O SAMBA QUE RESSIGNIFICOU O MITO: DA ESTÉTICA POLÍTICA À CONTEMPLAÇÃO CULTURAL

Autores

  • Heloisa Juncklaus Preis Moraes Universidade do Sul de Santa Catarina http://orcid.org/0000-0003-2038-7022
  • Luiza Liene Bressan Centro Universitário Barriga Verde
  • Elton Luiz Gonçalves Faculdade SATC

Palavras-chave:

Ressignificação mítica, Imaginário, Pluralidades midiáticas.

Resumo

Nesta pesquisa, empreendemos a discussão sobre ressignificação mítica das narrativas. Refletimos criticamente na música enredo do carnaval de 1989 da Escola de Samba Imperatriz Leopoldinense, intitulado Liberdade! Liberdade! Abre as asas sobre nós! que trata sobre a abolição da escravatura e o fim da monarquia no Brasil, como as pluralidades midiáticas podem atualizar e transformar determinadas narrativas míticas ao ponto de perceber-se uma degradação na concepção originária. A letra da versão original da proposição para um novo hino nacional brasileiro, assim que a república tomou o lugar do regime monárquico no país, foi utilizada para uma nova narrativa, extrapolando sua concepção estética política e assumindo novo sentido na ambiência cultural contemporânea. Como opção teórico-metodológica, apoiamo-nos na perspectiva do Imaginário e suas relações com a memória, a identidade e cultura, assim como a transformação do uso dos símbolos nacionais.

Biografia do Autor

Heloisa Juncklaus Preis Moraes, Universidade do Sul de Santa Catarina

Doutora. Docente do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Linguagem da Universidade do Sul de Santa Catarina. Líder do Grupo de Pesquisas do Imaginário e Cotidiano (Unisul-CNPq).

Luiza Liene Bressan, Centro Universitário Barriga Verde

Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Linguagem da Universidade do Sul de Santa Catarina. Membro do Grupo de Pesquisas do Imaginário e Cotidiano (Unisul-CNPq).

Elton Luiz Gonçalves, Faculdade SATC

Mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Ciências da Linguagem da Universidade do Sul de Santa Catarina. Membro do Grupo de Pesquisas do Imaginário e Cotidiano (Unisul-CNPq).

Referências

BRASIL. Presidência da República. Secretaria Especial de Comunicação Social. Pesquisa brasileira de mídia 2016: hábitos de consumo de mídia pela população brasileira. – Brasília: Secom, 2016.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Lisboa: Difel, 1989.

CAMPBELL, Joseph. O herói de mil faces. São Paulo, 2005.

CASSIRER, Ernst. Linguagem e Mito. 4 ed. São Paulo: Perspectiva, 2000.

CASTRO, José Guilherme de oliveira. A viagem mítica de Miguel dos Santos Prazeres. Belém: UNAMA, 2001.

CRUZ, Roberto Moreira S. (Org.) O imaginário carnavalesco nas cultura brasileira. In: Carne Vale- O imaginário carnavalesco nas cultura brasileira. São Paulo: Sesi-SP Editora, 2015.

DIAS, Caroline Nathália. Entre a Memória Coletiva e a História da Nação: A Construção Social da Imagem do Cachaceiro. Faces de Clio - Revista Discente do Programa de Pós-Graduação em História. UFJF. vol. 1. n. 1. Jan/Jun. 2015.

DUARTE, M. de A.; MAZZOTTI, T. B. Representações sociais de música: aliadas ou limites do desenvolvimento das práticas pedagógicas em música? Educ. Soc., Campinas, v. 27, n. 97, p. 1283-1285, set./dez. 2006. Disponível em http://www.cedes.unicamp.br. Acesso em 22 out. 2017.

DURAND, Gilbert. As estruturas antropológicas do imaginário. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

______. A imaginação simbólica. 6. ed. Lisboa: Edições 70, 1993.

ELIADE, Mircea. O Tratado da História das Religiões. 4 ed. São Paulo, Martins e Fontes, 2010.

FERNANDES, V. Filosofia, ética e educação na perspectiva de Ernst Cassirer. 2006. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006.

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Minidicionário da Língua Portuguesa. 2. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1989.

GOMES, Eunice Simões Lins. Um baú de símbolos da sala de aula. São Paulo: Paulinas, 2013.

GONÇALVES, Walter Vicioni. Prefácio. In: CRUZ, Roberto Moreira S. (Org.). Carne Vale- O imaginário carnavalesco nas cultura brasileira. São Paulo: Sesi-SP Editora, 2015.

JAPIASSÚ, H; MARCONDES, D. Dicionário básico de Filosofia. 3.ed. ver. e ampliada. Rio de Janeiro: Jorge Zahar editora, 1996.

LAZARSFELD, Paul; MERTON, Robert. Comunicação de massa, gosto popular e a organização da ação social. In: LIMA, Luiz Costa. Teoria da cultura de massa. São Paulo: Paz e Terra, 2002, p. 109-131.

LEGROS, Patrick et al. Sociologia do imaginário. Porto Alegre: Sulina, 2007.

LUNA, J. N. Ordem Implícita e Ordem Explícita na Ressignificação Simbólica – Teoria do Neo-estruturalismo Semiótico. São Paulo: Vila Rica, 2006.

MIELIETINSKI, E.M. A Poética do Mito. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1987.

MITHEN, S. A pré-história da mente: Uma busca das origens da arte, da religião e da ciência. 4. ed. São Paulo: UNESP, 2003.

MORAES, Heloisa Juncklaus Preis; BRESSAN, Luiza Liene. Apoteose simbólica às margens de um rio: o enredo da Portela em 2017 pela perspectiva do imaginário. Revista Ribanceira. Revista de Letras da Universidade do Estado do Pará – UEPA, Jul.-Set. p. 5-16. 2017.

ROCHA, Everardo P. Guimarães. O que é Mito. São Paulo: Brasiliense, 1985.

SANTOS, B. de S. Modernidade, identidade e a cultura de fronteira. Tempo Social; Rev. Sociol. USP, S. Paulo, 5(1-2): 31-52, 1993 (editado em nov. 1994)

SILVA, Juremir Machado da. As tecnologias do imaginário. Porto Alegre: Sulinas, 2003.

______. Diferença e descobrimento. O que é o imaginário? A hipótese do excedente de significação. Porto Alegre: Sulinas, 2017.

SPINK, M. J. P. O Conceito de Representação Social na Abordagem Psicossocial. Cad. Saúde Públ., Rio de Janeiro, 9 (3): 300-308, jul/set, 1993. Disponível em <http://www.scielo.br/pdf/csp/v9n3/17.pdf> Acessado em 22 out. 2017.

THOMPSON, John B. A mídia e a modernidade: uma teoria social da mídia. Petrópolis, RJ: Vozes, 1998.

WUNENBURGER, J. A árvore de imagens. Intexto, Porto Alegre, UFRGS, n. 41, p. 58-69, jan./abr. 2018.

______. O Imaginário. São Paulo: Edições Loyola, 2007.

Downloads

Publicado

2018-12-27

Edição

Seção

Outros lugares