Desconcentração geográfica e científica do setor de construção naval e da Engenharia Naval: os Polos Navais das regiões Sul, Nordeste e Norte do Brasil

Autores

DOI:

10.19093/res10727

Palavras-chave:

Polo Naval - Engenharia Naval - Rede de Inovação

Resumo

O estudo apresenta o processo de desconcentração geográfica do setor de construção naval no Brasil acompanhada pela criação de novos programas de graduação de Engenharia Naval a partir dos anos 2000 e a formação de uma rede de inovação dedicada à interação entre o setor produtivo e acadêmico para dar sustentação aos interesses dessa expansão do segmento naval e oceânico nacional. O artigo observou que o setor de construção naval é sensível a fatores de localização, mas que sua desconcentração é possível desde que haja novas articulações entre os atores e instituições interessados. Assim, o artigo demonstra alguns resultados da interação universidade-empresa a partir do histórico de implementação dos Polos Navais nas regiões Sul, Nordeste e Norte do Brasil, destacando o papel das universidades nesse contexto. O artigo considera o período de 2000 a 2016 e está baseado em métodos profundamente empíricos, descritivos e historiográficos.

Biografia do Autor

Lucas Rodrigo da Silva, Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)

Doutor em Política Científica e Tecnológica pelo Programa de Pós-Graduação em Política Científica e Tecnológica (PPG-PCT) da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Pesquisador Colaborador do PPG-PCT/UNICAMP.

Leda Maria Caira Gitahy, Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)

Doutora em Sociologia pela Universidade de Uppsala. Professora do Programa de Pós-Graduação em Política Científica e Tecnológica (PPG-PCT) da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP).

Referências

BITTENCOURT, A. A evolução da engenharia naval no Brasil. Revista Marítima Brasileira, v. 129, n. 10/12, p. 69-84, 2009.

CAMPOS NETO, C.A.S. Investimentos e financiamentos na indústria naval brasileira 2000-2013. In: CAMPOS NETO, C.A.S.; POMPERMAYER, F.M. (eds.). Ressurgimento da indústria naval no Brasil:(2000-2013). Brasília, Ipea, 2014.

CARVALHO, D. S.; CARVALHO, A. B.; DOMINGUES, La ROCHA, M. V. O polo naval e offshore e o desenvolvimento regional na metade sul do Rio Grande do Sul. Ensaios FEE, v. 34, 2013.

CENTRO DE EXCELÊNCIA PARA O MAR BRASILEIRO (CEMBRA). O Brasil e o mar no século XXI: relatório aos tomadores de decisão do país. Edição virtual. [S.l.]: A Comissão, 2015. Disponível em: < http://www.cembra.org.br/>.

CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA (CONFEA). Resolução CONFEA nº 218/73. Estabelece as atribuições dos profissionais vinculados ao sistema CONFEA/CREA. Brasília/DF, 1973.

EMPRESA BRASILEIRA DE PLANEJAMENTO DE TRANSPORTES (GEIPOT). Política governamental e competitividade da marinha mercante brasileira. Brasília: GEIPOT, 1999. v.1 tomo 1.

______. Política governamental e competitividade da marinha mercante brasileira. Brasília: GEIPOT, 1999b. v.2.

GARCIA, S. R. Agentes produtivos e desenvolvimento: polo naval e capacidade de inovação no Rio Grande do Sul. Política & Sociedade, v. 12, n. 24, p. 89-114, 2013.

JESUS, C. G. Contribuições para análise da tecnologia e do trabalho na indústria de construção naval brasileira. Revista Ciências do Trabalho, n. 9, 2017.

JESUS, C. G. Notas sobre a desconcentração regional da indústria de construção naval brasileira no princípio do século XXI. RDE-Revista de Desenvolvimento Econômico, v. 1, n. 1, 2016.

JESUS, C.G. Retomada da indústria de construção naval brasileira: reestruturação e trabalho. 2013. xxiv+171. Tese (Doutorado em Política Científica e Tecnológica) – UNICAMP, Instituto de Geociências, Campinas, SP, 2013.

JESUS, C.G; GITAHY, L. M. Transformações na indústria de construção naval brasileira e seus Impactos no mercado de trabalho (1997-2007). In: CONGRESSO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL DE CABO VERDE, 1., 2009, 6 a 11 de Julho, Cabo Verde. Anais eletrônicos... Cabo Verde: [s.n], 2009.

MARTINS FILHO, J. Marinha, tecnologia e política no Brasil do século XX ao século XXI. Revista Marítima Brasileira. v. 129, p. 105-118, 2009.

MICHIMA, P. S. A; MELO, S. E. G.; PETKOVIC, M. A. L. Academic and technological partnerships between a newly created undergraduate course in naval engineering and new shipyards in northeastern Brazil. Recife: UFPE, 2015.

MICHIMA, P. S. A; MELO, S. E. G.; PETKOVIC, M. A. L. Academic and technological partnerships between a newly created undergraduate course in naval engineering and new shipyards in northeastern Brazil. Recife: UFPE, 2015.

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, COMÉRCIO EXTERIOR E SERVIÇOS/ INSTITUTO BRASILEIRO DE INFORMAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA (MDIC/IBICT). Observatório brasileiro de arranjos produtivos locais. Disponível em: < http://www.observatorioapl.gov.br/>. Acesso em junho de 2018.

MONTEIRO, G. Curso de Engenharia Naval da UFPA ganha excelência. Belém: UFPA. Assessoria de Comunicação da UFPA, 2011. Disponível em: https://ww2.ufpa.br/imprensa/noticia.php?cod=5072. Acesso em janeiro de 2018.

NÚCLEO ESTADUAL DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS NO AMAZONAS (NEAPL). APL de construção naval In: ______. Plano de desenvolvimento preliminar. Manaus, 2009.

OLINTO, C. R.; BASTOS, C. A. B.; SANTOS, F. B. F. As propostas dos cursos de engenharia mecânica naval e engenharia civil costeira e portuária na Universidade Federal do Rio Grande-FURG. In: COBENGE - CONGRESSO BRASILEIRO DE EDUCAÇÃO EM ENGENHARIA, 40., 2012, Belém. Anais... Belém: ABENGE - Associação Brasileira de Educação de Engenharia, 2012. Disponível em: <http://www.abenge.org.br/CobengeAnteriores/2012/artigos/104323.pdf>. 2012.

PEREIRA, D. B.; MORAES, I. S.; MENEZES, G.; ORELLANA, V. Q. Avaliação da expansão do polo naval sobre o desempenho do mercado de trabalho dos arranjos produtivos locais. 2016. Disponível em: <https://www.researchgate.net/publication/310775894_Avaliacao_da_expansao_do_polo_naval_sobre_o_desempenho_do_mercado_de_trabalho_dos_arranjos_produtivos_locais>.

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. Programa de metas do Presidente Juscelino Kubistchek. Rio de Janeiro: Serviço de Documentação, 1958.

PROGRAMA DE MOBILIZAÇÃO DA INDÚSTRIA NACIONAL DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL (PROMINP). Sobre o Prominp. 2013. Disponível em: < http://www.prominp.com.br/prominp/pt_br/conteudo/sobre-o-prominp.htm>.

REDE DE INOVAÇÃO PARA A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA NAVAL E OFFSHORE (RICINO). Plano de ações estratégicas. Rio de Janeiro, 2010.

REDE DE INOVAÇÃO PARA A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA NAVAL E OFFSHORE (RICINO). Plano de ações estratégicas. Rio de Janeiro, 2011.

SILVA, C. Compras governamentais e aprendizagem tecnológica: uma análise da política de compras da Petrobras para seus empreendimentos offshore. 306f. 2009. Tese (Doutorado em Política Científica e Tecnológica) – Unicamp, Departamento de Política Científica e Tecnológica, 2009.

SILVA, L. R. As transformações da seção naval do Instituto de Pesquisas Tecnológicas: aprendizagem e evolução institucional. 2012. 113p. Dissertação (Mestrado em Política Científica e Tecnológica) – UNICAMP, Instituto de Geociências, Campinas, SP. Disponível em: <http://www.bibliotecadigital.unicamp.br/document/?code=000905511

SILVA, Lucas Rodrigo da. Evolução do campo acadêmico de engenharia naval e oceânica no Brasil. 2018. 1 recurso online (299 p.). Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Geociências, Campinas, SP.

SILVEIRA, J.P. Fundamento s do Programa de Capacitação Tecnológica em Águas Profundas (PROCAP) apud MORAIS, José Mauro de. Petróleo em águas profundas: uma história tecnológica da Petrobras na exploração e produção offshore. 2013.

SINDICATO NACIONAL DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO E REPARAÇÃO NAVAL E OFFSHORE (SINAVAL). Histórico resumido da indústria de construção naval no Brasil. Rio de Janeiro, Dezembro, 2002.

______. Cenário da construção naval 1º trimestre de 2013. Rio de Janeiro, 2013.

______. Cenário da construção naval 1º trimestre de 2014. Rio de Janeiro, 2014.

______. Cenário da construção naval 2º trimestre de 2014. In XII Seminário Internacional de Energia, Rio de Janeiro, 2014b.

______. Impacto na formação de RH nos estaleiros e a curva de aprendizado. In: Navalshore Marintec South America. 2012.

______. Sem título. In: Rio International Defense Exhibition (RIDEX). Disponível em: < http://sinaval.org.br/wp-content/uploads/Apresenta%C3%A7%C3%A3o-SINAVAL-RIDEX.pdf>. Acesso em maio de 2018. Apresentação em PowerPoint.

______.Empregos nos estaleiros brasileiros. 2016. Disponível em: < http://sinaval.org.br/empregos/>. Acesso em maio de 2018.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE ENGENHARIA NAVAL (SOBENA). Dicionário naval. Disponível em: http://www.sobena.org.br/diciona_naval.asp. Acesso em maio de 2017.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE ENGENHARIA NAVAL (SOBENA). Estatuto SOBENA. Disponível em: < http://www.sobena.org.br/ >. Acesso em fevereiro de 2018.

TELLES, P. C. S. História da construção naval no Brasil. Rio de Janeiro: LAMN, FEMAR, 2001.

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS. GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA NAVAL/ (UEA.NAVAL). Site institucional. Disponível em: http://cursos3.uea.edu.br/apresentacao.php?cursoId=110. Acesso em fevereiro de 2018.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO (UFPE). Projeto Político Pedagógico do curso de graduação em engenharia naval. Setembro de 2014.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA (UFSC). Projeto Político Pedagógico do curso bacharelo de engenharia naval. Setembro de 2015.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ (UFPA). Projeto Político Pedagógico do curso de engenharia naval. In:______. Resolução n. 3.601, de 10 de setembro de 2007. Belém, 2007.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO. INSTITUTO ALBERTO LUIZ COIMBRA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DE ENGENHARIA (COPPE/UFRJ). A invenção do sonho. In: Revista Engenharia e Inovação – A arte de antecipar o futuro. Rio de Janeiro, 2015.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE (FURG). Engenharia mecânica naval. Disponível em: < http://www.ee.furg.br/graduacao/eng-mecanica-naval>. Acesso em março de 2018.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE. PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA OCEÂNICA (FURG. OCEÂNICA). Site institucional. Disponível em: http://www.engenhariaoceanica.furg.br/. Acesso em janeiro de 2018.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE. SISTEMA NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO (FURG.SNPG). Cadernos de indicadores. Acesso FURG/Engenharia III. Documento Proposta do Programa. Rio Grande, 1998.

VARGAS, Milton et al. História da técnica e da tecnologia no Brasil. Editora UNESP, Fundação para o Desenvolvimento da UNESP, 1994.

Downloads

Publicado

2020-07-10

Como Citar

Silva, L. R. da, & Gitahy, L. M. C. (2020). Desconcentração geográfica e científica do setor de construção naval e da Engenharia Naval: os Polos Navais das regiões Sul, Nordeste e Norte do Brasil. Revista De Estudos Sociais, 22(44), 58-78. https://doi.org/10.19093/res10727

Edição

Seção

Artigos