O diálogo com o discurso citado e a construção da posição autoral na produção do gênero resenha acadêmica

Uma perspectiva dialógica

Autores

  • Sibely Oliveira Silva polifoniapa@gmail.com
    Universidade Federal de Lavras

DOI:

10.59917/rpolifonia.v29i55.15664

Resumo

Se se admite que a escrita é tessitura tramada num espaço de heterogeneidades, como assumir o estatuto de
autor (exigência da escrita acadêmica) quando se é um principiante, estudante universitário, que recorre a
outras vozes/teóricos e que é convocado a agenciar alteridades para se constituir singularmente como uma
voz autoral? Neste trabalho, busco responder a esta pergunta, apoiando-me nas contribuições dos estudos
do discurso e da perspectiva dialógica da linguagem, bem como nos estudos que concebem a escrita como
processo e trabalho. Ancorado na metodologia de abordagem qualitativa, o método de pesquisa adotado é
o da pesquisa-ação. De um modo geral, os resultados da pesquisa apontam para a necessidade de que as
ações de formação para a escrita na universidade privilegiem alguns dos princípios que envolvem a escrita
acadêmica e a construção de uma posição autoral, numa perspectiva dialógico-discursiva, que transcenda a
perspectiva comumente referendada nos manuais de escrita acadêmica. Além disso, em linhas gerais, os
resultados apontam que os percursos de escrita dos alunos são marcados por um processo de (re)construção
do posicionamento autoral marcadamente não linear, no qual a voz autoral vai se (re)modelando ao
compasso que os sujeitos apreendem determinados valores inerentes à escrita acadêmica, retroagem sobre
o processo de produção de sentidos dos textos e, consequentemente, ressignificam suas escolhas
(posicionamentos, citações pinçadas dos textos resenhados, interatuam sobre os seus saberes, estabelecendo
novas filiações de sentido com e a partir deles)

Referências

ARAÚJO, Liane Castro de. Tecendo Sentidos: reescrita e produção de Texto. 2001. Disponível em:

<https://portalseer.ufba.br/index.php/entreideias/article/view/2841/2017>. Acesso em 20 mai. 2022.

ASSIS, Juliana Alves. Representações sobre os textos acadêmico-científicos: pistas para a didática da escrita na universidade. Estudos linguísticos, São Paulo, v.43, n.2, p. 801-815, maio-ago. 2014. Disponível em: <https://revistas.gel.org.br/estudoslinguisticos/article/view/482>. Acesso em: 30 mar. 2022.

ASSIS, Juliana Alves. “Eu sei mas não sei colocar no papel aquilo que eu sei”: representações sobre os textos acadêmico-científicos. In: RINCK, Fani; BOCH, Françoise; ASSIS, Juliana Alves (org.). Letramento e formação universitária: formar para a escrita e pela escrita. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2015. p. 423-454.

BAKHTIN, M. Os gêneros do discurso. Organização, tradução, posfácio e notas de Paulo Bezerra. São Paulo: Editora 34, 2016.

BAKHTIN, M. O discurso na poesia e o discurso no romance. In: BAKHTIN, M. Teoria do romance I: a estilística. Trad. Paulo Bezerra. Org. da edição russa de Serguei Botcharov e Valdim kójinov. São Paulo: Editora 34, 2015. p. 47-78.

BAKTIN, M. Questões de literatura e de estética: a teoria do romance. Tradução do russo: Aurora Fornomi Bernardini; José Pereira Júnior; Augusto Góes Júnior; Helena Spryndis Nazário; Homero Freitas de Andrade. 7 ed. São Paulo: Hucitec, 2014.

BAKHTIN, M. O autor e a personagem na atividade estética. In: Estética da criação verbal. Trad. Paulo Bezerra. 6.ed. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2011. p. 3-186.

BAKHTIN, M. A forma espacial da personagem. In: Estética da criação verbal. Trad. Paulo Bezerra. 6ª. ed. São Paulo: Editora Martins Fontes, 2011.

BOCH, Françoise; SILVA, Sibely Oliveira. Dialoguer avec le discours d'autrui dans l'écrit académique ou comment construire une posture d’auteur ? Revista Linguagem e Ensino. Pelotas, v. 22, n. 3, julh-set. 2019. Disponível em: <https://periodicos.ufpel.edu.br/ojs2/index.php/rle/index> Acesso em: 20 mar. 2022.

BOCH, Françoise; GROSSMANN, Francis. Referir-se ao discurso do outro: alguns elementos de comparação entre especialistas e principiantes. In: CORRÊA, Manuel Luiz et al. (org). Scripta, Belo Horizonte, v. 6, n. 11, p. 97-108, 2º sem. 2002.

BOCH, Françoise; GROSSMANN, Francis. Sobre o uso de citações no discurso teórico: de constatações a proposições didáticas. In: RINCK, Fany; BOCH, Françoise; ASSIS, Juliana Alves (org.). Letramento e formação universitária: formar para a escrita e pela escrita. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2015. p. 283-308.

CLARK, Katerina; HOLQUIST, Michael. A arquitetônica da respondibilidade. In: CLARK, Katerina; HOLQUIST, Michael. Mikhail Bakhtin. Trad. J. Guinsburg. São Paulo: Perspectiva. 2008. p. 61-88.

COMPAGNON, Antoine. O trabalho da citação. Trad. Cleonice P. B. Mourão. Belo Horizonte: Editora UFMG. 2007.

CORRÊA, Manoel Luiz Gonçalves. Heterogeneidade da escrita: a novidade da adequação e a experiência do acontecimento. Revista de Filologia e Linguística Portuguesa, São Paulo, n. 8, p. 269-286, 2007. Disponível em: <http://www.revistas.usp.br/flp/article/view/59756>. Acesso em: 22 mar.2022.

CORRÊA, Manoel Luiz Gonçalves. Bases teóricas para o ensino da escrita. Linguagem em (Dis) curso, Tubarão, SC, v. 13, n. 3, p. 481-513, set-dez. 2013.

CORRÊA, Manoel Luiz Gonçalves. A escrita na formação do professor e pesquisador. Entrevista. In: LOPES, Maria Angela Paulino Teixeira; RINCK, Fanny (org.). Scripta, Belo Horizonte, p. 177-185, 2019.

FIAD, Raquel Salek. (Re)escrita e estilo. In: ABAURRE, Maria Bernadete M.; FIAD, Raquel Salek; MAYRINK-SABINSON, Maria Laura T. Cenas de aquisição da escrita: o sujeito e o trabalho com o texto. Campinas-SP: Mercado de Letras, 1997. p. 155-174.

FIAD, Raquel Salek. A escrita na universidade. Revista da ABRALIN, v. eletrônico, nº especial. p. 357-359. 2ª parte 2011. Disponível em: <https://revistas.ufpr.br/abralin/article/view/32436>. Acesso em 20 mar./2022.

FLOREZ, Magda. La citation positionnée dans l’écrit scientifique. In: TUTIN, Agnès; GROSSMANN, Francis. L’écrit scientifique: du lexique au discours. Presses Universitaires de Rennes. 2013.

GERALDI, João Wanderley. A escrita como trabalho: operações e metaoperações de construção de textos. 2018. Disponível em: . Acesso em: 30 mar.2022.

PONZIO, Augusto. Alteridade e dialogicidade da palavra. In: Procurando uma palavra outra. São Carlos: Pedro & João Editores, 2010. p. 37-39.

RAMOS, Graciliano. Linhas Tortas. 1962. Disponível em: <http://graciliano.com.br/site/obra/linhas-tortas-1962>. Acesso em: 29 mai. 2022.

RODRIGUES, Daniela Lopes Ignácio. Escrita de pesquisa e para a pesquisa. Belo Horizonte: Editora PUC Minas, 2018.

SILVA, Sibely Oliveira. O desabrochar da posição autoral no processo de escrita orientada: incursões de universitários da área de Letras na escrita acadêmica. 2020. 213f. Tese. (Doutorado em Linguística e Língua Portuguesa). Programa de Pós-graduação em Letras -Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais), Belo Horizonte, 2020.

SILVA, Jane Quintiliano Guimarães; MATENCIO, Maria de Lourdes M. Retextualização: movimentos de aprendizagem. In: II Encontro Internacional Linguagem Cultura e Cognição, 2003, Belo Horizonte FAE/UFMG. Anais do II Encontro Internacional Linguagem, Cultura e Cognição. Belo Horizonte: Faculdade de Educação da UFMG, 2003.

VOLÓCHINOV, Valentin. Exposição do problema do “discurso alheio”. In: Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. Trad. Sheila Grillo e Ekaterina Vólkova Américo. São Paulo: Editora 34, 2017, p. 249-262.

VOLÓCHINOV, Valentin. Discurso indireto, discurso direto e suas modificações. In: Marxismo e Filosofia da Linguagem: problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. Trad. Sheila Grillo e Ekaterina Vólkova Américo. São Paulo, Editora 34, 2017. p. 263-290.

VOLÓCHINOV, Valentin. Interação discursiva. In: Marxismo e Filosofia da Linguagem: problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. Trad. Sheila Grillo e Ekaterina Vólkova Américo. São Paulo, Editora 34, 2017. p. 201-206.

ZANDWAIS, A. Da língua ao discurso nos limites da sintaxe: as tênues fronteiras entre discursos citados e citantes. Bakhtiniana, São Paulo, v. 1, n.5, p. 4-19, 1º sem. 2011. Disponível em: . Acesso em: 31mar. 2022.

ZAVALA, Virgínia. Quem está dizendo isso? Letramento acadêmico, identidade e poder no ensino superior. In: VÓVIO, Claudia; SITO, Luanda; DE GRANDE, Paula(org.). Letramentos: rupturas, deslocamentos e repercussões de pesquisas em linguística aplicada. Campinas, SP: 2010.

Downloads

Publicado

2023-06-03

Como Citar

SILVA, S. O. . O diálogo com o discurso citado e a construção da posição autoral na produção do gênero resenha acadêmica: Uma perspectiva dialógica. Polifonia, [S. l.], v. 29, n. 55, p. 60–83, 2023. DOI: 10.59917/rpolifonia.v29i55.15664. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/polifonia/article/view/15664. Acesso em: 12 jun. 2024.

Edição

Seção

Estudos Linguísticos