Monstros, assassinos e detetives: entrelaçamentos midiáticos

Autores

  • Maria Elisa Rodrigues Moreira elisarmoreira@gmail.com
    UFMT

Resumo

Neste início de século XXI, as séries televisivas têm ganhado espaço entre o público e a crítica: alimentando-se de processos de hibridização cada vez mais complexos, elas conformam o que se tem chamado de “Renascença da TV”, com produtos que exigem novos posicionamentos reflexivos em torno de si. Nesse cenário, chama a atenção o modo como o literário, o cinematográfico e o televisivo se colocam em diálogo, por meio de diferentes abordagens e com diferentes graus de interferência de uns sobre os outros. Neste artigo apresento, sob a ótica da intermidialidade, uma breve leitura de três séries televisivas: Sherlock, produção da BBC (15 episódios, 4 temporadas, 2010-2017); Bates Motel, produção da Universal Television (50 episódios, 5 temporadas, 2013-2017); e Penny Dreadful, produzida pelo canal Showtime (27 episódios, 3 temporadas, 2014-2016).

Palavras-chave: intermidialidade, complexificação da narrativa, séries televisivas.

Referências

BATES Motel [Seriado]. Criação: Carlton Cuse, Kerry Ehrin e Anthony Cipriano. Estados Unidos: A&E Networks, 2013-2017. 5 temporadas.

BLOCH, R. Psicose. Trad. Anabela Paiva. Rio de Janeiro: DarkSide Books, 2013.

BONA, R. J.; BATISTA, L. L. Psicose e Bates Motel: similaridades na transposição da narrativa do filme para o seriado de televisão. Rizoma, Santa Cruz do Sul, n. 2, v. 4, p. 156-170, 2016. Disponível em: https://online.unisc.br/seer/index.php/rizoma/article/view/7477. Acesso em: 30 jun. 2017.

A CINEMATOGRAFIA genial de Sherlock da BBC. Além do Roteiro, 15 jul. 2017. Disponível em: https://alemdoroteiro.com/2017/07/15/cinematografia-genial-de-sherlock-da-bbc/. Acesso em: 01 jul. 2019.

CLÜVER, C. Inter textus / inter artes / inter media. Aletria, Belo Horizonte, v. 14, p. 11-41, jul./dez. 2006.

DINIZ, T. F. N. (Org.). Intermidialidade e estudos interartes: desafios da arte contemporânea. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2012.

FLANDERS, J. Penny Dreadfuls. British Library, 15 maio 2014. Disponível em: https://www.bl.uk/romantics-and-victorians/articles/penny-dreadfuls. Acesso em: 01 jul. 2019.

GUERRERO-PICO, M.; SCOLARI, C. A. Narrativas transmedia y contenidos generados por los usuarios: el caso de los crossovers. Cuadernos.info, Santiago de Chile, n. 38, p. 183-200, 2016.

HAMMOND, M.; MASDON, L. (Ed.). The Contemporary Television Series. Edinburgh: Edinburgh University Press, 2005.

HUTCHEON, L. Uma teoria da adaptação. 2. ed. Trad. André Cechinel. Florianópolis: Editora da UFSC, 2013.

JENKINS, H. Cultura da convergência. 2. ed. Trad. Susana Alexandria. São Paulo: Aleph, 2009.

JESS-COOKE, C. Film Sequels. Theory and Practice from Hollywood to Bollywood. Edinburgh: Edinburgh University Press, 2009.

JOST, F. Do que as séries são sintoma? Trad. Elizabeth Bastos Duarte e Vanessa Curvello. Porto Alegre: Sulina, 2012.

MACHADO, A. A televisão levada a sério. São Paulo: Editora SENAC São Paulo, 2000.

MITTELL, J. Complexidade narrativa na televisão americana contemporânea. Revista MATRIZes, São Paulo, n. 2, p. 29-52 , jan./jun. 2012.

PAGLIONE, M. B. Fenômeno Sherlock: a recepção social do gênero seriado. 2019. Tese (Doutorado em Linguística e Língua Portuguesa) – Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Araraquara, 2019.

PENNY Dreadful [Seriado]. Criação: John Logan. Reino Unido; Estados Unidos: Showtime, 2014-2016. 3 temporadas.

REBELLO, S. Alfred Hitchcock e os bastidores de Psicose. Trad. Rogério Durst. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2013.

RYAN, M.-L. Narrativa transmídia e transficcionalidade. Celeuma, São Paulo, n. 3, p. 96-128, dez. 2013. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/celeuma/article/view/87713. Acesso em: 01 ago. 2017.

SALLES, K. S. Penny bloods: o horror urbano na ficção de massa vitoriana. 152 f. 2015. Dissertação (Mestrado em Estudos de Linguagem) – Universidade Federal Fluminense, Instituto de Letras, Niterói, 2015.

SANTOS, A. T.; PEREIRA, S. E. M. O uso do spin-off e do crossover como recurso narrativo na ficção seriada televisiva. INTERCOM - CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 41, Joinville, 2018. Anais... Joinville: Intercom, 2018. Disponível em: http://portalintercom.org.br/anais/nacional2018/resumos/R13-1546-1.pdf. Acesso em: 30 jun. 2019.

SEABRA, R. Renascença: a série de TV no século XXI. Belo Horizonte: Autêntica, 2016.

SHERLOCK [Seriado]. Criação: Steven Moffat e Mark Gatiss. Reino Unido: BBC, 2010-2017. 4 temporadas.

SILVA, M. V. B. Cultura das séries: forma, contexto e consumo de ficção seriada na contemporaneidade. Galáxia, São Paulo, n. 27, p. 241-252, jun. 2014.

SPOTO, D. Fascinado pela beleza. Alfred Hitchcock e suas atrizes. São Paulo: Larousse do Brasil, 2009.

STAM, R. Teoria e prática da adaptação: da fidelidade à intertextualidade. Ilha do Desterro, Florianópolis, n. 51, p. 19- 53, jul./dez. 2006.

THOMPSON, K. Storytelling in film and television. Cambridge, MA: Harvard University Press, 2003.

TOTARO, A. La cinematograficación de la televisión: le resignificación del discurso audiovisual contemporâneo. Buenos Aires: Ed. 1, 2014. (E-book)

Downloads

Publicado

2019-07-16

Como Citar

MOREIRA, M. E. R. Monstros, assassinos e detetives: entrelaçamentos midiáticos. Polifonia, [S. l.], v. 26, n. 42, p. 82–101, 2019. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/polifonia/article/view/8641. Acesso em: 12 jun. 2024.