O realismo prismático de Luiz Ruffato em “Mamma son tanto Felice”

Autores

  • Carolina Barbosa Lima e Santos polifoniapa@gmail.com
    Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

DOI:

10.59917/rpolifonia.v29i55.15665

Resumo

Propomos, neste trabalho, uma análise sobre o romance contemporâneo brasileiro Mamma, son tanto Felice, primeiro volume da pentalogia Inferno Provisório. Procuramos contribuir, a partir deste estudo, com a compreensão relacionada ao modo como seu autor condensa propostas de inovação estética, diálogo com a tradição literária e reflexão sobre a formação da cultura e do povo brasileiro em sua poética. Valendo-se de recursos visuais (efeitos tipográficos) e de uma linguagem entrecortada, o escritor propõe uma obra que se apresenta como um espelho que prismatiza e transfigura as relações sociais estabelecidas no cenário brasileiro, país de cunho colonial em que agentes como a família, a igreja e o Estado apresentam-se como elementos determinantes para o desenvolvimento de uma estrutura social balizada em princípios antagônicos de identidade e classe social.

Referências

ADORNO, Theodor W, (2003). Educação após Auschwitz. In: Educação e Emancipação. Tradução de Wolfgang Leo Maar. 3ª Ed. São Paulo: Paz e Terra, 2003. p. 119-138.

ANDRADE, Oswald de. Memórias sentimentais de João Miramar. Globo Livros, 2004.

AMARAL, Adriana Cörner Lopes do. Sobre a memória em Jacques Derrida. In: NASCIMENTO, Evando; GLENADEL, Paula (Orgs.). Em torno de Jacques Derrida. Rio de Janeiro: Editora Viveiros de Castro, 2000.

BAKHTIN, Mikhail. Questões de literatura e de estética: a teoria do romance. Trad. Carlos Vogt e Eny Orlandi. 4ª ed. São Paulo: UNESP, 1998.

BORDIEU, Pierre. A dominação masculina. Trad. Maria Helena Kühner. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2012. 11 ed.

CAMPOS, Augusto de. Poesia, estrutura. In: Mallarmé. São Paulo: Perspectiva, 2010.

CANDIDO, Antonio. Direitos humanos e literatura. In: Direitos humanos e... São Paulo, Brasiliense, 1989.

DERRIDA, Jacques. Mal de arquivo. Trad. Cláudia Moraes Rego. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2001.

GINZBURG, Jaime. O narrador na literatura brasileira contemporânea. In: Tintas. Quaderni di letterature iberiche e iberoamericane, 2 (2012), pp. 199-221.

MALLARMÉ, Stéphane. Um lance de dados jamais abolirá o acaso. In: Mallarmé. São Paulo: Perspectiva, 2010. pp.149-173.

RUFFATO, Luiz. Mamma, son tanto Felice. São Paulo: Record, 2005. (Coleção Inferno Provisório, Volume 1.).

SELIGMANN-SILVA, Márcio. A literatura do trauma. CULT – Revista Brasileira de Literatura, São Paulo, Lemos Editorial, n.23, p.46-47, jun. 1999.

_____. O local da diferença. Ensaios sobre memória, arte, literatura e tradução. São Paulo: Ed.34, 2005.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o subalterno falar? Trad. Sandra Regina Goulart Almeida; Marcos Pereira Feitosa; André Pereira Feitosa. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

Downloads

Publicado

2023-06-03

Como Citar

LIMA E SANTOS, C. B. . O realismo prismático de Luiz Ruffato em “Mamma son tanto Felice”. Polifonia, [S. l.], v. 29, n. 55, p. 84–100, 2023. DOI: 10.59917/rpolifonia.v29i55.15665. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/polifonia/article/view/15665. Acesso em: 12 jun. 2024.