Agência e poderes causais: analisando o debate sobre a inclusão de ideologia de gênero e orientação sexual no plano decenal de educação – Brasil

Autores

  • Maria Carmen Aires Gomes mcgomes@ufv.br

Palavras-chave:

Ideologia de gênero, práticas midiáticas, ontologia

Resumo

Neste trabalho problematizarei, por meio dos usos da linguagem em práticas sociais, o evento inclusão da Ideologia de gênero e orientação sexual no Plano Decenal de Educação. Meu esforço analítico partirá de um cotejamento entre a Teoria da Estruturação de Anthony Giddens, a discussão ontológica de Roy Bhaskar, e os princípios de uma Ontologia social do discurso, como propõem Norman Fairclough (2001, 2003) e Chouliaraki & Fairclough (1999), a fim de compreeder como os discursos se constroem e se constituem no âmbito da esfera pública, para, em seguida, traçar uma conjuntura sobre o referido evento discursivo. Esse estudo objetiva ainda apontar não só algumas contribuições potenciais desse diálogo epistemológico/ontológico  para os estudos discursivos críticos, mas também apontar algumas considerações sobre a discussão a respeito das identidades de gênero e da forma como os comentários em redes sociais produzidos por cidadãos têm contribuído para a construção de opiniões e ações éticas (ou não) na esfera pública. 

 

Referências

ARCHER, M.S. Realismo e o problema da agência. Estudos de Sociologia. Rev. do Programa de Pós-graduação em Sociologia da UFPE. 2000. 6(2): 51-75.

ARCHER, M.S. Realist Social Theory: The Morphogenetic Approach. Cambridge University Press, Cambridge, 1995.

BHASKAR, R.A. Scientific Realism and Human Emancipation. London: Verso, 1986.

BHASKAR, R.A. The Possibility of Naturalism (3rd edition), London: Routledge. 1998 [1979].

BRITZMAN, D. Curiosidade, sexualidade e currículo. LOURO, G. P. (org.) O corpo educado. Pedagogias da sexualidade. 2.ed. 3 reimpressão. Belo Horizonte: Autêntica, 2007. p.83-112.

COHEN, I.J. Teoria da estruturação e práxis social. GIDDENS, A; TURNER, J. (orgs).Teoria Social Hoje. São Paulo: Editora Unesp, 1999. p.393-446.

CHOULIARAKI, L.; FAIRCLOUGH, N. 1999. Discourse in late modernity: rethinking critical discourse analysis. Edinburgh: Edinburgh University Press, 176p.

DABHOIWLA, F. As origens do sexo. Uma história da primeira revolução sexual. 1ed. São Paulo: Editora Globo (Biblioteca Azul), 2013.

FAIRCLOUGH, N. Discurso e mudança social. Brasília: Editora da UNB, 2001.

FAIRCLOUGH, N. Analysing discourse: textual analysis for social research. London; New York: Routledge, 2003.

FAIRCLOUGH, I; FAIRCLOUGH, N. Political discourse analysis. A method for advanced students. London: Routledge, 2012.

FURLANI, J. Educação sexual na sala de aula. Relações de gênero, orientação sexual e igualdade étnico-racial numa proposta de respeito às diferenças. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2011.

GIDDENS, A. As consequências da modernidade. São Paulo: Editora Unesp, 1991.

HEYWOOD, A. Ideologias políticas: do feminismo ao multiculturalismo. 1ed. São Paulo: Ática, 2010.

HAMLIN, C.L. Realismo Crítico: um programa de pesquisa para as Ciências Sociais. Dados. SciELO. Rio de Janeiro. Vol.43. n.2. 2000. p.1-15.

LOURO, G. P. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. 3.ed. Petrópolis: Vozes, 1999.

LOURO, G.P. O corpo estranho: ensaios sobre sexualidade e teoria queer. Belo Horizonte: Autêntica, 2004.

LOURO, G.P. Currículo, gênero e sexualidade: refletindo sobre o “normal”, o “diferente” e o “excêntrico”. In: LOURO, G.P; HECKEL, J.F; SILVANA. (Org.). Corpo, gênero e sexualidade: um debate contemporâneo em educação. 2.ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2005. P.41-52.

LOURO, G. P. Pedagogias da sexualidade. LOURO, G. P. (org.) O corpo educado. Pedagogias da sexualidade. 2.ed. 3 reimpressão. Belo Horizonte: Autêntica, 2007. p. 07-34.

LOYAL, S. Anthony Giddens. SCOTT, J. 50 grandes sociólogos contemporâneos. São Paulo: Editora Contexto, 2009.

PAPA, S. M. B. Realismo Crítico e Análise de discurso crítica: reflexões interdisciplinares para a formação do educador de língua em processo de emancipação e transformação social. Polifonia. N.17. 2009. p.141-154.

PEREIRA, M. D.M. Fazendo gênero no recreio. A negociação do gênero em espaço escolar. Lisboa: Instituto de Ciências Sociais/Imprensa de Ciências Sociais, 2012.

PRADO, E.F.S. Dialética e Realismo Crítico. Disponível em: http://www.fea.usp.br/feaecon/incs/download.phpi=539&file=../media/livros/file_539.pdf.

RAMALHO, V.; RESENDE, V. M. Análise de discurso (para a) crítica: o texto como material de pesquisa. Campinas, SP: Pontes Editores, 2011.

RESENDE, V. M. Análise de discurso crítica e realismo crítico: implicações interdisciplinares. Campinas, SP: Pontes Editores, 2009.

RESENDE, V.M & RAMALHO, V.S. Análise de discurso crítica. São Paulo: Contexto, 2006.

SAYER, A. Características chave do Realismo Crítico na prática: um breve resumo. In: Estudos de Sociologia. Rev. do Programa de Pós-graduação em Sociologia da UFPE. 2000. 6(2): 7-32.

SILVA, T.T. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 2001.

SETZER, R. Os homens estão criando um mundo que Deus não quer: contradição e conflito no discurso religioso. In: ORLANDI, E.P. (Org.). Palavra, fé, poder. Campinas, SP: Pontes, 1987.

SOARES, W. Precisamos falar sobre Romeo...Iana, Roberta e Emilson. A escola trata com preconceito quem desafia as normas de papéis masculinos e femininos. In: Revista Nova Escola. Ano 30. n.279. Fev. 2015. p. 25-31.

Wodak, R. 2004. Do que trata a ACD um resumo de sua história, conceitos importantes e seus desenvolvimentos. In: Carmen Rosa Caldas-Coulthard e Debora de Carvalho (org.). Linguagem em (Dis)curso. Análise Crítica do Discurso, v.4/ Epecial: 223-243.

Downloads

Publicado

2016-06-30

Como Citar

GOMES, M. C. A. Agência e poderes causais: analisando o debate sobre a inclusão de ideologia de gênero e orientação sexual no plano decenal de educação – Brasil. Polifonia, [S. l.], v. 23, n. 33, p. 89–109, 2016. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/polifonia/article/view/3864. Acesso em: 13 jul. 2024.