carteira assinada (domésticos ou não), funcionários públicos e militares, empregadores e profissionais liberais. Na metodologia, foi utilizada a equação minceriana estimada pelo método de regressão quantílica, apresentado originalmente por Koenker e Basset (1978). Em relação ao modelo de regressão quantílica, observou-se tanto para os trabalhadores formais quanto para os informais, a relevância da variável educação como importante determinante para o rendimento do trabalho, ou seja, quanto maior o ano de estudo maior esse último.

Biografia do Autor

Leandro Batista Duarte, Universidade Federal de Pernambuco

Doutorando em Economia pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Mestre em Economia pela Universidade Federal de Viçosa (UFV). Graduação em Economia pela Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC).

Jader Fernandes Cirino, Universidade Federal de Viçosa

Doutor em Economia Aplicada pela Universidade Federal de Viçosa. Professor Adjunto do Departamento de Economia da Universidade Federal de Viçosa

Ana Beatriz Pereira Sette, Universidade Federal de Viçosa

Mestranda em Economia Aplicada e Graduação em Economia pela Universidade Federal de Viçosa

Referências

BORJAS, G.J.; MINCER, J. The distribution of earnings profiles in longitudinal data. NBER Working Paper, n. 143, 1976.

CACCIAMALI, M C. Globalização e processo de informalidade. Economia e Sociedade, IE - UNICAMP, São Paulo, julho, p. 153-175, 2000.

CARNEIRO, F.G.; HENLEY, A. Modelling formal vs. informal employment and earnings: micro-econometric evidence for Brazil. Encontro Nacional de Economia. Anais. ANPEC, 2001.

CIRINO, Jader Fernandes; LIMA, Joao Eustaquio de. Diferenças de Rendimento entre as Regiões metropolitanas de Belo Horizonte e Salvador: uma discussão a partir da decomposição de Oaxaca-Blinder. REN. Revista Economica do Nordeste, v. 43, n. 2, p. 371-389, 2012.

DALBERTO, C.R. Formalidade vs. Informalidade no mercado de trabalho brasileiro: uma investigação dos diferenciais de rendimento. Viçosa, MG: UFV, 2014. 87 f. Dissertação (Mestrado em Economia) – Programa de Pós-Graduação em Economia da Universidade Federal de Viçosa. Viçosa, 2014.

D’ALENCAR, R. S; CAMPOS, J. B. VELHICE E TRABALHO: a informalidade como (re) aproveitamento do descartado. Revista Estud. interdiscip. envelhec., Porto Alegre, v. 10, p. 29-43, 2006.

FERREIRA, J.C. O Pará e seus Municípios. Belém: J.C..V Ferreira, 2003.

FERREIRA, Maria da Luz Alves. Trabalho Informal e Cidadania: heterogeneidade social e relações de gênero. Tese de doutorado em Ciências Humanas – Sociologia e 19 Política. Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas. Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2007.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. (2015). Cidades. Disponível em: <http://www.cidades.ibge.gov.br/xtras/home.php>. Acesso em: 21 out. 2015

KOENKER, R.; BASSET, G. Regressions quantiles. Econometrica, v. 1, n. 46, p. 33-50, 1978.

MACHADO, A.F.; OLIVEIRA, A.M.H.C.; ANTIGO, M. Evolução do diferencial de rendimentos entre setor formal e informal no Brasil: o papel das características não observadas. Revista de Economia Contemporânea, v. 12, n. 2, p. 355-388, 2008.

MENEZES-FILHO, N.A.; MENDES, M.; ALMEIDA, E.S. O diferencial de salários formal-informal no Brasil: segmentação ou viés de seleção? Revista Brasileira de Economia, v. 58, n. 2, p. 235-248, 2004.

MTE. A informalidade no mercado de trabalho brasileiro e as políticas públicas do governo federal. Observatório do Mercado de Trabalho do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). Salvador, BA. 2002. Disponível em: <http://portal.mte.gov.br/data/files/FF8080812BA5F4B7012BABBAC51731E4/Informalidade2.pdf>. Acesso em: 13 mar. 2015.

ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO – OIT. Employment, incomes and equality: a strategy for increasing productive employment in Kenya. Geneva: ILO, 1972.

PASTORE, José. Informalidade, estragos e soluções. Congresso do Coppead. Rio de Janeiro, (2004).

PEREIRA, A.M; SILVA, R.S; SILVA, P.R. Desigualdades na informalidade: uma análise das Regiões Nordeste e Sudeste do Brasil. Revista Desenvolvimento Social. Edição Especial, 2014. (ISSN 2179-6807).

PIANTO, MARIA E. TANNURI; AND PIANTO, DONALD M.: “Informal Employment in Brazil – A Choice at the Top and Segmentation at the Bottom: A Quantile Regression Approach”, Texto para discussão nº 236. Brasília, agosto de 2002.

RODRIGUES, C. I; BORGES, M. T. Economia informal no bairro do Jurunas, Belém-PA. 28ª Reunião Brasileira de Antropologia. São Paulo, 2012.

Downloads

Publicado

2018-07-04

Como Citar

Duarte, L. B., Cirino, J. F., & Sette, A. B. P. (2018). INFORMALIDADE E DIFERENCIAÇÃO DE RENDIMENTO ENTRE OS SETORES FORMAL E INFORMAL PARA A REGIÃO METROPOLITANA DE BELÉM. Revista De Estudos Sociais, 20(40), 42-59. https://doi.org/10.19093/res5387

Edição

Seção

Artigos