Programa MAIS INGLÊS MT

Apresentação e algumas reflexões

Autores

DOI:

10.59917/rpolifonia.v30i57.16907

Resumo

O Programa Mais Inglês MT foi lançado pela Secretaria de Estado de Educação – SEDUC de Mato Grosso em 2022, visando tornar, em dez anos, o Mato Grosso um estado bilíngue. Neste trabalho objetivamos relatar o funcionamento do Programa nas escolas públicas, analisando dados de desempenho dos alunos e comparando-o com as normativas de ensino de língua inglesa. Como aporte teórico utilizamos a Base Nacional Comum Curricular – BNCC e o Documento de Referência Curricular para Mato Grosso (Caderno Pedagógico de Língua Estrangeira). Também serão usados autores que dialogam sobre a formação continuada docente, bem como teóricos que versam sobre o ensino de língua inglesa em contexto de escola pública.

Referências

ASSIS-PETERSON, A. A.; Cox, M. I. P. Inglês em tempos de globalização: para além de bem e mal. Calidoscópio vol. 5, n. 1, p. 5-14, 2007.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, 2018.

_____________. Orientações Curriculares para o Ensino Médio: linguagens, códigos e suas tecnologias. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria da Educação Básica, 2006.

______________. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Parâmetros Curriculares Nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: língua estrangeira. Brasília, DF, 1998.

_____________. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, 23 de dez. 1996.

DENZIN, N. K; LINCOLN, I. O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. Porto Alegre: Artmed, 2006.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2010.

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2008

GIMENEZ, Telma Nunes. CRISTÓVÃO, Vera Lúcia Lopes. Derrubando paredes e construindo pontes: formação de professores de língua inglesa na atualidade. Rev. Brasileira de Linguística Aplicada, Londrina, v. 4, n. 2, 2004.

LIMA, Diógenes Cândido de (org.). Inglês em escolas públicas não funciona? Uma questão, múltiplos olhares. São Paulo: Parábola Editorial, 2011.

MARCÍLIO, Maria Luiza. História da Escola em São Paulo e no Brasil. 2. ed. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo: Instituto Fernand Braudel de Economia Mundial, 2014.

MARCONI, M. de A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos de metodologia científica. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2003.

MATO GROSSO. Documento de referência Curricular para Mato Grosso - Língua Inglesa e língua espanhola, 2021. Disponível: https://sites.google.com/view/bnccmt/educa%C3%A7%C3%A3o-infantil-e-ensino-fundamental/cadernos-pedag%C3%B3gicos>. Acesso 15 de julho, 2023.

NÓVOA, António. Formação de professores e trabalho pedagógico. Lisboa, Portugal: Educa, 2002.

PEREIRA, Thaiane; STANTON, Sarah. Aprendizado de inglês no Brasil. Disponível em: https://www.thedialogue.org/about/?lang=pt-br. Acesso em: 20, julho, 2023.

PERRENOUD, P. Formação Continuada e Obrigatoriedade de Competências na Profissão de Professor. L´Éducateur, nº 9, 1997.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. 17.ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

______________. Os professores face ao saber. Teoria e Educação, n. 4. Porto Alegre: Pannônica, 1991.

TONELLI, J. R. A.; CHAGURI, J. P. A importância de uma língua estrangeira na educação infantil. In TONELLI, J. R. A.; CHAGURI, J. P. (Orgs.) Espaço para reflexão sobre ensino de línguas. Maringá: EDUEM, p. 247-275, 2014.

Downloads

Publicado

2024-05-14

Como Citar

TABORELLI, J. F.; OLIVEIRA, C. P. de. Programa MAIS INGLÊS MT : Apresentação e algumas reflexões. Polifonia, [S. l.], v. 30, n. 57, p. 45–58, 2024. DOI: 10.59917/rpolifonia.v30i57.16907. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/polifonia/article/view/16907. Acesso em: 18 maio. 2024.

Edição

Seção

Estudos Linguísticos