MEMÓRIA E DIÁSPORA NA OBRA CRÓNICA DE UMA TRAVESSIA, DE LUÍS CARDOSO

Autores

  • Emanuela Moura Corrêa e Marinete Luzia Francisca de Souza polifoniapa@gmail.com

Resumo

O estudo das literaturas de países recém-independentes vem se consolidando nas pesquisas científicas, por tornar públicos escritores que pertencem ao ambiente cultural e literário das nações em processo de  descoloniza, entre as quais se encontra Timor-Leste. Possuindo uma escritura que aloca na ficção travessias, guerras, relações sociais e culturais como representantes da sua identidade, memória e diáspora. Luís Cardoso é um dos maiores representantes da literatura timorense, pois através de suas obras há uma retomada e valorização do processo cultural, social e literário daquele país. O objetivo geral desse artigo é desenvolver uma  análise crítica da obra Crónica de Uma Travessia,de Luís Cardoso, a partir da noção de memória e diáspora, tendo como pano de fundo parte da historicidade do país. Para os objetivos específicos, a ênfase foi dada em aspectos estruturais,  com destaque para o narrador dispórico cardosiano e sua constituição para a narrativa contemporânea. O marco teórico esteve baseado nas contribuições de Brah (2001), Walter (2009 Pereira (2006), Mata (2011), Dalcastagnè (2012) e Barbosa (2013).

Downloads

Publicado

2018-10-17

Como Citar

MARINETE LUZIA FRANCISCA DE SOUZA, E. M. C. e. MEMÓRIA E DIÁSPORA NA OBRA CRÓNICA DE UMA TRAVESSIA, DE LUÍS CARDOSO. Polifonia, [S. l.], v. 25, n. 39.2, p. 248–268, 2018. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/polifonia/article/view/7419. Acesso em: 19 jun. 2024.