A golpes de martelo: a poesia como imagem dialética

Autores

Palavras-chave:

imagem dialética, aura, poesia

Resumo

Nosso objetivo nesse artigo é estabelecer uma relação entre a imagem e a palavra poética a partir do conceito de imagem dialética, definido por pelo filósofo alemão Walter Benjamim (1892-1940) e redimensionado pelo francês Didi-Huberman (1953). Na obra de ambos, a imagem é vista não como “ilustração” ou “figura”, mas como “clarão”, em que o passado e o presente (o instante e a memória) se cruzam e deixam entrever o futuro. O conceito articula imagem e memória, resgatando, assim, o lugar do sujeito na percepção da imagem: ao lançar o olhar sobre a imagem somos, ao mesmo tempo, olhados por ela. Esse revide do olhar liga a imagem dialética a outro importante conceito benjaminiano, o de aura. A partir da leitura de Benjamim da poesia de Baudelaire, discutimos a dimensão aurática da poesia moderna e a pertinência de sua leitura como imagem dialética.

Biografia do Autor

Idmar Boaventura Moreira, Universidade do Estado da Bahia - UNEB

Professor de Literatura Brasileira da Universidade do Estado da Bahia - UNEB. Ênfasenas seguintes linhas de pesquisa: poesia brasileira moderna e contemporânea; literatura baiana; literatura e história.

Referências

BENJAMIN, Walter. O anjo da história. Trad. e org. João Barrento. Belo Horizonte: Autêntica, 2016

______________. A obra de arte na época da reprodutibilidade técnica. Trad. Francisco de Ambrosis Pinheiro Machado. Porto Alegre, RS: Zouk, 2014

______________. Passagens. Org. Willi Bolle. Trad. Irene Aron e Cleonice Paes Barreto Mourão. Belo Horizonte: Editora UFMG; São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2009

________________ Obras escolhidas III: Charles Baudelaire, um lírico no auge do capitalismo. São Paulo: Brasiliense, 1989

BÍBLIA SAGRADA. A Bíblia de Jerusalém. São Paulo: Sociedade Bíblica Católica, Paulus, 1987

DIDI-HUBERMAN, Georges. Diante do tempo: história da arte e anacronismo das imagens. Trad. Vera Costa Nova e Márcia Arbex. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2015

______________. Diante da imagem. Trad. Paulo Neves. São Paulo: Editora 34, 2013

______________. O que vemos, o que nos olha. 2 ed. Trad. Paulo Neves. Rio de Janeiro: Editora 34, 2012

Downloads

Publicado

2018-12-27

Como Citar

MOREIRA, I. B. A golpes de martelo: a poesia como imagem dialética. Polifonia, [S. l.], v. 25, n. 40.2, p. 270–281, 2018. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/polifonia/article/view/6411. Acesso em: 14 jun. 2024.

Edição

Seção

Outros lugares