A ocorrência de formas verbais imperfectivas de passado no microdomínio funcional da habitualidade: uma análise a partir dos princípios de marcação e de expressividade retórica

Autores

Palavras-chave:

marcação, expressividade retórica, habitualidade.

Resumo

Neste artigo, objetivamos analisar o uso das formas verbais imperfectivas de passado no espanhol oral de Granada, na codificação da função habitual. Para isso, assumimos os pressupostos teóricos dos estudos sobre o funcionalismo, no que tange aos princípios de marcação e de expressividade retórica. Nossos dados provêm de 36 entrevistas do Projeto PRESEEA - Granada. Obtivemos um total de 1.633 dados, sendo que 1.523 desses são de formas do pretérito imperfeito do indicativo e 110 de perífrases. No tocante aos resultados, pudemos verificar que, no microdomínio funcional da habitualidade, os falantes granadinos preferem a forma de pretérito imperfeito do indicativo, a forma menos marcada linguisticamente, nos contextos de uso analisados.

Biografia do Autor

Valdecy Oliveira Pontes, Universidade Federal do Ceará

Possui Licenciatura Plena em Letras Português / Espanhol pela Universidade Federal do Ceará (2006), especialização em Linguística Aplicada pela Faculdade Sete de Setembro (2009), especialização em Educação Religiosa pela Faculdade Unyleya (2019), mestrado em Linguística Aplicada pela Universidade Estadual do Ceará (2009), mestrado em Educação Religiosa pelo SEC (2019), doutorado em Linguística pela Universidade Federal do Ceará (2012) e pós-doutorado em Estudos da Tradução pela Universidade Federal de Santa Catarina (2014). É Professor Adjunto IV na graduação em Letras-Espanhol/ Letras-Português/Espanhol e docente permanente do Programa de Pós-Graduação em Linguística (PPGL) da Universidade Federal do Ceará.

Juliana Liberato Nobre, UFC

Mestra pelo Programa de Pós-Graduação em Linguística da Universidade Federal do Ceará (UFC). Graduada em letras português/espanhol na Universidade Federal do Ceará. Participou como integrante de grupos de estudos como: Grupo de Estudos de Literatura, Tradução e suas Teorias (GELTTE), Pesquisas Sociolinguísticas em Línguas Estrangeiras (SOCIOLIN-LE) e Tradução, Funcionalismo e Ensino (TRAFE), todos da Universidade Federal do Ceará.

Referências

ALBUQUERQUE, Micheline Guelry Silva. O uso do indicativo e de perífrases imperfectivas de passado em memórias literárias produzidas por alunos de escolas públicas brasileiras. Dissertação (Mestrado em Linguística) - Programa de Pós-graduação da Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2015.

COMRIE, Bernard. Aspect: anintroduction to thestudy of verbal aspect and related problems. Cambridge: Cambridge University Press, 1976.

DUBOIS E VOTRE, Sebastião Josué. Análise modular e principios subjacentes do funcionamento linguístico: a procura da essência da linguagem. Rio de Janeiro: UFRJ, 1994.

DUBOIS E VOTRE. A construção da gramática. In: Análise modular e princípios subjacentes do funcionamento linguístico. Niterói: Universidade Federal Fluminense, 2012.

FREITAG, Raquel Meister Ko. A expressão do passado imperfectivo no português: variação/gramaticalização e mudança. Tese (Doutorado em Linguística) - Curso de Pós-graduação em Linguística, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis: UFSC, 2007.

GARCÉS, María Pilar. Las formas verbales en español valores y usos. Madrid: Editorial Verbum, 1997.

GARCÍA FERNÁNDEZ, Luis. El aspecto gramatical en la conjugación. Madrid: Arco/Libros, 1998.

GIVÓN, Talmy. Tense-Aspect-Modality. In: Sintax: a functional-typological introduction. v.1. Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins Publishing Company, 1984. p. 269-320.

GIVÓN, Talmy. Syntax: a functional-typological introduction. v. 2. Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins Publishing Company, 1990.

GIVÓN, Talmy. Functionalism and grammar: a prospectus. University of Oregon, 1991a.

GIVÓN, Talmy. Verbal Inflections: Tense, Aspect, Modality and Negation. In: English Grammar: a functional-based introduction. Vol I e II. Amsterdam/ Philadelphia: John Benjamins Publishing Co, 1995.

GIVÓN, Talmy. Syntax: an introduction. Amsterdam: J. Benjamins, 2001.

GUY, Gregory R.; ZILLES, Ana. Sociolinguística Quantitativa: instrumental de análise. São Paulo: Parábola, 2007.

LABOV, William. Where does the Linguistic variable stop A response to Beatriz Lavandera. Sociolinguistic Working Paper, 44. Texas, 1978.

LABOV, William. Padrões sociolinguísticos. Tradução de M. Bagno, M. M. P. Scherre e C. R. Cardoso. São Paulo: Parábola, 2008[1972].

LENCI, A., BERTINETTO, P.M. Aspects, Adverbs and Events. Habituality vs. Perfectivity. In: HIGGINBOTHAM, J., PIANESI, F., VARZI, A.C. Speaking of Events. Nueva York: Oxford University Press, 2000.

MALDONADO, J.G. El aspecto imperfectivo en inglés: su expresión y función en el texto narrativo. 456 p. Tesis Doctoral de la Universidad Complutense de Madrid, Facultad de Filología, Departamento de Filología Española I, 1992.

MARTÍNEZ-ATIENZA, M. La expresión de la habitualidad en español. In: Ed. L. García Fernández y B. Camus Bergareche. El pretérito imperfecto. Madrid: Gredos, 2004.

MENDES, Ronald Beline. Estar + gerúndio e ter + particípio: aspecto verbal e variação no português. Tese (Doutorado em Linguística) – Programa de Pós-graduação em estudos da linguagem da Universidade Estadual de Campinas, 2005.

MOLLICA, Maria Cecília. Fundamentação teórica: conceituação e delimitação. In: ____; BRAGA, Maria Luiza. Introdução à Sociolinguística: o tratamento da variação. 4. ed. 1. reimp. São Paulo: Contexto, 2012.

MOYA CORRAL, Juan Antonio coord. El español hablado en Granada: Corpus oral para su estudio sociolingüístico. I Nivel de estudios alto, Granada, Editorial Universidad de Granada, 2007.

MOYA CORRAL, Juan Antonio coord. El español hablado en Granada II: Corpus oral para su estudio sociolingüístico. Nivel de estudios medio, Granada, Editorial Universidad de Granada, 2008.

MOYA CORRAL, Juan Antonio coord. El español hablado en Granada III: Corpus oral para su estudio sociolingüístico. Nivel de estudios bajo, Granada, Editorial Universidad de Granada, 2009.

MOUNIN, Georges. Historia de la lingüística desde los orígenes al siglo XX. Madrid: Gredos, 1968.

PONTES, Valdecy de Oliveira. O pretérito imperfeito do indicativo e as perífrases imperfectivas de passado em contos literários escritos em espanhol: um estudo sociofuncionalista. Fortaleza, CE. Tese de doutorado. Universidade Federal do Ceará, 264 p. 2012.

SANKOFF, David; TAGLIAMONTE, Sali A. & SMITH, E. Goldvarb X - A multivariate analysis application. Toronto: Department of Linguistics; Ottawa: Department of Mathematics. 2005.

TRAVAGLIA, Luiz Carlos. O discursivo no uso do pretérito imperfeito do indicativo no Português. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, v.12, p.61-98, 1987.

VENDLER, Zeno. Verbs and Times. In: The philosophical review. Vol. 02, Nº 2. 1957, p. 143- 160.

VENDLER, Zeno. Verbs and Times. In: Linguistics in philosophy. New York: University Press, 1967.

WACHOWICZ, Teresa Cristina. As leituras aspectuais da forma do progressivo do português brasileiro. Tese (Doutorado em Linguística) – Programa de Pós-graduação em Linguística, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2003.

Publicado

2021-04-03