Invasores de charge

Paródias modificando discursos em redes sociais

Autores

  • Paulo Ramos polifoniapa@gmail.com
    Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
  • Isabela Rodrigues Vieira polifoniapa@gmail.com
    Universidade Estadual de Londrina (UEL)

Resumo

Charges têm sido modificadas e veiculadas em redes sociais brasileiras à revelia de seus autores. Quem altera os desenhos procura construir uma crítica diferente da pensada originalmente. As assinaturas dos desenhistas, no entanto, são mantidas, levando os possíveis leitores desse conteúdo a creditarem equivocadamente a autoria do trabalho gráfico. Assim, tem-se por objetivo discutir esse tipo de produção. Com base em teóricos da área dos quadrinhos, opta-se por chamar esse processo de “invasão de charge”. Transitando entre a paródia e a fake news, ela modifica também a formação discursiva inicialmente contextualizada no desenho. Para a análise, serão utilizados dois trabalhos, veiculados em março e abril de 2020, meses iniciais da pandemia do coronavírus no Brasil.

Referências

BUCCI, E. Existe democracia sem verdade factual? Barueri, SP: Estação das Letras e Cores, 2019.

CABRAL, I. Perfil do Facebook. Facebook. 13 mar. 2016. Disponível em: <https://www.facebook.com/photo.php?fbid=10153334500636555&set=pb.692766554.-2207520000..&type=3>. Acesso em: 28 nov. 2022.

CABRAL, I. Perfil do Facebook. Facebook. 18 mar. 2016a. Disponível em: < https://www.facebook.com/photo.php?fbid=10153344328741555&set=pb.692766554.-2207520000..&type=3>. Acesso em: 28 nov. 2022.

CABRAL, I. Perfil do Facebook. Facebook. 18 mar. 2016b. Disponível em: <https://www.facebook.com/photo.php?fbid=10153346728986555&set=pb.692766554.-2207520000..&type=3>. Acesso em: 28 nov. 2022.

CAVALCANTE, M. M. Os sentidos do texto. São Paulo: Contexto, 2012.

CERTEAU, M. de. A invenção do cotidiano: artes de fazer. Trad. Ephraim Ferreira Alves. 3. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1998.

CHAIB, J.; CARVALHO, D. “E daí? Lamento, quer que eu faça o quê?”, diz Bolsonaro sobre recorde de mortos por coronavírus. Folha Online. 28 abr. 2020.

Disponível em: <https://www1.folha.uol.com.br/equilibrioesaude/2020/04/e-dai-lamento-quer-que-eu-faca-o-que-diz-bolsonaro-sobre-recorde-de-mortos-por-coronavirus.shtml>. Acesso em: 28 nov. 2022.

CONGRESSO EM FOCO. “Gripezinha” e “histeria”: cinco vezes em que Bolsonaro minimizou o coronavírus. Congresso em Foco. 1º abr. 2020. Disponível em: <https://congressoemfoco.uol.com.br/governo/gripezinha-e-histeria-cinco-vezes-em-que-bolsonaro-minimizou-o-coronavirus/>. Acesso em: 28 nov. 2022.

D´AGOSTINHO, T. Perfil no Facebook. Facebook. 30 mar. 2020. Disponível em: <https://www.facebook.com/photo.php?fbid=10219010698691799&set=pb.1634616488.-2207520000..&type=3>. Acesso em: 28 nov. 2022.

D’AGOSTINHO, T. Perfil no Instagram. Instagram. 30 mar. 2020. Disponível em: <https://www.instagram.com/p/B-XYnOXHl5y/>. Acesso em: 28 nov. 2022.

DUKE. Mortes por coronavírus. Dom Total. 29 abr. 2020. Disponível em: <https://domtotal.com/charge/2918/2020/04/mortes-por-coronavirus/>. Acesso em: 28 nov. 2022.

FERREIRA, J. S. L. A constituição da autoria do gênero discursivo charge: um estudo com chargistas potiguares. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada) - Programa de Pós-Graduação em Estudos da Linguagem, Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Natal, 2017.

G1. ‘Ainda bem’: Lula se desculpa por dizer que coronavírus serviu para mostrar necessidade do Estado. G1. 20 maio 2020. Disponível em: https://g1.globo.com/politica/noticia/2020/05/20/ainda-bem-lula-se-desculpa-por-dizer-que-coronavirus-mostrou-necessidade-do-estado.ghtml. Acesso em: 28 nov. 2022.

JENKINS, H. Invasores do texto: fâs e cultura participativa. Trad. Érico Assis. Nova Iguaçu, RJ: Marsupial Editora, 2015.

HOUAISS, A. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.

KOCH, I. G. V.; BENTES, A. C.; CAVALCANTE, M. M. Intertextualidade: diálogos possíveis. São Paulo: Cortez, 2007.

OLIVEIRA JUNIOR, M. S. Embates dialógicos em um país dividido: a responsividade das charges de Ivan Cabral no processo de impeachment de Dilma Rousseff. Dissertação (Mestrado em Letras) - Programa de Pós-Graduação em Estudos da Linguagem, Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Natal, 2017.

PÊCHEUX, M. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Trad. Eni Orlandi. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 1988.

RIANI-COSTA, C. F. Linguagem & cartum... tá rindo do quê? Um mergulho nos salões de humor de Piracicaba. Dissertação (Mestrado em Comunicação Social) - Universidade Metodista de São Paulo. São Bernardo do Campo, 2001.

ROMUALDO, E. C. Charge jornalística: Intertextualidade e polifonia – Um estudo de charges da Folha de S.Paulo. Maringá, PR: Eduem, 2000.

SANTIAGO, I. A. Charge do Duke para Dom Total ganha menção honrosa no Prêmio Vladimir Herzog. Dom Total. 20 out. 2020. Disponível em: <https://domtotal.com/noticia/1477731/2020/10/charge-do-duke-para-dom-total-ganha-mencao-honrosa-no-premio-vladimir-herzog/>. Acesso em: 28 nov. 2022.

Downloads

Publicado

2023-02-16

Como Citar

RAMOS, P. .; VIEIRA, I. R. . Invasores de charge: Paródias modificando discursos em redes sociais. Polifonia, [S. l.], v. 29, n. 54, p. 140–163, 2023. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/polifonia/article/view/15015. Acesso em: 15 jun. 2024.

Edição

Seção

Estudos Linguísticos