O deslocamento do eu no conto “No seu pescoço”, de Chimamanda Ngozi Adichie

Autores

Palavras-chave:

Deslocamento, migração, hospitalidade, regresso.

Resumo

O nosso objetivo é examinar o alcance dos abalos identitários da personagem do conto “No seu pescoço” (2017), da escritora nigeriana Chimamanda N. Adichie, a partir do movimento de deslocamento migratório. Para tanto, analisamos o processo de composição narrativa a partir do movimento marcado pelo percurso da personagem Akunna e pela voz narrativa, ambas portadoras da experiência equivalente à experiência do sujeito contemporâneo, fraturado, em movência e fragmentação. Se a nação é o centro geográfico a partir do qual os sujeitos se reconhecem e constroem suas identidades, frequentemente a vivência do migrante altera a percepção desse “chez soi” e enfraquece a posição da nação imaginada. Vivendo em regime migratório, uma jovem se muda de sua terra natal na Nigéria para viver nos EUA e logo passa a enfrentar o modo precário da cidade e seus códigos, na condição de migrante exposta à experiência do estrangeiro. Nas relações do eu da personagem com o outro entrevê-se a situação do sujeito contemporâneo e vice-versa. Alguns autores em especial colaboram na construção desta leitura, como Néstor Canclini (2001), Homi Bahbha (1998), Eduardo Viveiros de Castro (2012), Stuart Hall (2011) e Jacques Derrida (2000).

Biografia do Autor

Paulo Eduardo Benites de Moraes, Universidade Federal de Rondônia (UNIR)

Licenciado em Letras Língua Portuguesa/Língua Inglesa e respectivas Literaturas pela Universidade Católica Dom Bosco. Mestre em Estudos de Linguagens e Doutor em Letras/Estudos Literários pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Professor do quadro efetivo no Departamento de Línguas Estrangeiras (DLE) da Universidade Federal de Rondônia e Professor permanente do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu Mestrado Acadêmico em Estudos Literários da mesma instituição. Realiza pesquisas na área de Teoria Literária e Estudos Comparados, atuando principalmente nos seguintes temas: Manoel de Barros; poéticas modernas e contemporâneas; literatura, filosofia, outras poéticas, outras alteridades e formação de professores. Atualmente desenvolve estágio de Pós-Doutorado junto ao Programa de Pós-Graduação Mestrado e Doutorado em Desenvolvimento Local da Universidade Católica Dom Bosco com pesquisa na área de Literatura, Desenvolvimento e Hospitalidade. É líder do Grupo de Pesquisa em Poéticas Moderna e Contemporânea (UNIR/CNPq) e pesquisador vinculado ao Laboratório de Humanidades (Labuh/CNPq) da Universidade Católica Dom Bosco.

Heloisa Helena Siqueira Correia, Universidade Federal de Rondônia (UNIR)

Graduada em Filosofia pela UNESP- Campus de Marília, Doutora em Teoria e História Literária pela UNICAMP, Docente do Departamento Acadêmico de Letras Vernáculas, Programa de Mestrado em Estudos Literários e Mestrado em Filosofia da Universidade Federal de Rondônia-UNIR. Membro do Grupo de Pesquisa em Estudos Literários-UNIR e do GT da ANPOLL ?Vertentes do insólito ficcional?. É leitora e pesquisadora da obra de Jorge Luis Borges desde 1995. Atualmente também desenvolve pesquisa sobre narrativas indígenas amazônicas e obras de literatura da/na Amazônia. Volta atenção, ainda, aos textos em que o pensamento ameríndio se desdobra na direção da construção de novas epistemologias e produções, e na direção da defesa do meio ambiente. E estuda textos em que o insólito literário ocorre de modo múltiplo, dando morada a personagens monstruosas e extraordinárias.

Referências

ADICHIE, Chimamanda N. No seu pescoço. Trad. Júlia Romeu. São Paulo: Companhia das Letras, 2017.

BHABHA, Homi. O local da cultura. Belo Horizonte: UFMG, 1998.

CANCLINI, Néstor García. Narrar o multiculturalismo. In: ______Consumidores e Cidadãos: conflitos multiculturais da globalização. Rio de Janeiro: UFRJ, 4.ª ed., 2001, p. 143 a 160

EAGLETON, Terry. Depois da teoria. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 2005.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. 11. ed. Rio de janeiro: DP&A, 2011.

LOPES, Denílson. Notas sobre crítica e paisagens transculturais. Cadernos de Estudos Culturais: crítica contemporânea, Campo Grande, MS, UFMS, v. 1, n. 3, p. 21-28, jan./jun. 2010.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. Metafisicas Canibais. São Paulo: Cosac Naift, 2012.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. Perspectival anthropology and the method of controlled equivocation. Tipití (Journal of the Society for the Anthropology of Lowland South America), 2(1), 2004. pp. 3 - 22.

Publicado

2020-10-05