O cronotopo pandêmico no conto “Baú”, de Daniel Galera

Ressonâncias no ensino de literatura

Autores

  • Letícia Queiroz de Carvalho polifoniapa@gmail.com
    Instituto Federal do Espírito Santo
  • André Luiz Neves Jacintho Jacintho polifoniapa@gmail.com
    Secretaria Estadual de Educação – ES

Resumo

Neste artigo buscaremos um diálogo com o conto “Baú’, do autor Daniel Galera, cujas marcas erigidas em sua composição poderão facultar um conjunto de experiências que ampliem para o leitor da educação básica a sua forma de compreender e fruir os textos literários. Ancorados na concepção  bakhtiniana de cronotopo,  reiteramos que tal categoria conceitual para o estudioso russo apresenta em seu bojo uma concepção de homem inscrita em cada temporalidade em que ele se insere. Diante desse quadro, assumimos, no texto em tela, uma proposta de ensino de literatura para além de uma visão utilitária do texto literário, a partir da qual explanaremos os possíveis desdobramentos dessa perspective para subsidiar as práticas de leitura na sala de aula.

Referências

ANTUNES, Benedito. O que significa ensinar literatura no mundo contemporâneo? Miscelânea, Assis, v. 18, p.217-230, jul.-dez. 2015.

BAKHTIN, Mikhail Mikhailovich. Questões de literatura e de estética: a teoria do romance. São Paulo: UNESP-HUCITEC, 1993.

BAKHTIN, M./VOLOCHÍNOV, V. Marxismo e filosofia da linguagem. Tradução de Michel Lahud e Yara Frateschi Vieira. 12ª ed. São Paulo: Hucitec, 2006.

BEMONG, N. et al. Bakhtin e o Cronotopo: reflexões, aplicações, perspectivas. São Paulo. Parábola. 2015.

CANDIDO, Antonio. "A literatura e formação do homem" In: Textos de Intervenção. São Paulo: Duas Cidades / Editora 34, 2002. P.77-92.

COLOMER, Teresa. Critérios de avaliação e seleção de livros infantis e juvenis. In: _____. Introdução à literatura infantil e juvenil atual. São Paulo: Global Editora, 2017. p.251-306.

COMPAGNON, Antoine. Literatura para quê? Tradução de Laura Taddei Brandini. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2009.

COMPAGNON, Antonie. O demônio da teoria. Belo Horizonte: UFMG, 2003

DELLA FONTE, S.S. Amor e paixão como facetas da educação: a relação entre escola e apropriação do saber. Interface - Comunic., Saúde, Educ., v.11, n.22, p.327-42, mai/ago 2007.

FRANCHETTI, Paulo. Ensinar literatura para quê? Revista Desenredos. Ano I, número 03,Teresina - Piauí - novembro dezembro 2009.

GALERA, Daniel. “Baú”. Disponível em: Baú, um conto de Daniel Galera (uol.com.br). Acesso em jun.2021.

GINZBURG, Jaime. O ensino de literatura como fantasmagoria. Revista Anpoll. Florianópolis, SC, V.1, Nº 33, 2012.

TODOROV, T. A literatura em perigo. 3ª. ed. Rio de Janeiro: DIFEL, 2010.

ZILBERMAN, R. O papel da literatura na escola. Via Atlântica, [S. l.], n. 14, p. 11-22, 2008. DOI: 10.11606/va.v0i14.50376. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/viaatlantica/article/view/50376. Acesso em de 2 de novembro 2021.

Downloads

Publicado

2022-04-25

Como Citar

CARVALHO, L. Q. de; JACINTHO, A. L. N. J. O cronotopo pandêmico no conto “Baú”, de Daniel Galera: Ressonâncias no ensino de literatura. Polifonia, [S. l.], v. 28, n. 52, p. 123–137, 2022. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/polifonia/article/view/13710. Acesso em: 12 jun. 2024.