UMA ANÁLISE DISCURSIVA DO MANY FESTO MILLORIANO: A BARREIRA ARTÍSTICA-INTELECTUAL CONTRA O AVANÇO DO ESTABLISHMENT

Autores

Palavras-chave:

Millôr Fernandes, dialogismo, ideologia

Resumo

O Pasquim foi um tabloide semanal alternativo criado no período da Ditadura Militar justamente no intuito de combater, por intermédio do humor e da ironia, não só o autoritarismo estatal – representado mormente pelo Ato Institucional nº5 – mas também o espírito tradicionalista de parte da sociedade burguesa brasileira e as ideologias oficiais do período. Um dos seus principais colab­­­oradores, Millôr Fernandes, produziu diversas crônicas humorísticas imbuídas de uma ironia pungente. Propõe-se nesse sentido, a compreensão do discurso milloriano com fulcro no referencial dialógico discursivo proposto pelo Círculo de Bakhtin, aplicando ao seu discurso o conceito de dialogismo. Objetiva-se, desse modo, analisar dialogicamente a crônica intitulada Many Festo, de maneira a poder compreender como se dá sua dialogicidade constitutiva, desvelando como se constrói ideológica e axiologicamente enquanto enunciado, evidenciando as vozes latentes e semilatentes nele presentes. Para tanto, utiliza-se do método bibliográfico, posto que são pesquisadas obras escritas de Mikhail Bakhtin e de seus comentadores, além da própria crônica milloriana, objeto do artigo. Destarte, a reflexão realizada no trabalho oportuniza compreender como, e em que sentido, a análise discursiva com fulcro no referencial teórico desenvolvido por Bakhtin contribui para o entendimento do enunciado milloriano como uma verdadeira arena profundamente dialógica em que se auscultam vozes ideologicamente opostas e saturadas de valores contrários.

Biografia do Autor

Eduardo Vieira Carvalho, Uni-FACEF Centro Universitário Municipal de Franca

Área: Letras; Linguística; Análise do Discurso. 

Bolsista CNPq

Ana Lúcia Furquim Campos-Toscano, Uni-FACEF Centro Universitário Municipal de Franca

Professora Doutora de Linguística e Língua Portuguesa e chefe de departamento do curso de Letras do Uni-FACEF

Referências

BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. Introdução e tradução do russo Paulo Bezerra. 6. ed. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2011.

. Problemas da poética de Dostoiévski. Tradução direta do russo, notas e prefácio de Paulo Bezerra. 5. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2018.

. Questões de literatura e de estética: a teoria do romance; tradução de Aurora Fornoni Bernardini...[et. All]. 7.ed. São Paulo: Hucitec, 2014.

BRASIL, Bruno. A breve história e a caracterização d’O Pasquim. Publicações Seriadas da Fundação Biblioteca Nacional. n.6, 2012, p.159-176.

BRASIL, Daniel. Ambrose Bierce, o amargo. Disponível em: https://aterraeredonda.com.br/ambrose-bierce-o-amargo/. Acesso em 29 de jun. de 2020.

BRAIT, Beth. Estilo. In: (Org.). Bakhtin: conceitos-chave. 5. ed. São Paulo: Contexto, 2012. p. 79-102.

CAMPOS-TOSCANO, Ana Lúcia Furquim. O percurso dos gêneros do discurso publicitário: considerações sobre as propagandas da Coca-cola. 2008. 206 f. Tese (doutorado) - Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências e Letras de Araraquara, 2008.

FARACO, Carlos Alberto. Linguagem & diálogo: as ideias linguísticas do círculo de Bakhtin. São Paulo: Parábola, 2009.

FERNANDES, Millôr. Many Festo. In: . Millôr no Pasquim. São Paulo: Círculo do livro, 1977.

FIORIN, José Luiz. Introdução ao pensamento de Bakhtin. São Paulo: Ática, 2006.

HYPENESS. O Pasquim: jornal de humor que desafiou a ditadura ganha exposição em SP ao completar 50 anos. Disponível em: https://www.hypeness.com.br/2019/12/o-pasquim-a-incrivel-historia-do-jornal-de-humor-que-desafiou-a-ditadura-e-ganha-exposicao-em-sp-ao-completar-50-anos/. Acesso em 29 de jun. de 2020

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. Manifesto Comunista. São Paulo: Boitempo, 2010.

REVISTA Espaço Acadêmico 2019. Disponível em: https://espacoacademico.wordpress.com/2017/04/26/cinco-anos-sem-millor-fernandes/. Acesso em: 29 de jun. de 2020.

Publicado

2021-04-03