(De)colonialidade discursiva

Uma reflexão sobre os processos de regulação e normalização da escrita no campo acadêmico-científico

Autores

  • Alexandra Batistela Ferreira Ferreira polifoniapa@gmail.com
    Universidade Estadual de Goiás
  • Gilmara Machado Souza Souza polifoniapa@gmail.com
    Universidade Estadual de Goiás
  • Sostenes Lima sostenes.lima@ueg.br
    Universidade Estadual de Goiás

Resumo

Neste artigo, buscamos discutir alguns aspectos da colonialidade e movimentos de decolonialidade do saber manifestos no campo acadêmico-científico, bem como a dinâmica dos regimes de controle da escrita acadêmica. Debatemos o modo como o campo acadêmico-científico se formou a partir do paradigma científico da modernidade, fundado na colonialidade do saber, dando origem a uma espécie de geopolítica do conhecimento. Tomamos o campo acadêmico-científico como um espaço social estruturado que convenciona práticas e posições de sujeito, tendo como principal objetivo regular os processos de produção, circulação e consumo dos saberes científicos, profissionais e tecnológicos. Desse campo, se originam microcampos diversos (área de conhecimento, universidades, departamentos etc.) que se desdobram em comunidades discursivas, nas quais são estabelecidos dispositivos de regulação e normalização para os modos de fazer e de relatar pesquisas. Um ponto chave que perpassa toda essa discussão é a colonialidade expressas em práticas nortecentradas, que hierarquizam saberes, discursos e identidades. Buscamos analisar os traços de colonialidade presentes nos instrumentos de regulação e de normalização da escrita acadêmica, que reforçam e naturalizam certos modos de construir, relatar e disseminar o conhecimento. Assumimos uma posição política declarada em favor da decolonização do campo acadêmico-científico. Enfatizamos, nessa proposta decolonial, duas questões fundamentais: a) a necessidade de ressignificação do lugar ocupado pelos saberes e identidades subalternizados pela colonialidade do saber; e b) necessidade de mudança nas práticas discursivas acadêmicas, a fim de que se garanta espaço para emergência de uma nova escrita acadêmica, aberta a novos gêneros discursivos ou à insurgência em gêneros já consagrados.

Referências

ANDRADE, Emari. Intervenções do orientador na escrita: efeitos na formação do futuro pesquisador. 2015. 250 p. Tese (Doutorado em Educação). Universidade de São Paulo. São Paulo, 2015.

BALLESTRIN, Luciana. América Latina e o giro decolonial. Revista brasileira de ciência política, n. 11, p. 89-117, 2013.

BAUMAN, Richard; BRIGGS, Charles. Voices of Modernity: language ideologies and the politics of inequality. Cambridge: Cambridge University Press, 2003.

BERNARDINO-COSTA, Joaze; GROSFOGUEL, Ramón. Decolonialidade e perspectiva negra. Sociedade e Estado, v. 31, p. 15-24, 2016.

BOURDIEU, Pierre. Razões práticas: sobre a teoria da ação. Campinas: Papirus, 1996.

BOURDIEU, Pierre. O campo político. Revista Brasileira de Ciência Política, n. 5, p. 193-216, 2011.

CATANI, Afrânio Mendes. As possibilidades analíticas da noção de campo social. Educação & Sociedade, v. 32, n. 114, p. 189-202, 2011.

CASTRO-GÓMEZ, Santiago. Ciências sociais, violência epistêmica e o problema da “invenção do outro”. In: LANDER, Edgardo et al. (Ed.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais, perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: Clacso, 2005. p. 87-95.

CRESPO, Isabel Melo; RODRIGUES, Ana Vera. Normas técnicas e comunicação científica: enfoque no meio acadêmico. RDBCI: Revista Digital De Biblioteconomia E Ciência Da Informação, v. 9, n. 2, p. 36-55, 2011. https://doi.org/10.20396/rdbci.v9i1.1918.

DIAS, Juliana de F.; COROA, Maria Luiza M. S.; LIMA, Sostenes C. Criar, resistir e transgredir: Pedagogia Crítica de Projetos e práticas de insurgências na Educação e nos Estudos da Linguagem. Cadernos de Linguagem e Sociedade, v. 9, n. 3, p. 29-48, 2018.

FAIRCLOUGH, Norman. Discurso e mudança social. Brasília: Editora da Universidade de Brasília, 2001.

FRIAS, Aníbal. Praxe académica e culturas universitárias em Coimbra. Lógicas das tradições e dinâmicas identitárias. Revista Crítica de Ciências Sociais, n. 66, p. 81-116, 2003.

LARROSA, Jorge. O ensaio e a escrita acadêmica. Educação & Realidade, v. 28, n. 2, p. 101-115, 2003.

MALDONADO-TORRES, Nelson. Analítica da colonialidade e da decolonialidade: algumas dimensões básicas. In: BERNARDINO-COSTA, Joaze; MALDONADO-TORRES, Nelson; GROSFOGUEL, Ramón (org.). Decolonialidade e pensamento afrodiaspórico. Belo Horizonte: Autêntica, 2018. p. 27-54.

MALDONADO-TORRES, Nelson. A topologia do Ser e a geopolítica do conhecimento. Modernidade, império e colonialidade. Revista Crítica de Ciências Sociais [Online], v. 80, p. 71-114, 2008. https://doi.org/10.4000/rccs.695.

MARINHO, Marildes. A escrita nas práticas de letramento acadêmico. Revista brasileira de linguística aplicada, v. 10, n. 2, p. 363-386, 2010.

MATA, Inocência. Estudos pós-coloniais. Desconstruindo genealogias eurocêntricas. Civitas-Revista de Ciências Sociais, v. 14, n. 1, p. 27-42, 2014.

MEIRA, Fabio Bittencourt; MEIRA, Mônica Birchler Vanzella. Considerações sobre um campo científico em formação: Bourdieu e a" nova ciência" do turismo. Cadernos EBAPE. BR, v. 5, p. 01-18, 2007.

MIGNOLO, Walter D. A Geopolítica do conhecimento e a diferença colonial. Revista Lusófona de Educação, v. 48, p. 187-224, 2020.

MIGNOLO, Walter D. Colonialidade: o lado mais escuro da modernidade. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 32, n. 94, p. 1-18 (e329402), 2017.

MIGNOLO, Walter D. Desobediencia epistémica: retórica de la modernidad, lógica de la colonialidad y gramática de la descolonialidad. Buenos Aires: Ediciones del signo, 2010.

NASCIMENTO, André Marques. Geopolíticas de escrita acadêmica em zonas de contato: problematizando representações e práticas de estudantes indígenas. Trabalhos em Linguística Aplicada, v. 53, n. 2, p. 267-297, 2014.

PAN, Miriam A.; LITENSKI, Andriele C. Letramentos e identidade profissional: reflexões sobre leitura, escrita e subjetividade na universidade. Psicologia Escolar e Educacional, v. 22, n. 3, p. 527-534, 2018.

PILLON, Márcia Aparecida; DA CRUZ, Maria Aparecida Lopes. Leitura e discurso científico. Transinformação, v. 8, n. 3, p. 121-129, 1996.

PINHEIRO-MACHADO, Rosana. A guerra na educação piora a já frágil saúde mental nas universidades. The intercept Brazil. Out. 2019. Disponível em: https://theintercept.com/2019/10/14/guerra-universidades-piora-saude-mental/ . Acesso em: 20 out. 2019.

RIOLFI, Claudia Rosa; ANDRADE, Emary. Ensinar a escrever texto acadêmico: as múltiplas funções do orientador. Trabalhos em Linguística Aplicada, v. 48, n. 1, p. 99-118, 2009.

SOUZA, Naiara Cristina Santos de; NASCIMENTO, André Marques do. Apontamentos críticos sobre a colonialidade do saber: em defesa da pluralidade na construção do conhecimento. Articulando e Construindo Saberes, v. 3, n. 1, p. 247-272, 2018. https://doi.org/10.5216/racs.v3i1.55383

SCOLLON, Ronald; SCOLLON, Suzanne B. K. Intercultural Communication: a discourse approach. 2nd ed. Oxford: Blackwell Publishers, 2001.

SWALES, Jonh. Genre analysis: English in academic and research settings. Cambridge: Cambridge University Press, 1990.

VERGER, Jacques. Les gens de savoir en Europe à la fin du Moyen Age. Paris: PUF, 1997.

Downloads

Publicado

2022-04-25

Como Citar

FERREIRA, A. B. F.; SOUZA, G. M. S.; LIMA, S. . (De)colonialidade discursiva: Uma reflexão sobre os processos de regulação e normalização da escrita no campo acadêmico-científico. Polifonia, [S. l.], v. 28, n. 52, p. 11–35, 2022. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/polifonia/article/view/13705. Acesso em: 12 jun. 2024.