VACAS PROFANAS: ALTERIDADE E VALORAÇÃO COM/PELO CORPO FEMININO NO CARNAVAL DO RECIFE

Autores

  • Alixandra Guedes R. de Medeiros e Oliveira Universidade Federal da Paraíba
  • Maria de Fátima Almeida Universidade Federal da Paraíba, UFPB, Brasil.

Palavras-chave:

Mulher, NOtícias, Valoração

Resumo

Por todo o transcurso da história da humanidade, ao gênero feminino foi atribuído o papel de procriar, cuidar do lar e contribuir financeiramente para a estabilidade da família, por meio de jornada dupla, ou tripla, de trabalho. A mulher existe, desse maneira, submissa ao gênero masculino que, por sua vez, é enaltecido pela sociedade machista e misógina. A partir de diversos movimentos sociais, a exemplo das lutas libertárias da década de 1960, o sujeito mulher passa a reivindicar os espaços sociais, constituindo-se na valoração oriunda do processo de alteridade. Exemplo recente da luta das mulheres por respeito à sua existência foi realizado pelas integrantes do bloco carnavalesco “Vacas profanas”, durante o período de carnaval, desde o ano de 2015, em que as participantes brincam o carnaval com os seios à mostra ou com o tapa-tetas. A partir desse panorama, tencionamos investigar as várias vozes constituintes do discurso jornalístico e como o processo de dialogismo aponta para a (possível) constituição da valoração e da alteridade do sujeito mulher. Formam o conjunto de dados de nossa análise quatro títulos de notícias on-line, oriundas de portais nacionais e estaduais, todos referentes ao carnaval ocorrido no mês de fevereiro, do corrente ano, na cidade de Recife (PE) e, para tanto, buscamos apoio na Análise Dialógica do Discurso. Acerca do resultado da análise, identificamos, por meio da premissa dialógica sobre a linguagem, que as notícias selecionadas veiculam vozes estabelecidas socialmente nas mais variadas esferas discursivas. Constatamos, ainda, a evidência do tom valorativo como instrumento de fortalecimento das relações de alteridade que visam à resistência ao preconceito e ao machismo históricos, naturalizados em nossa sociedade.

Biografia do Autor

Alixandra Guedes R. de Medeiros e Oliveira, Universidade Federal da Paraíba

Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Linguística, na Universidade Federal da Paraíba (PROLING/UFPB), com bolsa da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), proc. 88882.182508/2018-01.

Referências

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. Trad. Paulo Bezerra. 5. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

BAKHTIN, M. Para uma filosofia do Ato Responsável. Trad. Valdemir Miotello e Carlos Alberto Faraco. São Carlos: Pedro e João Editores, 2010.

BAKHTIN, M.Os gêneros do discurso. Organização, tradução, posfácio e notas paulo Bezerra. Nota da edição russa de Serguei Batcharov. São Paulo: Editora 34, 2016.

ERBOLATO, Mário L. Técnicas de codificação em jornalismo: redação, captação e edição no jornal diário. 5. ed. São Paulo: Ática, 1991.

FIORIN, José Luiz. Introdução ao pensamento de Bakhtin. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2016.

LAGE, Nilson. Linguagem jornalística. 5. ed. São Paulo: Ática, 1997.

LAGE, Nilson. Ideologia e técnica da notícia. 3. ed. Florianópolis: Insular, 2001.

MACHADO, Irene. Digitalização. Linguagem. Discurso. As mediações dialógicas possíveis. Lumina. Juiz de Fora – Facom/UFJF. v. 4, n. 2. p. 19-48, jul/dez 2001.

VOLOCHÍNOV. V.N. Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. Tradução, notas e glossário de Sheila Grillo e Ekaterina Vólkova Américo. Ensaio introdutório de Sheila Grillo. 1. ed. São Paulo: Editora 34, 2017.

SOBRAL, A. Do dialogismo ao gênero: as bases do pensamento do Círculo de Bakhtin. Campinas - SP: Mercado de Letras, 2009.

Publicado

2021-04-03