Ser e estar no instagram

Lugar de adaptações e auto-organização das práticas discursivas

Autores

  • Patrícia Aparecida da Silva polifoniapa@gmail.com
    Universidade do Estado de Mato Grosso
  • Olimpia Maluf Souza Souza polifoniapa@gmail.com
    Universidade do Estado de Mato Grosso
  • Valdir Silva Silva polifoniapa@gmail.com
    Universidade do Estado de Mato Grosso

Resumo

Este artigo se propôs a discutir os efeitos da era digital pelo viés da teoria dos Sistemas Adaptativos Complexos (SAC) e suas interlocuções com a teoria da Análise de Discurso (AD), bem como os modos de constituição do sujeito no Instagram. Para tanto, problematizou as mudanças e a aceitação social aos novos padrões vislumbrados pela cultura tecnológica suas inúmeras formas de influenciar a vida, a rotina e o padrão social do sujeito. Por assim dizer, o trabalho focou no jogo entre o online e particularmente o offline, uma vez que tal jogo se mostra nos efeitos produzidos na rede social do Instagram, que, por se tratar de um sistema dinâmico complexo, pode, em qualquer evento nele produzido, desencadear ou não um tipo de reação em cada sujeito conectado, e também em entrevistas de alunos do ensino médio, que redigiram textos sobre este assunto. Desse modo, utilizou-se o SAC em confluência com a Análise de Discurso, o que permitiu compreender a emergência do digital e a constituição do sujeito nessa rede social. Percebemos que esse aplicativo se configura, então, como um sistema fechado que condiciona, molda e impõe uma adaptação do sujeito à regra determinante.

Referências

AZEVEDO, Aline F. de. Tecnologias do corpo: metáforas da sutura e da cicatriz. RUA [online]. n. 19, vol. 2, 2013. Disponível em: http://www.labeurb.unicamp.br/rua/.

BARANGER, M. La teoria del campo. In S. LEWCOWICZ & S. FLECHNER (Eds). Verdad, realidad y el psicoanalista: contribuiciones latinoamericanas al psicoanálisis. Londres: International Psychoanalysis Library. 2000, pp. 49-71.

BARTON, David; LEE, Carmen. Linguagem online: textos e práticas digitais. Tradução Milton Camargo Mota. São Paulo, SP: Parábola Editorial, 2015.

CASSIN, B. Googléame: La segunda misión de los Estados Unidos. Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica: Biblioteca Nacional, 2008.

CRYSTAL, D. A revolução da linguagem. Tradução: Ricardo Quintana. Consultoria, Yonne Leite. Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar Editor, 2006.

DEBORD, GUY. A Sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997.

DELEUZE, G. Crítica e Clínica. 2. ed. Tradução: Peter Pál Pelbart. São Paulo, SP: Editora 34, 2011.

______. Nietzsche e a filosofia. São Paulo, SP: N-1 Edições, 2018.

DESCARTES, R. Princípios da filosofia. Curitiba, PR: Editora Hemus, 2007.

DIAS, Cristiane; COUTO, Olívia Ferreira do. As redes sociais na divulgação e formulação do sujeito do conhecimento: compartilhamento e produção através da circulação de ideias. Linguagem em (Dis)curso, v. 11, n. 3, p. 631-648, 2011. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ld/a/b7JNN6VHZd6ttMwTw85PwCQ/?lang=pt.

ELLIOTT, C. A philosophical disease: Bioethics, culture and identity. New York: Routledge, 1999.

______. Better than well: American medicine meets the American dream. New York: Norton. Século XXI, 2003.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Tradução de Raquel Ramalhete. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 2002.

FREUD S. O ego e o id. Rio de Janeiro, RJ: Imago, 1976.

FUKUYAMA, F. Our posthuman future. New York: Picador, 1999.

GOMES, O.M.C. A economia como objeto complexo. In: FURTADO, B. A.; SAKOWSKI, P. A. M.; TÓVOLLI, M. H. (Orgs.), Modelagem de sistemas complexos para políticas públicas. Brasília: IPEA, 2015

GIBSON, J. J. The Theory of affordances. In: SHAW, R.; BRANDSFORD, J. (Orgs), Perceiving, acting and knowing. Hillsdale: LEA, 1977.

HOLLAND, J. H. Hidden order: how adaptation builds complexity. Reading, MA: Addison-Wesley, 1995.

NIETZSCHE, F. Assim falou Zaratustra. São Paulo, SP: Editora Martin Claret, 2003.

ORLANDI, Eni P. Análise de discurso: princípios e procedimentos. Campinas, SP: Pontes Editores, 1999.

PAIVA, V. L. M. O.; NASCIMENTO, M. (Orgs.), Sistemas Adaptativos Complexos: língua(gem) e aprendizagem, Campinas, SP: Pontes Editores, 2011.

______. Autonomia e complexidade. In: Linguagem e Ensino, v. 9, n. 1, p. 77-127, 2006.

______. Tecnologia na docência em línguas estrangeiras: convergências e tensões. In: SANTOS, L. L. de C. P. (Org.), Convergências e tensões no campo da formação e do trabalho docente. Belo Horizonte, MG: Autêntica, 2010, p. 595-613.

PÊCHEUX, M. Discurso e ideologia. In:_____. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Tradução: Eni Orlandi. 2 ed. Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 1997.

PISANI, F.; PIOTET, D. Como a web transforma o mundo: a alquimia das multidões. Tradução: Gian Bruno Grosso. São Paulo, SP: Editora Senac, 2010.

SANTAELLA, L. Culturas e artes do pós-humano: da cultura das mídias à cibercultura. (coord. Valdir José de Castro). São Paulo, SP: Paulus, 2003.

SILVA, R. S.; SILVA, V. Das infovias às ruas: o Facebook e as manifestações sociais na perspectiva da teoria do caos/complexidade. Rua (online), vol. 21, n. 2, 2015, pp. 285-302. Disponível em: <https://bit.ly/36iw7Tz>. Acesso em: 12 de fev. 2021.

VIEIRA, E. Influenciadores, a fronteira final da publicidade. Meio & Mensagem, 2016. Disponível www.meioemensagem.com.br. Acesso em 16 nov. de 2019.

VITA-MORE, N. The New [human] Genre-Primo Posthuman. Paper delivered at Ciber@RT Conference, Bilbao, Spain. 2004.

Downloads

Publicado

2022-04-25

Como Citar

SILVA, P. A. da .; SOUZA, O. M. S.; SILVA, V. S. Ser e estar no instagram: Lugar de adaptações e auto-organização das práticas discursivas. Polifonia, [S. l.], v. 28, n. 52, p. 62–85, 2022. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/polifonia/article/view/13707. Acesso em: 12 jun. 2024.