Vozes silenciadas: sobre trabalho, gênero e ensino-aprendizagem de português na vivência de mães procedentes do Haiti no Sul do Brasil

Autores

Palavras-chave:

Etnografia da Linguagem, imigração, gênero e trabalho

Resumo

A partir de uma investigação etnográfica realizada em um curso de língua portuguesa para mães imigrantes, apresentamos e discutimos os significados do trabalho e das relações de gênero na vivência de Claitaine, mãe, procedente do Haiti. Os dados foram gerados com base na observação participante, e com o uso de diários e notas de campo, entrevistas, conversas informais e registros em áudio desses encontros. À luz dos significados atribuídos por Claitaine às suas ações, analisamos como o conceito trabalho adquiriu importância difusa e complexa. Na sua perspectiva, a busca de uma atividade remunerada foi a principal motivação de seu deslocamento ao Brasil, e a conquista de um emprego está relacionada à possibilidade de um futuro melhor para os filhos, na medida em que proporciona um melhor estudo a eles. Sua busca também parece auxiliar no desejo de uma horizontalização das relações de gênero no âmbito doméstico, suavizando o controle patriarcal, ainda que não o aplacando de todo. A visibilização do testemunho de Claitaine, em associação com a vivência de outras mães haitianas, importa para melhor compreendermos suas realidades, de modo a traçar melhores contornos em políticas linguísticas que buscam promover a inserção dessas mulheres na sociedade brasileira. 

Biografia do Autor

Narjara Oliveira REIS, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutoranda e Mestre em Linguística pelo Programa de Pós-Graduação em Linguística da Universidade Federal de Santa Catarina (PPGLin/UFSC)

Maria Inêz Probst LUCENA, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutora em Letras pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS); Mestrado em Inglês: Estudos Linguísticos e Literários pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Atualmente, coordena o programa de Doutorado Interinstitucional entre a UFSC e os Institutos Federais de Santa Catarina (Dinter UFSC/IFSC) e é docente do Programa de Pós-Graduação em Linguística da UFSC. 

Referências

ANDRIGUETTI, G. H; PERNA, C. B. P.; PORTO, M. M. Português como Língua de Acolhimento [...] Brazilian English Language Teaching Journal - BELT. Porto Alegre, v. 8, p. 191-208, Jul.-Dez. 2017.

BAENINGER et al. (Org.). Migrações Sul-Sul. 2ª ed. Campinas, SP: Núcleo de Estudos de População “Elza Berquó” – Nepo/Unicamp, 2018.

BAENINGER, R. G. Imigração e gênero: as mulheres haitianas no Brasil. In: Imigração haitiana no Brasil. Jundiaí: Paco, 2016a. p. 267-286

BAENINGER, R. G. Imigração haitiana no Brasil. Jundiaí, Paco, 2016b.

bell hooks. Luta de classes feminista. In.: ___. O feminismo é para todo mundo: políticas arrebatadoras. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 2018a. p. 65-74

bell hooks. Mulheres trabalhando. In.: ___. O feminismo é para todo mundo: políticas arrebatadoras. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 2018b. p. 81-88.

BIZON, A. C. C.; CAMARGO, H. R. E. Acolhimento e Ensino da Língua Portuguesa à População [...] In: BAENINGER, R. (org). Migrações Sul-Sul. 2ª ed. Campinas, SP: Núcleo de Estudos de População “Elza Berquó” – Nepo/Unicamp, 2018. p. 712-726.

BOURDIEU, Pierre; PASSERON, Jean-Claude. Os Herdeiros: os estudantes e a cultura. Trad. Ione Ribeiro Valle e Nilton Valle. Florianópolis: Editora da UFSC, 2014.

BRIEGER, P. Camille Chalmers, intelectual y dirigente social haitiano: “La situación es de absoluta ingobernabilidad”. Nodal – Notícias de America Latina y el Caribe. 7 marzo 2019. Disponível em: https://www.nodal.am/2019/03/camille-chalmers-intelectual-y-dirigente-social-haitiano-la-situacion-es-de-absoluta-ingobernabilidad/ Acesso em: 22 ago. 2019.

CAVALCANTI, L. et al. Relatório Anual 2018: Migrações e mercado de trabalho no Brasil. Observatório das Migrações Internacionais; Ministério do Trabalho/Conselho Nacional de Imigração e Coordenação Geral de Imigração. Brasília, DF: OBMigra, 2018.

COLLINS, P. H. Epistemologia negra feminista. In.: BERNARDINO-COSTA, J.; MALDONADO-TORRES, N.; GROSFOGUEL, R. (orgs). Decolonialidade e pensamento afrodiaspórico. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2018. p. 139-171.

ERICKSON, Frederick. Qualitative Methods. In: LINN, Robert L.; ERICKSON, Frederick. Research in Teaching and Learning. New York: Macmilliam Publishing Company, v. 2, 1990. p. 77-187.

FERNANDES; D.; FARIA, A. V. A Diáspora haitiana no Brasil: processo de entrada, características e perfil. In.: BAENINGER, Rosana et al. (Org.). Imigração haitiana no Brasil. Jundiaí: Paco, 2016. p. 95-111.

GABAS, T. M. O valor das línguas no mercado linguístico familiar: políticas e ideologias linguísticas em famílias sul-coreanas transplantadas. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 2016.

GARCEZ, P. M.; SCHULZ, L. Olhares circunstanciados: etnografia da linguagem e pesquisa em Linguística Aplicada no Brasil. D.E.L.T.A., 31-especial, p. 1-34, 2015.

HELLER, M; McELHINNY, B. Language, capitalism, colonialism: toward a critical history. Toronto: University of Toronto Press, 2017.

MEJÍA, M. R. G.; CAZAROTTO, R. T. O papel das mulheres imigrantes na família transnacional que mobiliza a migração haitiana no Brasil. Repocs, v. 14, n. 27, jan/jun, 2017. p. 171-190

MOITA LOPES, Luiz Paulo da. Por uma Linguística Aplicada INdisciplinar. São Paulo: Parábola Editorial, 2006.

OLIVEIRA, G. Divisão de tarefas domésticas ainda é desigual no Brasil. Senado Notícias. 05 agosto 2018. Disponível em: https://www12.senado.leg.br/noticias/especiais/especial-cidadania/divisao-de-tarefas-domesticas-ainda-e-desigual-no-brasil/divisao-de-tarefas-domesticas-ainda-e-desigual-no-brasil Acesso em: 24 ago. 2018.

OLIVEIRA, M. M.; SILVA, E. O. Migração Haitiana na Amazônia à luz dos Estudos de Gênero. In.: BAENINGER, Rosana et al. (Org.). Imigração haitiana no Brasil. Jundiaí: Paco, 2016. pp. 287-315.

PINTO, J. Os Deslocamentos Forçados de Haitianos e suas Implicações. São Paulo: LumenJuris, 2018.

QUIJANO, A. Colonialidade do poder e classificação social. In: SANTOS, B. S.; MENESES, M. P. (orgs.). Epistemologias do Sul. Coimbra: Edicões Almedina, 2009. p. 73-117.

RAJAGOPALAN, K. Por uma Linguística Crítica: linguagem, identidade e a questão ética. São Paulo: Parábola, 2003.

REIS, N. O. Um olhar etnográfico sobre a experiência de mães imigrantes aprendizes de português em Florianópolis. Tese (doutorado em Linguística) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, em andamento.

SEGUY, Franck. Racismo e Desumanização no Haiti. Educere et Educare. v.10, n. 20, jul/dez, 2015.

SILVA, Daniel Neves. O que é feminismo? Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/o-que-e/historia/o-que-e-feminismo.htm. Acesso em: 15 jun. 2019.

VILLEN, P. Periféricos na Periferia. In.: BAENINGER, Rosana et al. (Org.) Imigração haitiana no Brasil. Jundiaí: Paco Editorial, 2016. p. 45-64.

Downloads

Publicado

2019-11-30

Como Citar

REIS, N. O.; LUCENA, M. I. P. Vozes silenciadas: sobre trabalho, gênero e ensino-aprendizagem de português na vivência de mães procedentes do Haiti no Sul do Brasil. Polifonia, [S. l.], v. 26, n. 44, p. 36–56, 2019. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/polifonia/article/view/8983. Acesso em: 22 maio. 2024.