No corpo do texto

Palavra e imagem entre literatura e cinematografia

Autores

  • Luciano Ponzio polifoniapa@gmail.com
    Universidade de Salento - Lecce

DOI:

10.59917/rpolifonia.v29i56.16574

Palavras-chave:

corpo, texto, enunciação, cinematografia, alteridade.

Resumo

Volóchinov define a enunciação como um “contexto de vida”, um potencial patrimônio social da vida humana. A enunciação, assim compreendida, só é possível em um espaço dialógico. E essa dialogicidade se concretiza apenas em uma relação intercorpórea. O texto artístico oferece a possibilidade de agarrar melhor a estrutura dialógica da enunciação. Para compreender como são tecidos os corpos escritos, os corpos das palavras (literárias, poéticas) e os corpos das imagens (pictóricas, fotográficas, fílmicas), é necessário considerar desde o início uma prevalência da significância sobre a significação. A escritura literária tem amplamente demonstrado essa dialogicidade nas formas mistas de reportar o discurso alheio. O discurso indireto livre é uma estratégia emancipadora para garantir que um texto seja afiguração, seja dialógico e, portanto, apresente-se como uma enunciação não iterável. O corpo das palavras torna-se o corpo das imagens no corpo grotesco alinhado contra o poder e o seu exercício de impor identidade e diferenças. Nesse sentido, também o corpo sem órgãos (ARTAUD, 2001 [1947]; DELEUZE, GUATTARI, 2010 [1980]) opõe-se à organização orgânica dos organismos que impõem ao corpo formas, funções, conexões, hierarquias funcionais. A vida afigurada na/no tela/texto pelas imagens difere daquela real: uma ilusão de realidade, na qual o cronótopo literário e o cronótopo cotidiano não coincidem, e um não pode substituir o outro. A imagem do mundo torna-se um modelo para o mundo da realidade (LOTMAN, 2020 [1973]) e não faria sentido algum fora dessa condição, tornando-se não imagem refletida, como um redobramento à “ordem do discurso” (FOUCAULT, 2004 [1970]), mas refratada compreensão respondente (BACHTIN, 2014 [1920-1924a], 1988 [1920-1924b], 2014 [1920-1924c], 2014 [1929]; VOLOŠINOV, 2014 [1929], 2014 [1930a], 2014 [1930b]; BACHTIN E IL SUO CIRCOLO, 2014).

Referências

ARTAUD, A. (1947). Per farla finita col giudizio di Dio. Organizado por M. Dotti. Roma: Stampa Alternativa, 2001.

ARTAUD, A. CsO: Il corpo senz’organi. Organizado por M. Dotti. Milano: Mimesis, 2003.

BACHTIN, M.M. (1920-1924a). K filosofii postupka [Per una filosofia dell’atto]. Tradução de Augusto Ponzio (com colaboração de Luciano Ponzio). In: BACHTIN E IL SUO CIRCOLO. Opere 1919-1930. Texto russo a frente. Organização, introdução (p. vii-xxxii), comentário e Tradução de Augusto Ponzio (com colaboração de Luciano Ponzio). Coletânea “Il Pensiero Occidentale”, dirigida por Giovanni Reale. Milano: Bompiani, 2014, p. 26-167.

BACHTIN, M.M. (1920-1924b). Avtor i geroj v estetičeskoj dejatel’nosti [L’autore e l’ eroe nell’attività estetica]. In: BACHTIN, M. M. L’autore e l’eroe [O autor e o herói]. Tradução de Clara Strada Janovič. Torino: Einaudi, 1988.

BACHTIN, M.M. (1920-1924c). Frammento del primo capitolo di ‘Avtor i geroj v estetičeskoj dejatel’nosti’. Tradução de Augusto Ponzio (com colaboração de Luciano Ponzio). In: BACHTIN E IL SUO CIRCOLO. Opere 1919-1930. Texto russo a frente. Organização, introdução (p. vii-xxxii), comentário e Tradução de Augusto Ponzio (com colaboração de Luciano Ponzio). Coletânea “Il Pensiero Occidentale”, dirigida por Giovanni Reale. Milano: Bompiani, 2014, p. 168-213.

BACHTIN, M. M. (1929). Problemy tvorčestva Dostoevskogo [Problemi dell’opera di Dostoevskij], Leningrado, Priboj, 1929; Problemi dell’opera di Dostoevskij (1929). Ed. crítica organizada por M. De Michiel. Introdução de A. Ponzio. Bari: Edizioni dal Sud, 2010. In: BACHTIN E IL SUO CIRCOLO. Opere 1919-1930. Texto russo a frente. Organização, introdução (p. vii-xxxii), comentário e Tradução de Augusto Ponzio (com colaboração de Luciano Ponzio). Coletânea “Il Pensiero Occidentale”, dirigida por Giovanni Reale. Milano: Bompiani, 2014, p. 1052-1423.

BACHTIN, M. M. (1963). Problemy poetiki Dostoevskogo [Problemi della poetica di Dostoevskij]. Mosca, Sovetskij pisatel’ (II ed. rivista e amplita di Bachtin, 1929); Tradução de G. Garritano, Bachtin, Dostoevskij. Poetica e stilistica, Torino, Einaudi, 1968, II ed. 2002.

BACHTIN, M. M. (1965). L’opera di Rabelais e la cultura popolare. Riso, carnevale e festa nella tradizione medievale rinascimentale. Torino: Einaudi, 2001.

BACHTIN, M. M. (1979). Estetika slovesnogo tvorčestva [Estetica della creazione verbale]. Mosca, Izdatel’stvo “Iskusstvo”, 1979; L’autore e l’eroe. Tradução de Clara Strada Janovič. Torino: Einaudi, 1988.

CHAPLIN, C. Tempi Moderni. Film, 1936.

DELEUZE, G. (1981). Logica della sensazione. Francis Bacon. Tradução italiana de S. Verdicchio. Macerata: Quodlibet, 2004.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. (1980). Millepiani. Capitalismo e schizofrenia. Organizado por M. Carboni. Roma: Castelvecchi, 2010.

DERRIDA, J. (1986). Antonin Artaud. Forsennare il soggettile. Milano: Abscondita, 2003.

DERRIDA, J. (1990). Memorie di cieco. L’autoritratto e alter rovine. Roma, Newton Compton, 2005.

DERRIDA, J. (2012). Pensare al non vedere. Scritti sulle arti del visibile (1979-2004). Tradução italiana de A. Cariolato. Milano: Jaka Book, 2016.

EJZENŠTEJN, S. M. (1946). Il colore. Organizado por Montani. Venezia: Marsilio, 1982.

EJZENŠTEJN, S. M. (1937). Charlie Chaplin. Milano: SE, 2005.

FERRARI-BRAVO, D.; TREU, E. La parola nella cultura russa tra ‘800 e ‘900. Pisa: Tipografia Pisana, 2010.

FOUCAULT, M. Scritti letterari. Tradução italiana de Milanese. Milano: Feltrinelli, 1996.

FOUCAULT, M. (1986). Il pensiero del fuori. Milano: SE, 1998.

FOUCAULT, M. (1966). Le parole e le cose. Un’archeologia delle scienze umane. Tradução italiana de Emilio Panaitescu. BUR - Biblioteca universale. V ed. Milano: Rizzoli, 2001.

FOUCAULT, M. (1970). L’ordine del discorso. Einaudi: Torino, 2004.

FOUCAULT, M. Sull’origine dell’ermeneutica del sé. Napoli: Cronopio, 2012.

JAKOBSON, R. O. Russia, follia, poesia (Ed. original, Parigi: Seuil, 1986; a entrevista de Jakobson é de 1972). Prefácio e organização de Tzvetan Todorov. Tradução de Vari. Napoli: Guida, 1989.

JAKOBSON, R. O. (1932-1933). La fine del cinema? Organizado por Francesca Tuscano. Milano: Book Time, 2009.

JAKOBSON, R. O. (1980). Magia della parola. Organizado por Krystyna Pomorska. Roma: Castelvecchi, 2009.

LOTMAN, J. M. La struttura del testo poetico. Tradução do russo de Eridano Bazzarelli, Erika Klein e Gabriella Schiaffino. Milano: Mursia, 1972.

LOTMAN, J. M. La cultura e l’esplosione. Prevedibilità e imprevedibilità. Tradução de C. Valentino. Milano: Feltrinelli, 1992.

LOTMAN, J. M. (1973). Semiotica del cinema e lineamenti di cine-estetica. Tradução e Introdução de Luciano Ponzio. Milano: Mimesis, 2020.

MALEVIČ, K. S. Suprematismo. Il mondo della non-oggettività (1921-1922). Tradução de F. Rosso. Bari: De Donato, 1969.

MONTANI, P. (Org.). Ejzenštejn e il formalismo russo. BN Bianco e Nero, mensile di studi sul cinema e lo spettacolo, XXXII, 7/8, 1971.

NANCY, J.-L. Il ritratto e il suo sguardo. Cortina: Milano, 2002.

NANCY, J.-L. L’altro ritratto. Castelvecchi: Roma, 2014.

PASOLINI, P. P. (1964). Nuove questioni linguistiche. In: PASOLINI, P. P. Empirismo eretico, 1972.

PEIRCE, Ch. S. (1923). Chance, Love and Logic. Organizado por M. R. Cohen. Harcourt, New York. Tradução italiana de N. e M. Abbagnano, Caso, amore e logica. Torino: Taylor, 1956.

PEIRCE, Ch. S. Semiotica. Organizado por M. A. Bonfantini. Torino: Einaudi, 1980.

PEIRCE, Ch. S..(1931-1958). Opere. Organizado por Massimo A. Bonfantini. Coletânea “Il pensiero occidentale”. Milano: Bompiani, 2003.

PONZIO, L. Lo squarcio di Kazimir Malevič. Milano: Spirali, 2004.

PONZIO, L. L’iconauta e l’artesto. Configurazioni della scrittura iconica. Milano: Mimesis, 2010.

PONZIO, L. Roman Jakobson e i fondamenti della semiotica. Mimesis: Milano, 2015.

PONZIO, L. Icona e Raffigurazione. Bachtin, Malevič, Chagall. Nuova ed. Mimesis, Milano, 2016a.

PONZIO, L. Visioni del testo. Lecce: Pensa MultiMedia, 2016b.

PONZIO, L. Visões do texto. Tradução Mary Elizabeth Cerutti-Rizzatti e Giorgia Brazzarola. Org. Neiva de Souza Boeno. Apresentação de João Cavalcanti Nuto. São Carlos: Pedro & Joāo Editores, 2017a.

PONZIO, L. L’immagine e la parola nell’arte tra letterarietà e raffigurazione. Alberobello: AGA, 2017b.

PONZIO, L. Ícone e Afiguração. Bakhtin, Malevitch, Chagall. Tradução de Cecília Maculan Adum, Guido Alberto Bonomini, Vanessa Della Peruta. Org. Neiva de Souza Boeno. Apresentação Marisol Barenco de Mello. São Carlos: Pedro & Joāo Editores, 2019.

PREVIGNANO C., (Org.). La semiotica nei paesi slavi. Milano: Feltrinelli, 1979.

SAUSSURE, F. (1916). Corso di linguistica generale. Tradução de T. De Mauro. 24ª ed. Roma-Bari: Laterza, 2011.

SEBEOK, Th. A. Global semiotics. Bloomington: Indiana University Press, 2001.

SEBEOK, Th. A. The Play of Musement. Bloomington: Indiana University Press, 1981. Il gioco del fantasticare. Tradução Italiana de M. Pesaresi. Milano: Spirali, 1984.

ŠKLOVSKIJ, V. Una teoria della prosa. Tradução de M. Olsoufieva. Bari: De Donato, 1966.

TROMBADORI, D. Colloqui con Foucault. Pensieri, opere, omissioni dell’ultimo maître-à-penser. Entrevista com Michel Foucault. Roma: Castelvecchi, II ed. 2005, p. 30-32.

UFFICIO DOCUMENTAZIONE MOSTRA INTERNAZIONALE DEL NUOVO CINEMA. Per una nuova critica. I Convegni pesaresi 1965-1967, NUOVOCINEMA N. 33. Venezia: Marsilio, 1989.

WENDERS, W. Lisbon Story. Film, DVD, 1994.

WENDERS, W. Una volta. Roma: Contrasto, 2015.

WENDERS, W. I pixel di Cézanne e altri sguardi su artisti. Roma: Contrasto, 2017.

WOOLF, V. Sul cinema. Organizado por S. Matetich. Milano: Mimesis, 2012.

VOLOŠINOV, V. N. (1926). Slovo v žizni i slovo v poezii. In: Zvezda, 6; Tradução italiana “La parola nella vita e nella poesia”, com texto russo a frente. In: BACHTIN E IL SUO CIRCOLO. Opere 1919-1930. Texto russo a frente. Organização, introdução (p. vii-xxxii), comentário e Tradução de Augusto Ponzio (com colaboração de Luciano Ponzio). Coletânea “Il Pensiero Occidentale”, dirigida por Giovanni Reale. Milano: Bompiani, 2014, p. 270-333.

VOLOŠINOV, V. N. (1929). Marksizm i filosofja jazika [Marxismo e filosofia del linguaggio], Leningrado, Priboj. Tradução italiana com texto russo a frente. In: BACHTIN E IL SUO CIRCOLO. Opere 1919-1930. Texto russo a frente. Organização, introdução (p. vii-xxxii), comentário e Tradução de Augusto Ponzio (com colaboração de Luciano Ponzio). Coletânea “Il Pensiero Occidentale”, dirigida por Giovanni Reale. Milano: Bompiani, 2014, p. 1458-1839.

VOLOŠINOV, V. N. (1929). Parola propria e parola altrui nella sintassi dell’enunciazione. III parte di Marksizm i filosofija jazyka. Tradução de L. Ponzio. Organizada por A. Ponzio. Lecce: Pensa Multimedia, 2010.

VOLOŠINOV, V. N. (1930a). Stilistika chudožestvennoj reči [“Stilistica del discorso arti- stico”]. In: Žvezda, 2 (pp. 48-66), 3 (pp. 65-87) e 5 (pp. 43-39), Tradução italiana com texto russo a frente. In: BACHTIN E IL SUO CIRCOLO. Opere 1919-1930. Texto russo a frente. Organização, introdução (p. vii-xxxii), comentário e Tradução de Augusto Ponzio (com colaboração de Luciano Ponzio). Coletânea “Il Pensiero Occidentale”, dirigida por Giovanni Reale. Milano: Bompiani, 2014. (1. “Che cos’è il linguaggio?”, p. 1843-1891; 2. “La costruzione dell’enunciazione”, pp. 1893-1949; 3. “La parola e la sua funzione sociale”, p. 1951-1993).

VOLOŠINOV, V. N. (1930b). O granicach poetiki i lingvistiki. In: V borb’e za marksizm v literaturnoj nauke. Org. por V. A. Desnickij, Leningrado (S. Pietroburgo), Priboj, p. 203- 240; Tradução italiana com texto russo a frente. In: BACHTIN E IL SUO CIRCOLO. Opere 1919-1930. Texto russo a frente. Organização, introdução (p. vii-xxxii), comentário e Tradução de Augusto Ponzio (com colaboração de Luciano Ponzio). Coletânea “Il Pensiero Occidentale”, dirigida por Giovanni Reale. Milano: Bompiani, 2014, p. 1995-2082.

BACHTIN E IL SUO CIRCOLO. Opere 1919-1930. Texto russo a frente. Organização, introdução (p. vii-xxxii), comentário e Tradução de Augusto Ponzio (com colaboração de Luciano Ponzio). Coletânea “Il Pensiero Occidentale”, dirigida por Giovanni Reale. Milano: Bompiani, 2014.

BARTHES, R. [1954]. Ascolto. In: BARTHES, R.; HAVAS, C. Enciclopedia. Vol. I. Torino: Einaudi, 1977.

BARTHES, R. En sortant du cinéma. Communications, n. 23, p. 104-107. Parigi: Seuil, 1975.

BARTHES, R. L’ovvio e l’ottuso. Saggi critici III. Torino: Einaudi, 1985.

BARTHES, R. La grana della voce. Interviste 1962-1980. Torino: Einaudi, 1986.

BARTHES, R. Il brusio della lingua. Saggi critici IV. Torino: Einaudi, 1988.

BARTHES, R. Sul cinema. Organizado por S. Toffetti. Genova: Il nuovo Melangolo, 1997.

BARTHES, R. (1994). Variazioni sulla scrittura seguido de (1973) Il piacere del testo. Organizado por C. Ossola. Torino: Einaudi, 1999.

BARTHES, R. (1980). La camera chiara. Nota sulla fotografia. Torino: Einaudi, 2003.

BENE, C.; DELEUZE, G. Sovrapposizioni. Milano: Feltrinelli, 1978.

BLANCHOT, M. (1949). La letteratura e il diritto alla morte. LA FOLLIA DEL GIORNO. Con letture di J. Derrida e E. Levinas. Reggio Emilia: Elitropie, 1982.

BLANCHOT, M. (1969). La conversazione infinita. Scritti sull’“insensato gioco di scrivere”. Torino: Einaudi, 2015.

Downloads

Publicado

2023-11-01

Como Citar

PONZIO , L. . No corpo do texto: Palavra e imagem entre literatura e cinematografia. Polifonia, [S. l.], v. 29, n. 56, p. 54–89, 2023. DOI: 10.59917/rpolifonia.v29i56.16574. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/polifonia/article/view/16574. Acesso em: 12 jun. 2024.