Um lugar de violência: perspectiva dialógica do corpo em The Handmaid’s Tale

Autores

Palavras-chave:

Corpo, Estudos Bakhtinianos, Mulher

Resumo

Neste artigo apresenta-se uma análise do corpo da mulher-aia na série The Handmaid’s Tale (2017), em cotejo com o quadro Meu Nascimento (1932), de Frida Kahlo. O método é bakhtiniano e o objetivo é entender como o corpo da mulher é violentado pelo e no regime patriarcal e teocrático da série. A série demonstra como o corpo feminino é coisificado, calcada nos argumentos biológicos e religiosos que Beauvoir considera sustentáculos do patriarcado, ainda que tente apresentar uma posição de resistência. A fundamentação teórica subsidia a análise, especialmente as concepções de linguagem, sujeito, enunciado, dialogia, vozes sociais, reflexo e refração, forças centrípetas e centrífugas, superestrutura e infraestrutura. A justificativa se volta à necessidade e urgência de se falar sobre a axiologia imputada à mulher num enunciado estético que reflete e refrata o sistema patriarcal historicamente constituído e hegemonicamente marcado. O estudo sobre a série, junto do cotejo utilizado, é essencial para se pensar a resistência da mulher. Esta análise contribui para a propagação do conceito de verbivocovisualidade estudado por Paula a partir do Círculo russo, como um desdobramento da teoria que inova a abordagem de enunciados multimodais e alarga o entendimento das concepções bakhtinianas na atualidade. Os resultados revelam o quanto a luta das mulheres por igualdade e respeito é desigual e injusta, dada a diferença de forças (centrípetas e centrífugas) que constituem o jogo de poder de manutenção sistêmica e, por isso mesmo, fundamental se se quer alterar as condições da mulher e das relações sociais e de gênero existentes.

Biografia do Autor

Luciane de Paula, UNESP - Universidade Estadual Paulista

Docente da UNESP - Universidade Estadual Paulista, lotada no Departamento de Estudos Linguísticos, Literários e da Educação - DELLE,  Câmpus de Assis, credenciada no Programa de Pós-graduação em Linguística e Língua Portuguesa, Câmpus de Araraquara e no Programa de Mestrado Profissional em Letras - ProfLetras. Líder do GED - Grupo de Estudos Discursivos. Área de atuação: Análise Dialógica do Discurso - Estudos Bakhtinianos.

Rafaela dos Santos Batista, UNESP - Universidade Estadual Paulista

Estudante do curso de Letras na UNESP - FCL Assis. Bolsista PIBIC-CNPq. Integrante do GED - Grupo de Estudos Discursivos.

Referências

BADINTER, E. Um amor conquistado: o mito do amor materno. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985.

BAKHTIN, M. Discurso na vida e discurso na arte – sobre a poética sociológica. Tradução para uso didático, com base na tradução inglesa: VOLOSHINOV, V. N. Discourse in life and discourse in art – concerning sociological poetics, in: Freudism. Nova York: Academic Press, 1976. Mimeo, s/d.

BAKHTIN. M. Estética da Criação Verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

BAKHTIN. M. Para uma filosofia do ato responsável. São Carlos: Pedro e João, 2010.

BAKHTIN. M. (1975). Questões de Literatura e de Estética. São Paulo: UNESP, 1988.

BAKHTIN, M. Cultura popular na Idade Média e no Renascimento – o contexto de François Rabelais. São Paulo: Hucitec, 2008.

BEAUVOIR, S. 1908-1986. O Segundo Sexo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2009. 2v.

BÍBLIA, A. T. Gênesis. In Bíblia Sagrada Edição Pastoral. Brasília, 1991.

DAVIS, A. Mulheres, raça e classe. São Paulo: Boitempo, 2016.

FARACO, C. A. Linguagem e diálogo: as ideias linguísticas do Círculo de Bakhtin. São Paulo: Parábola, 2009.

FREUD, S. O mal-estar na civilização e outros textos. São Paulo: Cia das Letras, 2010.

KAHLO, F. Meu Nascimento. Óleo sobre metal. 30 x 53 cm. Estados Unidos: Coleção Particular, 1932.

MEDVIÉDEV, P. N. O método formal nos estudos literários: introdução crítica a uma poética sociológica. São Paulo: Contexto, 2012.

PAULA, L. de. O enunciado verbivocovisual de animação: a valoração do “Amor Verdadeiro” Disney – uma análise de Frozen. In: FERNANDES Jr., A.; STAFUZZA, G. B. (Org.). Discursividades contemporâneas: política, corpo, diálogo. Campinas: Mercado de Letras, 2017a, p. 287 – 314.

PAULA, L. de. Verbivocovisualidade: uma abordagem bakhtiniana tridimensional da linguagem. Projeto de Pesquisa em andamento. Assis: UNESP, 2017b. Mimeo, s/d.

PAULA, L.; SERNI, N. M. A vida na arte: a verbivocovisualidade do gênero filme musical. In: Raído, Dourados, v. 11, n. 25, p. 178-201, jul. 2017c.

PAULA, L. de; LUCIANO, J. A. R. Filosofia da Linguagem Bakhtiniana: concepção verbivocovisual. Revista Diálogos. Cuiabá, 2020a, no prelo.

PAULA, L. de; LUCIANO, J. A. R. Recepçôes do pensamento bakhtiniano no ocidente: a verbivocovisualidade no brasil. In: JÚNIOR, A. B.; BARBOSA, T. S. I colóquio do campo discursivo. Campinas: Pontes, 2020b, no prelo.

PAULA, L. de; LUCIANO, J. A. R. A tridimensionalidade verbivocovisual da linguagem bakhtiniana. Linha D’Água. São Paulo, 2020c, no prelo.

SAFFIOTI, H. O poder do macho. São Paulo: Moderna, 1987.

STUDART, H. Mulher. Objeto de cama e mesa. Rio de Janeiro: Vozes, 1974.

STUDART, H. Mulher, a quem pertence teu corpo? Uma reflexão sobre a sexualidade. Rio de Janeiro: Vozes, 1990.

VOLOCHÍNOV, V. A Construção da Enunciação e Outros Ensaios. São Carlos: Pedro & João, 2013.

VOLOCHÍNOV, V. Marxismo e filosofia da linguagem. Problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. Rio de Janeiro: 34, 2017.

Filmografia

THE HANDMAID'S TALE. Direção: Reed Morano, Mike Barker, Kate Dennis, Floria Sigismondi, Kari Skogland. Estados Unidos: Hulu, 2017.

Publicado

2021-04-03