Educação linguística intercultural e decolonial em espanhol: propostas interseccionais

Autores

  • Doris Cristina Vicente da Silva Matos profadoris_ufs@yahoo.com.br
    Universidade Federal de Sergipe

Palavras-chave:

Educação linguística, Interculturalidade, Decolonialidade.

Resumo

Problematizar conhecimentos disciplinares em busca da construção de uma base transdisciplinar é um tema recorrente nas pesquisas em Linguística Aplicada contemporânea. Muitas vezes, o currículo das universidades é engessado, o que contribui para não promover, de fato, uma educação intercultural e decolonial, baseada nas epistemes desses campos de estudos. Neste artigo, será discutido como a educação linguística em língua espanhola pode contribuir para a construção de unidades didáticas que promovam um currículo intercultural e decolonial. Para tal, é analisada, seguindo a metodologia qualitativa-interpretativista, uma proposta avaliativa da disciplina “Educação Linguística Intercultural”, que faz parte do projeto curricular do Curso de Especialização em Multiletramentos na educação linguística e literária em espanhol, ocorrido na Universidade Federal de Sergipe. Os resultados revelam que é fundamental que os(as) professores(as)/graduandos(as) tenham, nas bases de sua formação, discussões transdisciplinares, que levem em conta conhecimentos advindos de outras áreas do saber, de maneira que a diversidade seja um ponto comum e balizador, sendo possível desconstruir os paradigmas monoculturais pelos quais os conhecimentos são construídos. As conclusões apontam que, ao abandonar práticas coloniais, promovendo práticas decoloniais, é possível que os diversos segmentos identitários tenham espaço na escola, através de um viés interseccional, criando comunidades de transformação social.

Biografia do Autor

Doris Cristina Vicente da Silva Matos, Universidade Federal de Sergipe

Possui Doutorado em Língua e Cultura pela Universidade Federal da Bahia, Mestrado em Letras (Linguistica Aplicada ao Ensino/ Aprendizagem de Espanhol LE) pela Universidade Federal Fluminense, Especialização em Língua Espanhola Instrumental para Leitura pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro e Graduação em Letras (Português/ Espanhol) pela Universidade Federal Fluminense. É professora associada da Universidade Federal de Sergipe e atua na graduação do Departamento de Letras Estrangeiras e no Programa de Pós-Graduação em Letras (PPGL/UFS). Atualmente é chefe do Departamento de Letras Estrangeiras, coordenadora adjunta do Programa de Pós-Graduação em Letras. Lidera o Grupo de Pesquisa "DInterLin: Diálogos Interculturais e Linguísticos".

Referências

AKOTIRENE, C. Interseccionalidade. São Paulo: Sueli Carneiro; Pólen, 2019.

BHABHA, H. O Local da Cultura. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2001.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Conselho Pleno. Resolução no 2, de 1o de julho de 2015. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Diário Oficial da União, Brasília, 02 jul. 2015. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/docman/agosto-2017-pdf/70431-res-cne-cp-002-03072015-pdf/file>. Acesso em: 10 abr. 2019.

CASTRO-GÓMEZ, S. Decolonizar la Universidad: La hybris del punto cero y el diálogo de saberes. In: CASTRO-GÓMEZ, S; GOSFROGUEL, R. (Comp.). El giro decolonial: reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Universidad Javeriana-Instituto Pensar/Universidad Central-IESCO/Siglo del Hombre, 2007. p. 79-91.

COLLINS, P. H. Pensamento feminista negro e estudos da tradução – Entrevista com Patricía Hill Collins. Revista Ártemis, vol. XXVII nº 1; jan-jun, 2019. pp. 229-235

CRENSHAW, K. W. A intersecionalidade na discriminação de raça e gênero. In: VV. AA. Cruzamento: raça e gênero. Brasília: Unifem, 2004. p. 7-16.

DAVIS, A. Mulheres, raça e classe. São Paulo: Boitempo, 2016.

FABRICIO, B. F. Linguística Aplicada como espaço de desaprendizagem: redescrições em curso. In: MOITA LOPES, L. P. Por uma Linguística Aplicada Indisciplinar. São Paulo: Parábola Editorial, 2006. p. 45- 65.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1970.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. Traduzido de Tomaz Tadeu da Silva e Guacira Lopes Louro. 11. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

HIRATA, H. Gênero, classe e raça. Interseccionalidade e consubstancialidade das relações sociais. Tempo social – Revista de Sociologia da USP, v. 26, n. 1, p. 61-73, jun. 2014. Disponível em: <http://www.revistas.usp.br/ts/article/view/84979/87743>. Acesso em: 10 abr. 2019.

hooks, b. Ensinando a transgredir: a Educação como prática de liberdade. Tradução de Marcelo Brandão Cipolla. São Paulo: Editora Martins Fontes, 2013.

JESUS, C. M. Quarto de Despejo: Diário de uma Favelada. São Paulo: Ática, 2007.

KLEIMAN, A. B. Agenda de pesquisa e ação em Linguística Aplicada: problematizações. In: MOITA LOPES, L. P. (Org.). Linguística Aplicada na Modernidade Recente: Festschrift para Antonieta Celani. 1. ed. São Paulo: Parábola, 2013. p. 39-58.

LANDER, E. ¿Conocimiento para qué? ¿Conocimiento para quién? Reflexiones sobre la universidad y la geopolítica de los saberes hegemónicos. In: CASTRO-GÓMEZ, S. (Ed.). La reestructuración de las ciencias sociales en América Latina. Bogotá: Centro Editorial Javeriano; Instituto Pensar; Pontificia Universidad Javeriana, 2000. p. 1-26. Disponível em: <http://www.ceapedi.com.ar/imagenes/biblioteca/libreria/81.pdf>. Acesso em: 17 abr. 2019.

MATOS, D. C. V. da S. Formação intercultural de professores de espanhol e materiais didáticos. Revista Abehache, n. 6, p. 165-185, 2014. Disponível em: <http://www.hispanistas.org.br/arquivos/revistas/sumario/revista6/165-185.pdf>. Acesso em: 10 abr. 2019.

______. O professor de espanhol como agente intercultural e as articulações necessárias na elaboração de materiais didáticos. In: MATOS, D.; PARAQUETT, M. (Org.). Interculturalidade e identidades: formação de professores de espanhol. Salvador: EDUFBA, 2018. p. 17-33.

MENDES, E. A perspectiva intercultural no ensino de línguas: uma relação “entre-culturas”. In: ALVAREZ, M. L. O. (Org.). Linguística aplicada: múltiplos olhares. Campinas: Pontes Editores, 2007.

______. Aprender a ser e a viver com o outro: materiais didáticos interculturais para o ensino de português LE/L2. In: SCHEYERL, D.; SIQUEIRA, S. (Org.). Materiais didáticos para o ensino de línguas na contemporaneidade: contestações e proposições. Salvador: EDUFBA, 2012. p. 355- 378.

MIGNOLO, W. Desobediência epistêmica: a opção descolonial e o significado de identidade em política. Tradução de Ângela Lopes Norte. Cadernos de Letras da UFF – Dossiê: Literatura, língua e identidade, n. 34, p. 287-324, 2008. Disponível em: <http://professor.ufop.br/sites/default/files/tatiana/files/desobediencia_epistemica_mignolo.pdf>. Acesso em: 17 abr. 2019.

MOITA LOPES, L. P. Identidades fragmentadas: a construção discursiva de raça, gênero e sexualidade em sala de aula. Campinas: Mercado de Letras, 2002.

______. (Org.). Discursos de Identidades: discurso como espaço de construção de gênero, sexualidade, raça, idade e profissão na escola e na família. Campinas: Mercado de Letras, 2003.

______. Por uma Linguística Aplicada Indisciplinar. São Paulo: Parábola Editorial, 2006.

______. Introdução. Fotografias da Línguística Aplicada brasileira na modernidade recente: contextos escolares. In: ______. (Org.). Linguística aplicada na modernidade recente: Festschrift para Antonieta Celani. São Paulo: Parábola, 2013. p. 15-37.

PARAQUETT, M. Multiculturalismo, interculturalismo e ensino/aprendizagem de español para brasileiros. In: COSTA, E. G. M; BARROS, C. S. (Org.). Coleção explorando o ensino. Brasília: Ministério da Educação, 2010. p. 137-156.

______. Questões imprescindíveis para a formação de professores interculturais latino-americanos: o lugar da cultura de tradição oral e afrodescendente. In: MATOS, D.; PARAQUETT, M. (Org.). Interculturalidade e identidades: formação de professores de espanhol. Salvador: EDUFBA, 2018. p. 73-99.

PENNYCOOK, A. A linguística aplicada dos anos 90: em defesa de uma abordagem crítica. In: SIGNORINI, I.; CAVALCANTI, M. C. Linguística Aplicada e Transdiciplinaridade. Campinas: Mercado de Letras, 1998. p. 21-46.

______. Uma linguística aplicada transgressiva. In: MOITA LOPES, L. P. Por uma Linguística Aplicada Indisciplinar. São Paulo: Parábola Editorial, 2006. p. 67-84.

RAJAGOPALAN, K. Por uma linguística crítica: linguagem, identidade e a questão ética. São Paulo: Parábola, 2003.

______. Repensar o papel da linguística aplicada. In: MOITA LOPES, L. P. Por uma Linguística Aplicada Indisciplinar. São Paulo: Parábola Editorial, 2006. p. 149-168.

RODRIGUES, A. L.; RODRIGUES, G.; SANTANA, J. Unidade Didática “Negra, el poder de su color”. Trabalho final apresentado para a disciplina Educação Linguística Intercultural da Especialização em Multiletramentos na Educação Linguística e Literária em Espanhol. Universidade Federal de Sergipe, 2018. Documento institucional.

SANTOS, B. de S. Para além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia de saberes. Novos estudos CEBRAP, São Paulo, n. 79, p. 71-94, nov. 2007. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-33002007000300004&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 17 abr. 2019.

SILVA JÚNIOR, A. C.; MATOS, D. C. V. da S. Linguística Aplicada e o SULear: práticas decoloniais na educação linguística em espanhol. Revista Interdisciplinar Sulear, UEMG, Ano 2, No. 2 (Setembro/2019) Edição Especial Dossiê SULear.

SILVA, T. T. Documentos de identidade: uma introdução às teorias de currículo. 3. ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2017.

SOUZA, J. S. O lugar das identidades negras no livro didático de Espanhol. In: BARROS, C. S.; COSTA, E. G. de M.; FREITAS, L. M. A. (Org.). O livro didático de espanhol na escola brasileira. Campinas: Pontes Editores, 2018. p. 269-279.

WALSH, C. Interculturalidad crítica y educación intercultural. 2009. Conferência apresentada no Seminário “Interculturalidad y Educación Intercultural” – Instituto Internacional de Integración del Convenio Andrés Bello, La Paz. Disponível em: <http://www.uchile.cl/documentos/interculturalidad-critica-y-educacion-intercultural_150569_4_1923.pdf>. Acesso em: 17 abr. 2019.

WALSH, C., OLIVEIRA, L. F.; CANDAU, V. M. Colonialidade e pedagogia decolonial: Para pensar uma educação outra. Arquivos Analíticos de Políticas educativas, v. 26, n. 83. jul. 2018. Disponível em: <https://epaa.asu.edu/ojs/article/download/3874/2102>. Acesso em: 10 abr. 2019.

Downloads

Publicado

2020-09-22 — Atualizado em 2020-09-22

Como Citar

MATOS, D. C. V. da S. Educação linguística intercultural e decolonial em espanhol: propostas interseccionais. Polifonia, [S. l.], v. 27, n. 46, 2020. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/polifonia/article/view/9488. Acesso em: 21 jun. 2024.