O canto da Sueli: análise de um discurso dissidente em luta antimanicomial

Autores

Palavras-chave:

Estudos Críticos do Discurso, poder-saber e resistência, reforma psiquiátrica.

Resumo

Neste artigo, objetivamos investigar a maneira como a dissidência é materializada na tessitura textual-discursiva de um canto produzido por Sueli Rezende, paciente do Hospital Colônia de Barbacena (MG), instituição psiquiátrica estatal do século XIX. Partindo da análise sociocognitiva dos Estudos Críticos do Discurso, proposta por Teun A. van Dijk — perspectiva multidisciplinar que se ocupa em investigar formas de abuso de poder e dissidência, fazemos interlocuções com a discussão sobre as correlações de poder em Michel Foucault e com a luta antimanicomial cunhada por Franco Basaglia. Como orientação metodológica, trata-se de uma pesquisa qualitativa de análise interpretativista, na qual percorremos o seguinte caminho: (1) pré-análise do corpus, disponibilizado por Daniela Arbex (2013); (2) eleição das categorias definitivas do estudo; (3) análise detalhada dos dados. A investigação revela que o canto se configura como um discurso antipsiquiátrico que resiste a um poder abusivo, delineado em práticas institucionalizadas de violência no cotidiano hospitalar. Ele denuncia a falta de compaixão, o cárcere, a eliminação da espontaneidade, a exploração de mão-de-obra, a indignidade dos alimentos e o vigiar punitivo, como comprovam as marcas das seguintes categorias linguísticas: expressões referenciais, operadores argumentativos, elementos retóricos como a hipérbole e paralelismos, além dos conectivos que estabelecem coesão, progressão temática e coerência (local e global) no discurso. Concluímos que, no Colônia, mesmo em meio à opressão, o poder caminha paripassu com a resistência, conditio cine qua non para a mudança social.

Biografia do Autor

Marildo de Oliveira Lopes, Universidade Federal da Bahia - UFBA

Doutorando no Programa de Pós-graduação em Língua e Cultura (PPGLinc) da Universidade Federal da Bahia (UFBA).

Everaldo dos Santos Mendes, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio).

Pós-doutorando e Doutor em Teologia: Teologia Sistemático-pastoral pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro — PUC-Rio. Reitor do Instituto Edith Theresa Hedwing Stein — ISTEIN. Docente da Faculdade de Ciências Educacionais Capim Grosso — FCG

Referências

APOTHÉLOZ, D. Papel e funcionamento da anáfora na dinâmica textual. In: CALVACANTE, M. M., RODRIGUES, B. B., CIULA, A. (orgs.). Referenciação. São Paulo: Contexto, 2003.

ARBEX, D. Holocausto Brasileiro: Genocídio — 60 mil mortos no maior hospício do Brasil. São Paulo: Geração, 2013.

ASSIS, M. de. O Alienista. Campinas, SP: UNICAMP, 2007.

BAKHTIN, M. Marxismo e filosofia da linguagem. 12ª Edição. São Paulo: Hucitec, 2006.

BARRETO, L. Diário do Hospício: o cemitério dos vivos. São Paulo: Companhia das Letras, 2017.

BASAGLIA, F. Psiquiatria alternativa: contra o pessimismo da razão, o otimismo da prática. Trad. Sonia Soianesi e Maria Celeste Marcondes. São Paulo: Brasil Debates, 1982.

_____. A instituição negada: relato de um hospital psiquiátrico. Trad. Heloisa Jahn. 3. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1985.

BEZERRA, E. A trinca do Curvelo: Manuel Bandeira, Ribeiro Couto e Nise da Silveira. Rio de Janeiro: Topbooks, 1995.

BRUM, E. Prefácio: os loucos somos nós. In: ______. ARBEX, D. Holocausto Brasileiro: Genocídio — 60 mil mortos no maior hospício do Brasil. São Paulo: Geração, 2013.

CAVALCANTE, M. M. Os sentidos do texto. São Paulo: Contexto, 2014.

Dias, L.F.; ZATTAR, N. B. S. O funcionamento do vocativo: uma abordagem da enunciação. Domínios de Lingu@gem, v. 11, p. 1136-1151, 2017.

DUCROT, O. O dizer e o dito. Rev. Téc. Trad. GUIMARÃES, E. Campinas, SP: Pontes, 1987.

FOUCAULT, M. Nascimento da biopolítica: Curso dado no Collège de France (1978-1979/2008). São Paulo: Martins Fontes.

_____. A Microfísica do Poder. Organização e Tradução, Roberto Machado. Rio de Janeiro, Graal, 22 ed. 2006.

_____. Vigiar e Punir: História da Violência Nas Prisões. Tradução de Raquel Ramalhete; Petrópoles, Editora Vozes.26 ed. 2002.

KIRSCHBAUN, D. I. R. Análise histórica das práticas de enfermagem no campo da assistência psiquiátrica no Brasil, no período compreendido entre as décadas de 20 e 50. Rev. Latino-Am. Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 5, n. spe, p. 19-30, May 1997. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-11691997000500003&lng=en&nrm=iso>. Acesso em 29 de jun. de 2020.

KOCH, I. V. Desvendando os segredos do texto. - 6.ed. - São Paulo: Cortez, 2009.

_____ . Argumentação e linguagem. São Paulo: Cortez, 2011.

_____; ELIAS, V. M. Escrever e argumentar. São Paulo: Contexto, 2016, 240 p.

LOMBROSO, C. O homem delinquente. Trad. Sebastião José Roque. São Paulo: Ícone, 2016 (Coleção Fundamentos de Direito).

MENDES, E. S. O Estado em Edith Stein: uma reflexão onto-teológico-política da “comunidade estatal” na contemporaneidade. 2020. 614 f. Tese (Doutorado em Teologia). Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro — PUC-Rio, Rio de Janeiro (RJ).

MOLOGNONI, A. Trem de doido. São Paulo: Cartola, 2020.

REZENDE, S. Ô seu Manoel, tenha compaixão. In: _____. ARBEX, D. Holocausto Brasileiro: Genocídio — 60 mil mortos no maior hospício do Brasil. São Paulo: Geração, 2013.

ROSA, J. G. Primeiras estórias. Rio de Janeiro: José Olympio, 1962.

_____. Grande sertão: veredas. 19. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2001.

ROTTERDAM, E. de. Elogio da Loucura. Trad. Paulo M. de Oliveira. São Paulo: EDIPRO, 2015.

SAUSSURE, F. Curso de Linguística Geral. 27. ed. São Paulo: Cultrix, 2006.

SHAKESPEARE, W. A Tragédia de Hamlet, Príncipe da Dinamarca. Trad. Lawrence Flores Pereira. São Paulo: Penguin Classics Companhia das Letras, 2015.

STEIN, E. Essere finito e essere eterno: per una elevazione al senso dell’essere. Trad. Ângela Ales Bello. Roma: Città Nuova, 1999.

Publicado

2021-04-03