LITERATURA INDÍGENA, MEMÓRIA E RESISTÊNCIA: A CASA-UNIVERSO NA OBRA DE GABRIEL GENTIL E LUÍS LANA

Autores

  • Larissa Lacerda Menendez lamenendez@ig.com.br
    UFMT

Resumo

Neste artigo, buscamos analisar o simbolismo da casa nas culturas tukano e desana, a partir de narrativas míticas publicadas por autores indígenas dessas etnias. Como recurso metodológico, utilizamos a análise interpretativa a partir da perspectiva teórica da decolonialidade. A principal contribuição do estudo está na elucidação do simbolismo da maloca. Concluimos que esta é, portanto, ressignificada e resiste ao tempo, através da evocação das memórias.
PALAVRAS-CHAVE: Literatura indígena, literatura Tukano e Desana, mitologia

Biografia do Autor

Larissa Lacerda Menendez, UFMT

Pós-doutoranda em no departamento de pós-graduação de Estudos de Cultura Contemporânea, UFMT. Doutora em Ciências Sociais pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

Downloads

Publicado

2015-03-10

Como Citar

MENENDEZ, L. L. LITERATURA INDÍGENA, MEMÓRIA E RESISTÊNCIA: A CASA-UNIVERSO NA OBRA DE GABRIEL GENTIL E LUÍS LANA. Polifonia, [S. l.], v. 21, n. 30, 2015. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/polifonia/article/view/1355. Acesso em: 19 jul. 2024.

Edição

Seção

Dossiê