A busca pelo poder e as relações sociais e afetivas nos romances O idiota e Macau: uma leitura à luz da teoria bakhtiniana

Autores

Palavras-chave:

romance, linguagem, relações sociais.

Resumo

O objetivo deste trabalho é apresentar uma leitura de aproximação temática e representações da linguagem entre o romance O Idiota (1869), de Fiódor Dostoievski e o romance Macau (1934), de Aurélio Pinheiro. O Idiota está situado no contexto do realismo russo, no século XIX e Macau no contexto da literatura brasileira, produzida na década de 30 do século passado. Com pluralidade de diálogos instaurados na organização dos enredos, observamos lugares de falas que representam grupos sociais, seus costumes e como se relacionam. Essa multiplicidade discursiva revela as tensões de uma sociedade, a coexistência simultânea de múltiplos sistemas ideológicos, o jogo de interesse político e de poder, ou seja, um microcosmo da linguagem que reflete um macrocosmo da sociedade.  Na análise, abordamos a temática do poder, as relações sociais, as relações afetivas e, ao mesmo tempo, como alguns personagens encontraram resistência diante de suas ambiciosas ações. As reflexões apresentadas foram elaboradas a partir das concepções do teórico russo Mikhail Bakhtin ao defender que o romance é um gênero esteticamente acabado, mas que sua recepção está aberta a possíveis atualizações, fazendo assim o leitor cocriador. Nessa escrita, foi possível perceber que as tensões da linguagem, nos artifícios que as narrativas apresentam, a partir das ideias do filósofo Mikhail Bakhtin, denunciam tensões sociais que refletem os conflitos marcados por personagens arquétipos, as quais são reveladoras dos espaços em que se passam as narrativas.

Biografia do Autor

Maria Aparecida Almeida Rego, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Professora da Rede Pública do Estado do Rio Grande do Norte. Doutoranda em Literatura Comparada pelo Programa de Pós-graduação em Estudos da Linguagem - PPGEL/UFRN.

Derivaldo dos Santos, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Professor de Literatura Brasileira do Departamento de Letras UFRN; Professor do Programa de Pós-graduação em Estudos da Linguagem - PPGEL/UFRN.

Referências

BAKHTIN, Mikhail. Problemas da poética de Dostoievski. Trad. Paulo Bezerra. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1997.

______. O problema da forma. In: BAKHTIN, Mikhail. Questões de literatura e de estética: a teoria do romance. Tradução de Aurora Fornoni Bernardini [et al.]. São Paulo: Editora da UNESP; Hucitec, 2010, p. 57-70.

______. O falante no romance. In: BAKHTIN, Mikhail. Teoria do romance I: a estilística. Tradução, prefácio, notas e glossário de Paulo Bezerra; organização da edição russa de Serguei Botcharov e Vadim Kójinov. São Paulo: Editora 34, 2015, p. 123-166.

______. A ciência da literatura hoje. In: BAKHTIN, Mikhail. Notas sobre literatura, cultura e ciências humanas. Organização, tradução, posfácio e notas de Paulo Bezerra; notas da edição russa de Serguei Botcharov. São Paulo: Editora 34, 2017a, p. 9-20.

______. Fragmentos dos anos 1970-1971. In: BAKHTIN, Mikhail. Notas sobre literatura, cultura e ciências humanas. Organização, tradução, posfácio e notas de Paulo Bezerra; notas da edição russa de Serguei Botcharov. São Paulo: Editora 34, 2017b, p. 21-56.

BEZERRA, Paulo. O dinheiro na obra de Dostoievski. In: DOSTOIEVSKI, Fiódor. O Idiota. 3. ed. São Paulo: ed. 34, 2012, p. 14-15.

DAMATTA, Roberto. Teoria e Pratica do “sabe com quem está falando?” In: DAMATTA, Roberto. Carnavais, malandros e heróis. 6. ed. Rio de Janeiro: Rocco, 1997. p. 187-238.

DOSTOIEVSKI, Fiódor. O Idiota. Tradução de Paulo Bezerra, 3ª ed. São Paulo: ed. 34, 2012.

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Dicionário da Língua Portuguesa. 6ª ed. Curitiba: Posigraf, 2004.

LUKÁCS, Georg. História e consciência de classe. Estudo sobre a dialética marxista. Trad. Rodnei Nascimento. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

PINHEIRO, Aurélio Waldemiro. Macau. Natal: Edufrn, 2000.

Publicado

2020-10-05

Edição

Seção

Outros lugares