QUEM NASCE EM BACURAU É O QUÊ? A CONSTRUÇÃO DO CORPO POLIFÔNICO PELO CORO DE VOZES NORDESTINAS

Autores

Palavras-chave:

corpo polifônico, bacurau, polifonia.

Resumo

Neste trabalho, propomo-nos a discutir a construção do corpo polifônico na obra cinematográfica Bacurau, do diretor Kleber Mendonça Filho, a partir do embate entre as personagens Tony Jr. e Lunga. No longa, é evidente que nenhuma das personagens ocupa o local de protagonismo, antes, o coro das vozes que formam, constroem, conjuntamente e de forma equipotente, os sentidos em torno do vilarejo em que vivem no sertão pernambucano, delineando, assim, o verdadeiro protagonista da trama: o vilarejo Bacurau. Desse modo, a partir dos estudos de polifonia, categoria estudada por Bakhtin e de outros postulados advindos do Círculo de Bakhtin, evidencia-se aqui os traços polifônicos que atravessam Bacurau, seja na construção do vilarejo como espaço propício para a circulação de vozes equipotentes, seja pelos corpos polifônicos que proferem essas vozes. A busca pelos indícios polifônicos se deu a partir de uma perspectiva qualitativa pelo método indiciário. 

 

Biografia do Autor

Juan dos Santos Silva, UFRN/Doutorando em estudos da linguagem

Doutorando em estudos da Linguagem na linha de pesquisa Estudo de Práticas discursivas do Programa de Pós-Graduação em Estudos da Linguagem (Ppgel - UFRN) e mestre pela mesma instituição. Atuou como professor substituto do Instituto Federal de Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN), lecionando a disciplina de Língua Portuguesa para o ensino médio técnico-integrado nos cursos de Alimentos, Informática e Manutenção e Suporte à Informática. Integrou grupos de pesquisa e extensão na mesma instituição. Filiado ao GEBAK (Grupo de Estudos Bakhtinianos) tem experiência na área de Linguística Aplicada, com ênfase em estudos da linguagem a partir das reflexões do Círculo de Bakhtin, atuando, principalmente, nos seguintes temas: gêneros discursivos, literatura best-seller, identidade inacabada, juventude e ensino de língua portuguesa.

Maria da Penha Casado Alves, UFRN/Ppgel-UFRN

Possui Mestrado em Estudos da Linguagem pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (1996) e Doutorado em Comunicação e Semiótica pela PUC de São Paulo. Pós-doutorado em Linguística Aplicada na UNICAMP sob a supervisão da Profa. Dra. Roxane Rojo. É Professora Associada da área de Língua Portuguesa do Departamento de Letras. Atua na Graduação e na Pós-graduação no Programa de Estudos da Linguagem da UFRN e coordena nacionalmente o Mestrado Profissional em Letras-ProfLetras. É Líder do Grupo de Pesquisa "Práticas Discursivas na Contemporaneidade" e pesquisadora do GED da UNESP. Tem experiência na área de Linguística Aplicada, atuando, principalmente, nos seguintes temas: gêneros do discurso, ensino de Língua Portuguesa, leitura, escrita, gêneros discursivos, enunciados estéticos, Frida Kahlo, tendo como referência os pressupostos teóricos do Círculo de Bakhtin.

Referências

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. 6. ed. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2011.

____. Problemas da Poética de Dostoievski. 5. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2015.

BAUMAN, Z. Confiança e medo na cidade. São Paulo: Zahar, 2009.

BEZERRA, P. Polifonia. In: BRAITH, B. (Org.). Bakhtin: conceitos chave. São Paulo: Contexto, 2005.

BENTES, Ivana. Bacurau e a síntese do Brasil Brutal. CULT Online, São Paulo, 29 ago. 2019. Disponível em https://revistacult.uol.com.br/home/bacurau-kleber-mendonca-filho/. Acesso em 10 mai. 2020.

BEZERRA, Paulo. Uma obra à prova do tempo. In: Problemas da poética de Dostoiévski. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2015.

BUTLER, J. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. 12. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2016.

CANEVACCI, M. A cidade polifônica: ensaio sobre a antropologia da comunicação urbana. São Paulo: Studio Nobel, 2004.

____. A comunicação entre corpos e metrópoles. Signos do consumo, São Paulo, n. 1, p.8-20, 2009.

COSTA, M.R.M. O corpo polifônico: um estudo interdisciplinar entre a semiótica e a filosofia bakhtiniana. Lumen et Virtus, Florianópolis, n. 12, p.115-134, 2015.

LOURO, G. L. O corpo educado: pedagogias da sexualidade. 3. ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2016a.

MORSON, G.; EMERSON, C. Mikhail Bakhtin: criação de uma prosaística. São Paulo: Edusp, 2008.

Publicado

2021-04-03