O ENSINO DE LIBRAS EM AMBIENTE DE BIDOCÊNCIA – QUEM SÃO E O QUE DIZEM OS PROFESSORES.

Autores

Palavras-chave:

Educação, Bidocência, Libras, Surdos

Resumo

O ensino em bidocência pode ocorrer quando há a presença de dois professores responsáveis pelos mesmos objetivos educacionais. A nomenclatura para essa prática recebe nomes variados como docência compartilhada, co-docência ou bidocência. Nesta investigação procuramos entrevistar profissionais que atuam no ensino da Língua Brasileira de Sinais (Libras) para ouvintes adultos, no formato de bidocência. Os resultados desta pesquisa sugerem que a bidocência no ensino de Libras é tanto um espaço para crescimento e aprendizado profissional quanto para conflitos e, ainda, a identidade profissional desses agentes possui elementos que vão desde a empolgação com a docência, passando pela frustração, por se sentirem desvalorizados, até a total completude pela grandeza do ofício de ensinar.

Biografia do Autor

Artur Moraes da Costa, Universidade Federal de Goiás - UFG

Professor de Língua Portuguesa Escrita como Segunda Língua para Surdos, , Especialista em Libras e Braille e Mestrando em Estudos Linguísticos pela UFG - GO.

Juliana Guimarães Faria, Universidade Federal de Goiás - UFG

Doutorado em Educação pela Universidade Federal de Goiás, Brasil(2011). Investigadora Visitante do Universitat Autònoma de Barcelona - UAB , Espanha

Neuda Alves do Lago, Universidade Federal de Goiás - UFG

English Literature Professor for the Undergraduate Studies in Language and Literature. Letras - UFG Applied Linguistics and Literature Professor for the Graduate Studies in Language and Literature - PPGLL - UFG Language and High Education Professor for the Graduate Studies in Education - PPGE - UFJ

Referências

Referências

ABRAHÃO, M. H. V. A formação do professor de línguas de uma perspectiva sociocultural. Revista Signum. Estudos de Linguagem, São Paulo, v. 15, n. 2, p. 457-480, 2012.

AIRES, Rubia Denise Islabão. A constituição da educação bilíngue em uma prática na bidocência e o desenvolvimento profissional docente. 288 f. Dissertação (Mestrado em educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Faculdade de Educação, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, 2017.

ALMEIDA, L. R. de. Docência compartilhada: do solitário ao solidário. Monografia (Licenciatura em Pedagogia) – Universidade de Brasília, Brasília, 2016.

ALMEIDA, I. M. Z. P. de.; RODRIGUES, M. A. M. Imersão no Processo Educativo das Ciências e da Matemática. Módulo Comum. Programa de aperfeiçoamento de Professores de Ensino Médio (Pró-Ciências). Brasília, UNAB (Universidade Aberta do Distrito Federal), 1998, 41p. MEC/CAPES/FAPDF/UNAB – SE- GDF.

BAGNO, Marcos. Preconceito lingüístico: o que é, como se faz. Edições Loyola, 1999.

BARDIN, Laurence. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2010.

BEIJAAR, D.; MEIJER, P. C.; VERLOOP, N. Reconsiderando a pesquisa sobre a identidade profissional de professores. In: VEEN, K.V. (Org.). Identidades de professores de línguas. Londrina: Eduel, p. 1- 46, 2011.

BENARAB, L.; OLIVEIRA, C. S. História da língua brasileira dos sinais e da língua dos sinais francesa e da influência do segundo congresso internacional de Milão na educação dos surdos. In: Anais do Simpósio Internacional de Iniciação Científica. v. 15, Londrina: UEL, 2007.

BEYER, H. O. O pioneirismo da escola flamming na proposta de integração (inclusão) escolar na Alemanha: aspectos pedagógicos decorrentes. Revista Educação Especial, Santa Maria, jan. 2005. Nº 25, p. 9-23.

____________. Inclusão e avaliação na escola: de alunos com necessidades educacionais especiais. Porto Alegre: Mediação, 2013.

BONFIM, A. P. Profissão docente: laços de pertencimento e identidade. 2015.204 f. Tese (Doutorado - Doutorado em educação) - Universidade de Brasília, Brasília, 2015.

BRASIL. MEC. Decreto n. 5.626 - Regulamenta a Lei no 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras, e o art. 18 da Lei no 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Brasília, 2005.

____________. Lei 10.436 - Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras e dá outras providências. Brasília, 2002.

________. Portal Ministério da Educação. Lei Nº 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Diretrizes e Bases da Educação (LDB), Brasília, 1996. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/lei9394_ldbn1.pdf

CAPOVILLA, F. C. Filosofias educacionais em relação ao surdo: do oralismo à comunicação total ao bilinguismo. Revista Brasileira de Educação Especial, São Paulo v. 6, p. 99-116. 2000.

CERNY, Roseli Zen; QUADROS, Ronice Muller; BARBOSA, Heloiza. Formação de professores de Letras-Libras: construindo o currículo. Revista e-Curriculum, v. 4, n. 2, 2009.

COSTA, A. C. L. da. A sinalização de histórias em Libras: aspectos linguísticos e extralinguísticos. 2015. 154 f. Dissertação (Mestrado em Letras) - Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2015.

CUNHA, M. I. da. O bom professor e sua prática. 11. ed. Campinas, SP: Papirus, 2000

CUNHA, C. M. D.; SIEBERT, E. C. Bidocência: inclusão ou exclusão dos alunos com necessidades especiais? In: IX CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EDUCERE. III ENCONTRO SUL BRASILEIRO DE PSICOPEDAGOGIA. 2009. Curitiba: PUC/PR, 2009.

ESTEBAN, M. P. S.. Pesquisa qualitativa em educação: fundamentos e tradições. Porto alegre: AMGH, 2010.

FIGUEIREDO, F. J. Q. de; ASSIS, N. A. L. A auto-estima e a atitude quanto à escrita na revisão colaborativa. In: FIGUEIREDO, F. J. Q. De. A aprendizagem colaborativa de línguas. Goiânia: Ed. da UFG, p. 165-199, 2006.

GESSER, A. Libras, Que língua é essa? Crenças e preconceitos em torno da língua de sinais e da realidade surda. São Paulo: Parábola, 2009.

_________ Um olho no professor surdo e outro na caneta: ouvintes aprendendo a língua brasileira de sinais. 2006. 215 f. Tese (Doutorado) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2006.

GIMENEZ, T. Formação de professores de línguas no Brasil: avanços e desafios. In: SANTOS, L. I . S; SILVA, K. A. da (Orgs). Linguagem, ciência e ensino: desafios regionais e globais. Campinas, SP: Pontes Editores, 2013. p. 41-54.~

GUIMARÃES, Valter Soares. A socialização profissional e a profissionalização docente: um estudo baseado no professor recém ingresso na profissão. In: GUIMARÃES, Valter Soares. (Org.). Formar para o mercado ou para a autonomia? O papel da universidade. Campinas: Papirus, 2006.

KENSKI, Vani Moreira. Práticas Interdisciplinares de Pesquisa. In: SERBINO, R. V. (org.). Formação de Professores. São Paulo: UNESP, 1998, p.309-320.

LIBÂNEO, J. C. Organização e gestão da escola: teoria e prática. Goiânia: MF Livros, 5 ed. Revista e Ampliada, 2008.

LODI, A. C. B., ROSA, A. L. M., ALMEIDA, E. D. Apropriação da Libras e o constituir-se surdo: a relação professor surdo-alunos surdos em um contexto educacional bilíngue. Revista Virtual de Estudos da Linguagem–ReVEL, vol. 10. Nº 19, 2012.

LUDKE, M; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em Educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

MARCONI, M.; LAKATOS, E. M. Metodologia do trabalho científico. São Paulo: Atlas, 2015.

MILLER, Inês Kayon. Formação de professores de línguas: da eficiência à reflexão critica e ética. In: LOPES, Luiz Paulo da Moita (org.). Linguística aplicada na modernidade recente: festschrift para Antonieta Celani. São Paulo: Parábola, 2013. p.99 – 122.

MIORANDO. T. M. Formação de professores surdos: mais professores para a escola sonhada In: QUADROS, R.M. (org.). Estudos surdos I. Petrópolis, RJ. Arara Azul, 2006.

MOREIRA, F. C. D. S. A; SHUVARTZ, M. Docência compartilhada: estratégia didática para a educação de adolescentes, jovens e adultos do município de Goiânia (GO). Cadernos CIMEAC, Goiânia, GO, 2016. 6 (1), 38-49.

NASCIMENTO, V.; BEZERRA, T. C. Dupla docência no ensino de língua brasileira de sinais: Interação surdo/ouvinte em perspectiva dialógico polifônica. Revista Virtual de Estudos da Linguagem, v. 10, n.19, pp. 74-92, 2012. Disponível em: <http://www.porsinal.pt/index.php?ps=artigos&idt=artc&cat=23&idart=342>. Acesso em: 29 set 2018.

NÓVOA, A. (2016). Para uma formação de professores construída dentro da profissão. Revista de Educación, Madri, n. 350, p. 1-10, 2009.

OLIVEIRA, H. F. de; FIGUEIREDO, F.J.Q. de. In: O que o “não” nos diz: narrativas de licenciados em Letras que não se tornaram professores. Educação e diversidade: múltiplos olhares. Anápolis: Universidade Estadual de Goiás, 2013, 111-138.

ORTIZ, R. Do flagelo da diversidade ao pesadelo monolinguista. In: ORTIZ A, R. A diversidade dos sotaques: O inglês e as ciências sociais. São Paulo: Brasiliense, 2008. 1-54.

PEREIRA, K. N. S.; ROSA, G. A. Políticas públicas em educação inclusiva: a atuação do segundo professor de turma no ensino fundamental. In: CONGRESSO DE EDUCAÇÃO. 2013. p. 1-1. Disponível em: https://www.unc.br/biblioteca/materiais/ix-congresso/resumos/POLITICAS_PUBLICAS_EM_EDUCACAO_INCLUSIVA.pdf Acesso em 02/12/2019.

REIS, F. Professores surdos: identificação ou modelo? QUADROS, R. M. de; PERLIN, Gladis (org.). Estudos Surdos II. Petrópolis, RJ : Arara Azul, 2007.

SILVA, G. F. da; NÖRNBERG, M.; PACHECO, S. M. Processos formativos a partir de práticas inclusivas na educação básica. Inter-Ação, Goiânia, v. 37, n. 1, p. 91-112, jan./jun. 2012.

SILVA, T. T. (org.) Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis, RJ: Vozes, 2000.

SKLIAR, C. (1998) A surdez: um olhar sobre as diferenças. Porto Alegre: Mediação.

TRAVERSINI, C. S., XAVIER, M. L. M. D. F., RODRIGUES, M. B. C., DALLA ZEN, M. I. H., SOUZA, N. G. S. D. (2012). Processos de inclusão e docência compartilhada no III ciclo. Educação em revista. Belo Horizonte, MG. Vol. 28, n. 2 (jun. 2012), p. 285-308.

VIEIRA-ABRAHÃO, M. H. V. A formação e o desenvolvimento do professor de línguas. IN: MACIEL, R. E.; ARAÙJO, V. A. (Org.). Formação de professores de línguas: ampliando perspectivas. 11 ed. Jundiaí, SP: Paco, 2011, p. 153-172.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. Trad. Daniel Grassi. Porto Alegre: Bookman, 2005;

Downloads

Publicado

2019-10-13

Como Citar

COSTA, A. M. da; FARIA, J. G.; LAGO, N. A. do. O ENSINO DE LIBRAS EM AMBIENTE DE BIDOCÊNCIA – QUEM SÃO E O QUE DIZEM OS PROFESSORES. Polifonia, [S. l.], v. 26, n. 43, p. 235–256, 2019. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/polifonia/article/view/8125. Acesso em: 17 jun. 2024.

Edição

Seção

Outros lugares