Interseccionalidades masculinas

A escola como o lugar da reprodução de corpos machos

Autores

  • Sirlei Cleuza Costin polifoniapa@gmail.com
    Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT)
  • Luís Antonio Bitante Fernandes polifoniapa@gmail.com
    Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT)

Resumo

Neste artigo, objetivamos debater as masculinidades, a partir de uma abordagem reflexiva, acerca de jovens estudantes que estão inseridos no contexto escolar, considerando que a escola deve cumprir um papel social na formação de sujeitos críticos. De forma específica, discutimos o papel das construções de gênero na sociedade, marcado pela intersecção entre raça, classe, gênero e sexualidades, entre outras categorias, que apresentam, na construção sócio-histórica das masculinidades, jogos de poderes que não são problematizados no ambiente escolar. Por meio desse jogo social, os grupos dominantes reproduzem sua condição de poder, assim como, usando da violência simbólica, fazem com que os grupos excluídos incorporem as representações projetadas por aqueles, legitimando e naturalizando a exclusão social. Além da raça e da classe, o gênero e a sexualidade, marcadamente, atravessam nossos corpos e condicionam as relações entre grupos e agentes, orientando suas formas de ver a si e ao mundo, assim como suas práticas. A metodologia se restringiu à pesquisa bibliográfica, cuja abordagem foi crítica e qualitativa, apontando que as masculinidades, como construção sócio-histórica e interseccional, têm sido naturalizadas. No entanto, a escola, ao mesmo tempo que atua como instrumento para normatização de corpos femininos e masculinos, também tem potencialidades suficientes para desmantelar os esquemas classificatórios da divisão hierárquica entre os sexos.

Referências

AGUIRRE, Katheen Kate Dominguez. Masculinidades colonizadas e feminicídio na América Latina. Crítica Histórica, UFAL, Ano XI, nº 22, Dezembro/2020.

ALMEIDA, Miguel Vale de. Género, masculinidade e poder: revendo um caso do Sul de Portugal. Anuário Antropológico, Rio de Janeiro, v. 95, p. 161-190, 1996.

ALMEIDA, Silvio Luiz de. O que é racismo estrutural? Belo Horizonte: Letramento, 2018.

BENTO, Berenice. Na escola se aprende que a diferença faz a diferença. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 19, n. 2, p. 549-559, maio/ago. 2011.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Lisboa: Difel, 1998.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

COHEN, Stanley. Whose side were we on? The undeclared politics of moral panic theory. Crime, Media, Culture, Thousand Oaks, v. 7, n. 3, p. 237-243, 2011.

CONNELL, Raewyn; MESSERSCHMIDT, James. Masculinidade hegemônica: repensando o conceito. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 21, n. 1, p. 241-282, abr. 2013.

CONNELL, Raewyn; PEARSE, Rebecca. Gênero: uma perspectiva global. São Paulo: nVersos, 2015.

CONNELL, Raewyn. A iminente revolução na teoria social. Revista Brasileira de Ciências Sociais, [s. l.], v. 27, n. 80, out. 2012.

CONNELL, Raewyn. Gênero em termos reais. São Paulo: nVersos, 2016.

CONNELL, Raewyn. Políticas da masculinidade. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 20, n. 2, p. 185-206, jul./dez. 1995.

COLLINS, Patrícia Hill. A diferença que o poder faz: interseccionalidade e democracia participativa. Tradução de Carina Jéssica de Souza e Elisa Duarte Nascimento. Revista Sociologias Plurais, v. 8, n. 1. p. 11-44, jan. 2022.

CORRER, Rinaldo; SOUZA, Ana Paula Vianna de. Expressões da sexualidade: estudo a partir da construção da masculinidade em estudantes do ensino médio. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 10, n. especial 2, p. 1545-1559, 2016.

CRENSHAW, Kimberlé. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, ano 10, v. 1, p. 171-188, 2002.

CURIEL, Ochy. Construindo metodologias feministas a partir do feminismo decolonial. In: HOLLANDA, Heloisa Buarque de (org.). Pensamento feminista hoje: perspectivas decoloniais.1. ed. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2020, p. 120-139.

CURIEL, Ochy. Crítica pós-colonial a partir de práticas políticas do feminismo antirracista. Revista de Teoria da História, [s. l.], v. 22, n. 2, p. 231-245, dez. 2019.

ESPINOSA MIÑOSO, Yuderkys. Fazendo uma genealogia da experiência: o método rumo a uma crítica da colonialidade da razão feminista a partir da experiência histórica na América Latina. In: HOLLANDA, Heloisa Buarque de (org.). Pensamento Feminista hoje: perspectivas decoloniais. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2020, p. 96-119.

FERNANDES, Luís Antonio Bitante. Afinal o que querem os homens? Um estudo da masculinidade. Orientadora: Profa. Dra. Lucila Scavone. Tese (Doutorado em Sociologia) – Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista, Araraquara, 2011.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade I: a vontade de saber. 12. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2009.

GIFFIN, Karen. A inserção dos homens nos estudos de gênero: contribuição de um sujeito histórico. Ciência e Saúde Coletiva, 10(1): 47-57, 2005.

GROSSI, Mirian Pillar. Masculinidades: uma revisão teórica. Antropologia em Primeira Mão, Florianópolis, n. 1, p. 4-34, 1995.

JUNQUEIRA, Rogério Diniz. A invenção da “ideologia de gênero”: a emergência de um cenário político discursivo e a elaboração de uma retórica reacionária antigênero. Psicologia Política, São Paulo, v. 18, n. 43, p. 449-502, set./dez. 2018.

KELLER, Daniel; ARAÚJO, Denise Castilhos de. Masculinidades: identidade narrativa, performance e diagramas de marginalização. Caderno Espaço Feminino, Uberlândia, v. 30, n. 1, p. 304-328, jan./jun. 2017.

LUGONES, María. Colonialidade e gênero. In: HOLLANDA, Heloisa Buarque de (org.). Pensamento Feminista hoje: perspectivas decoloniais. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2020, p. 52-83.

LOURO, Guacira Lopes. Pedagogias da sexualidade. In: LOURO, Guacira Lopes (org.). O corpo educado: pedagogias da sexualidade. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2000, p. 7-34.

MBEMBE, Achille. Crítica da razão negra. São Paulo: n-1 edições, 2018.

MISKOLCI, Richard; CAMPANA, Maximiliano. Ideologia de gênero: notas para a genealogia de um pânico moral contemporâneo. Revista Sociedade e Estado, [s. l.], v. 32, n. 3, p. 725-747, set./dez. 2017.

MISKOLCI, Richard. Exorcizando um fantasma: os interesses por trás do combate à “ideologia de gênero”. Cadernos Pagu, [s. l.], n. 53, 2018.

MISKOLCI, Richard. Teoria Queer: um aprendizado pelas diferenças. 2. ed. rev. e aum. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2017

OLIVEIRA, Pedro Paulo de. A construção social da masculinidade. Belo Horizonte: Editora UFMG; Rio de Janeiro: Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro, 2004.

PINHO, Osmundo. Um enigma masculino: interrogando a masculinidade da desigualdade racial no Brasil. Universitas Humanística, Bogotá, v. 77, n. 77, p. 227-250, enero/jun. 2014.

SAFFIOTI, Heleieth. Gênero, patriarcado, violência. 2. reimp. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2011.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil para análise histórica. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 20, n. 2, p. 71-99, jul./dez. 1995.

SEGATO, Rita Laura. Gênero e colonialidade: em busca de chaves de leitura e de um vocabulário estratégico descolonial. e-cadernos CES, [s. l.], n. 18, déc. 2012.

SEGATO, Laura Rita. La escritura en el cuerpo de las mujeres asesinadas en Ciudad Juárez: territorio, soberanía y crímenes de segundo Estado. 1. ed. Buenos Aires: Tinta Limón, 2013.

SEGATO, Rita Laura. Las estructuras elementales de la violencia. Ensayos sobre género entre la antropología, el psicoanálisis y los derechos humanos. Bernal: Universidad Nacional de Quilmes, 2003.

SHEILL, Kate. Os direitos sexuais são direitos humanos, mas como podemos convencer as Nações Unidas? In: Cornwall, Andrea; Jolly, Susie. (org.). Questões de sexualidade: ensaios transculturais. Rio de Janeiro: Associação Brasileira Interdisciplinar de AIDS, 2008, p. 91-99.

VETORAZO, Francisca Helena Gonçalves; SAMPAIO, Helena. Gênero e sexualidades no ensino médio: enfrentamentos e negociações. Revista Contemporânea de Educação, Rio de Janeiro, v. 15, n. 32, p. 223-240, jan./abr. 2020.

VIVEROS VIGOYA, Mara. As cores da masculinidade: experiências interseccionais e práticas de poder na Nossa América. Rio de Janeiro: Papéis Selvagens, 2018.

Downloads

Publicado

2023-01-23

Como Citar

COSTIN, S. C. .; BITANTE FERNANDES, L. A. . Interseccionalidades masculinas : A escola como o lugar da reprodução de corpos machos. Polifonia, [S. l.], v. 29, n. 53, p. 101–127, 2023. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/polifonia/article/view/14862. Acesso em: 12 jun. 2024.