A potência do olhar tecnodiscursivo na análise da escrita de si em redes sociais virtuais

Autores

  • Tamires Ferreira Coêlho elisarmoreira@gmail.com
    UFMT

Resumo

Analisamos a exposição e as narrativas de si feitas por uma das mulheres guaribanas entrevistadas e observadas na rede social Facebook entre 2014 e 2017. Guaribas é uma cidade do Sertão do Piauí marcada por uma forte cultura patriarcal e por seu contexto de empobrecimento. Buscamos entender a escrita de si das mulheres sertanejas, o processo de relatar a si mesmas no Facebook. A natureza tecnodiscursiva do que foi analisado na rede social nos levou a uma análise discursiva digital. As imagens e, principalmente os selfies, e demais mensagens que circulam no Facebook das mulheres guaribanas fazem parte de uma construção enunciativa que ultrapassa a própria materialidade desse conteúdo compartilhado em rede.

Palavras-Chave: escrita de si, mulheres sertanejas, Facebook.

Referências

ALLOA, E. Entre a transparência e a opacidade: o que a imagem dá a pensar. In: ALLOA, E. (Org.). Pensar a imagem. Belo Horizonte: Autêntica, 2015. p. 7-19.

BRANDÃO, H. N. Conceitos e fundamentos: enunciação e construção do sentido. In: FIGARO, R. (Org.). Comunicação e Análise do Discurso. São Paulo: Contexto, 2015. p. 19-43.

BUTLER, J. Relatar a si mesmo: crítica da violência ética. Trad. Rogério Bettoni. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.

CAPAI, Elisa. PI: cidade piloto do Bolsa Família retrata revolução na vida de mulheres. Portal Terra, 2013. Disponível em: <http://noticias.terra.com.br/brasil/pi-cidade-piloto-do-bolsa-familia-retrata-revolucao-na-vida-de-mulheres,bfd216bbd96c0410VgnVCM4000009bcceb0aRCRD.html>. Acesso em: 10 abr. 2016.

DAS, V. Life and Words: Violence and the descent into the ordinary. Berkeley: University of California Press, 2007.

DAS, V. O ato de testemunhar: violência, gênero e subjetividade. Cadernos Pagu, São Paulo, v. 37, p. 9-41, 2011. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/cpa/n37/a02n37.pdf>. Acesso em: 14 abr. 2018.

FIGARO, R. Introdução. In: FIGARO, R. (Org.). Comunicação e Análise do Discurso. São Paulo: Contexto, 2015. p. 9-17.

GUIMARÃES, C. O ordinário e o extraordinário das narrativas. In: GUIMARÃES, C.; FRANÇA, V. R. V. (Org.). Na mídia, na rua: narrativas do cotidiano. Belo Horizonte: Autêntica, 2006. p. 7-16.

GUNTHERT, A. La consecration du selfie. Études Photographiques, v. 32, 2015.

HESS, A. The Selfie Assemblage. International Journal of Communication, v. 9, p. 18, 2015.

IBGE. Coordenação de Trabalho e Rendimento. Pesquisa nacional por amostra de domicílios: síntese de indicadores 2015. Rio de Janeiro: IBGE, 2016. Disponível em: <https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv98887.pdf>. Acesso em: 08 dez. 2017.

IBGE. Estimativas da População Residente nos Municípios Brasileiros com Data de Referência em 1º de Julho de 2017. 2017. Disponível em: <https://downloads.ibge.gov.br/downloads_top.php>. Acesso em: 20 dez. 2017.

LAZZARATO, M. Signos, máquinas, subjetividades. São Paulo: Sesc/n-1 edições, 2014.

LEAL, B. Saber das narrativas: narrar. In: GUIMARÃES, C.; FRANÇA, V. R. V. (Org.). Na mídia, na rua: narrativas do cotidiano. Belo Horizonte: Autêntica, 2006. p. 19-27.

LEITE, F. Grounded Theory construtivista: procedimentos e técnicas para construir teorias substantivas que alcancem as sensibilidades da experiência estética dos processos comunicacionais. In: MENDONÇA, C. M. C.; DUARTE, E.; CARDOSO FILHO, J. (Org.). Comunicação e Sensibilidade: pistas metodológicas. Belo Horizonte: PPGCOM UFMG, 2016. p. 55-75.

LISSOVSKY, M. Os fotógrafos do futuro e o futuro da fotografia. In: MONTAÑO, S.; FISCHER, G.; KILPP, S. (Org.). Impacto das novas mídias no estatuto da imagem. Porto Alegre: Sulina, 2012. p. 13-27.

MARQUES, A. C. S. Política da imagem, subjetivação e cenas de dissenso. Discursos fotográficos, v. 10, n. 17, p. 61-86, 2014.

MARQUES, A. C. S.; BIONDI, A. A vítima enunciada em redes: o dissenso como experiência estética. In: MENDONÇA, C. M. C.; DUARTE, E.; CARDOSO FILHO, J. (Org.). Comunicação e Sensibilidade: pistas metodológicas. Belo Horizonte: PPGCOM UFMG, 2016. p. 161-182.

PASTOR, L. Prática do selfie: experiência e intimidade no cotidiano fotográfico. Contracampo, Niterói, v. 36, n. 2, p. 157-173, ago. 2017/nov. 2017.

PAVEAU, M.-A. L’intégrité des corpus natifs en ligne. Une écologie postdualiste pour la théorie du discours. Les cahiers de praxématique, Montpellier, Presses universitaires de la Méditerranée, 2015, Corpus sensibles. Disponível em: <https://hal-univ-paris13.archives-ouvertes.fr/hal-01185710/file/PaveauTxtCP20.06.13REVU.pdf>. Acesso em: 30 set. 2017.

RAGO, M. A aventura de contar-se: feminismos, escrita de si e invenções da subjetividade. Campinas: Editora Unicamp, 2013.

Downloads

Publicado

2019-07-16

Como Citar

COÊLHO, T. F. A potência do olhar tecnodiscursivo na análise da escrita de si em redes sociais virtuais. Polifonia, [S. l.], v. 26, n. 42, p. 25–46, 2019. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/polifonia/article/view/8638. Acesso em: 12 jun. 2024.