Variação linguística entre surdos negros e surdos brancos na ASL: desenvolvimento histórico

Autores

  • Carla Damasceno de Morais carlam@ifsc.edu.br
    Instituto Federal de Santa Catarina http://www.ifsc.edu.br
  • Myrna Salerno Monteiro myrna.salerno@gmail.com
    Universidade Federal do Rio de Janeiro

Palavras-chave:

língua americana de sinais (ASL), surdo negro, variação linguística.

Resumo

Neste artigo abordaremos a segregação racial nos Estados Unidos e as implicações para o surdo negro. Compreendemos que o fim da segregação racial foi resultado de árdua luta do movimento negro e que dentro deste movimento a comunidade surda negra dos E.U.A. participou ativamente. Nesse acontecimento histórico, o surdo negro vivenciou uma dupla discriminação, de um lado, por ser negro e, de outro, por ser surdo. As escolas separadas, para surdos brancos e surdos negros, tiveram várias implicações, como a variação linguística dos surdos negros e dos surdos brancos na Língua Americana de Sinais (ASL). A comunidade surda negra dos E.U.A. lutou pelo acesso à escola, pelo fim da segregação racial, pelo reconhecimento da língua de sinais e, por ser surdo negro, pela igualdade de condições, como qualquer outra raça. Como consequência da segregação racial, utilizaremos pesquisas realizadas na Língua Americana de Sinais para abordar a variação linguística entre os surdos negros e os surdos brancos americanos.

Referências

CAPOVILLA, F. C. et al. O desafio do bilinguismo na educação de surdos: Descontinuidade entre a língua de sinais e a escrita alfabética e estratégias para resolvê-la. In: CAPOVILLA, F. C. (org.). Neuropsicologia e aprendizagem: uma abordagem multidisciplinar. São Paulo: Memnon, 2004, p. 261-274.

CARVALHO, P. V . Breve história dos Surdos – no mundo e em Portugal. Lisboa: Surd’Universo, 2007.

DIDEROT, D. Carta sobre os surdos-mudos para uso dos que ouvem e falam. São Paulo: Nova Alexandria, 1993. (ed. original de 1751).

GARCIA, B. G. O multiculturalismo dos surdos: a resistência e relevância da diversidade para a educação de surdos. In: Atualidade da educação bilíngue para surdos. SKLIAR, Carlos (Org.), vol. I. Porto Alegre: Mediação, 2009. p.149-162.

QUADROS, R. M.; KARNOPP, L. B. Língua brasileira de sinais: estudos linguísticos. Porto Alegre. Artmed. 2004.

LODI, A. C. B. Plurilinguismo e surdez: uma leitura bakhtiniana da história da educação de surdos. In: Educação e Pesquisa. São Paulo, v 31, n. 3, p. 409-424, set/dez. 2005.

MIGNOLO, W. D. Histórias Locais/Projetos Globais: colonialidade e saberes subalternos e pensamento liminar. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2003.

QUADROS, R. M.; KARNOPP, L. B. Língua brasileira de sinais: estudos linguísticos. Porto Alegre: Artmed, 2004.

SÁNCHEZ, C. La increible y triste história de la sordera. CEPROSORD, 1990.

SACKS, O. Vendo vozes: uma jornada pelo mundo dos surdos. Tradução: Alfredo B. P. de Lemos. Rio de Janeiro: Imago, 1993.

SCHEMBRI, A. JONHSTON, T. Sociolinguistic aspects of variation and change. In: Sign Language An International Handbook. Roland Pfau, Markus Steinbach, Bencie Woll (Org.). Bereitgestellt von|UZH Hauptbibliothek/ Zentralbibliothek Zuerich. 2012. P. 788-816.

SVARTHOLM, K. Bilinguismo dos Surdos. In: Atualidade da educação bilíngue para surdos. Skliar, Carlos (Org.). vol. 1. Porto Alegre. Mediação. 1999. P.

SKLIAR, Carlos (Org.). Atualidade da educação bilíngue para surdos. vol. I. Porto Alegre: Mediação, 2009.

Downloads

Publicado

2018-05-25

Como Citar

DE MORAIS, C. D.; MONTEIRO, M. S. Variação linguística entre surdos negros e surdos brancos na ASL: desenvolvimento histórico. Polifonia, [S. l.], v. 25, n. 37.2, p. 273–291, 2018. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/polifonia/article/view/4674. Acesso em: 20 jun. 2024.