A VIDA POR UM FIO: NARRATIVAS E SIGNIFICAÇÕES DE CRIANÇAS EM TRATAMENTO ONCOLÓGICO

Autores

  • Daniela Barros da Silva Freire Universidade Federal de Mato Grosso. Instituto de Educação. Departamento de Psicologia. Doutora em Educação pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Docente do curso de Psicologia na UFMT e coordenadora do Grupo de Pesquisa em Psicologia da Infância (GPPIN).
  • Claudenilde Lopes dos Santos Universidade Federal de Mato Grosso
  • Gabriel William Lopes Universidade Federal de Mato Grosso

Palavras-chave:

Narrativas Infantis, Desenvolvimento Infantil, Vida e Morte.

Resumo

O presente artigo apresenta resultados das intervenções do subprojeto “A vida por um fio”, desenvolvido no interior do Estágio Básico I: Contextos socioeducativos. O mesmo está vinculado ao projeto de extensão “Rede de Apoio à Infância: Interface com a Psicologia e a Pedagogia”. Tal projeto busca privilegiar a ludicidade e a narrativa enquanto ferramentas psicológicas que podem auxiliar os processos de desenvolvimento e aprendizagem infantil. O objetivo do subprojeto foi o de investigar o sentido da vida e da morte para crianças em tratamento oncológico, levando em consideração a dificuldade dos pais e funcionários de abordar a morte no diálogo com as crianças. O referencial teórico adotado foi a Teoria Histórico Cultural (VIGOTSKI, 2010) em diálogo com a Sociologia da Infância (SARMENTO, 2007; SAYÃO, 2002; CORSARO,2005). Metodologicamente, o estágio foi dividido em dois momentos: observação participante e intervenção. A intervenção privilegiou a narrativa, sendo esta, um dos mecanismos que auxilia o indivíduo no processo de significação da realidade, por meio da qual é possível interpretar a dinâmica social e subjetiva. As narrativas foram produzidas por meio da fala e do ato, do movimento, do desenhar com o fio, utilizando como base uma folha de papel cartão cortada em formato retangular, e um fio de barbante. A abordagem com cada criança ocorreu de forma individual, as entrevistas realizadas foram gravadas e transcritas. As narrativas evidenciaram a posição ativa da criança nas atribuições de sentidos e significados às experiências vivenciadas, a partir de suas crenças religiosas. Todas as narrativas foram consideradas na elaboração de uma narrativa coletiva intitulada: A vida por um fio. Destaca-se os impactos positivos do subprojeto na formação dos acadêmicos de Psicologia.

Biografia do Autor

Daniela Barros da Silva Freire, Universidade Federal de Mato Grosso. Instituto de Educação. Departamento de Psicologia. Doutora em Educação pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Docente do curso de Psicologia na UFMT e coordenadora do Grupo de Pesquisa em Psicologia da Infância (GPPIN).

Universidade Federal de Mato Grosso

Claudenilde Lopes dos Santos, Universidade Federal de Mato Grosso

Universidade Federal de Mato Grosso. Instituto de Educação. Departamento de Psicologia. Discente de Psicologia UFMT e
membro no Grupo de Pesquisa em Psicologia da Infância (GPPIN).

Gabriel William Lopes, Universidade Federal de Mato Grosso

Universidade Federal de Mato Grosso. Instituto de Educação. Departamento de Psicologia. Discente de Psicologia UFMT e
membro no Grupo de Pesquisa em Psicologia da Infância (GPPIN).

Referências

ANDRADE, D.B.S.F. Rede de apoio à Educação Infantil: interfaces com a Psicologia e Pedagogia. Projeto de extensão, 2016.

AQUINO, A. M. D.; De CONTI, L.; & PEDROSA, A. Construções de signifcados acerca do adoecimento e morte nas narrativas de crianças com câncer. Psicologia: reflexão e crítica. Porto Alegre, 2014.

CORSARO, W. A. Entrada no campo, aceitação e natureza da participação nos estudos etnográfcos com crianças pequenas. Educação e sociedade, 2005.

De ARAÚJO, P. V. R.; & VIEIRA, M. J. A questão da morte e do morrer. Revista Brasileira de Enfermagem, 2004.

FREIRE, D. B. S. A.; NIENOW, N. S. Ser visível: sobre o estatuto social das crianças nos contextos de ensino e de pesquisa, 2015.

PINTO, M. A infância como construção social. As crianças: contextos e identidades, 1997.

SARMENTO, M. J. Visibilidade social e estudo da infância. Infância, 2007.

SAYÃO, D. T. Crianças: substantivo plural. Zero-a-Seis, 2002.

VIGOTSKI, L. S. (2010). Quarta aula: a questão do meio na pedologia. Psicologia USP, 2010.

Downloads

Publicado

2019-03-14