Impactos dendrométricos e econômicos de um povoamento de Pinus elliottii submetidos a produção de resina

Authors

  • Bruno de Almeida Lima UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA (UDESC) - Programa de Pós-Graduação em Engenharia Florestal
  • Marcos Felipe Nicoletti UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA (UDESC) - Programa de Pós-Graduação em Engenharia Florestal
  • Thiago Floriani Stepka UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA (UDESC) - Programa de Pós-Graduação em Engenharia Florestal
  • Maycon Thuan Saturnino da Silva Universidade do Paraná (UFPR) -Programa de Pós-graduação em Engenharia Florestal
  • Philipe Ricardo Casemiro Soares

DOI:

10.34062/afs.v8i2.9357

Keywords:

Análise de tronco, Análise econômica, Crescimento florestal, Modelagem. Resinagem

Abstract

O trabalho tem como objetivo verificar a viabilidade econômica da técnica de resinagem e caracterização dendrométrica do diâmetro, altura e volume em povoamento de Pinus elliottii Eng. var elliottii para duas densidades populacionais. Os dados foram coletados num povoamento de Pinus elliottii Eng. var elliottii com área total de 4 hectares, situado no município de Balneário Pinhal, no estado do Rio Grande do Sul. Os 4 hectares foram divididos em duas áreas igualitárias, de acordo com a densidade populacional e as intervenções silviculturais. A técnica de análise de tronco completa (ANATRO) foi utilizada para reconstituição do crescimento e realização de projeções futuras em 30 árvores representativas de cada área. Para isso, coletou-se seis discos por árvore, nas alturas absolutas de 0,1 e 1,3 m e também nas alturas relativas de 25%, 50%, 75% da altura total da árvore (ht) e 100% na altura comercial (diâmetro igual a 8 cm). Para a modelagem de crescimento da área 1 e 2 das variáveis dendrométricas (diâmetro, altura e volume) foi utilizado o modelo de Chapman – Richards. Para estimar o volume e diâmetro de secção foi usado o modelo de afilamento Schöepfer. Para análise econômica foram determiandos 6 cenários e utilizados os métodos VPL, TIR e Razão B/C. Há uma queda na curva de crescimento das árvores resinadas da área 1 e 2 a partir da idade 11. O processo de resinagem provocou redução nas variáveis dentrométricas em comparação com árvores não resinadas. Os cenários com técnica de resinagem obtiveram lucros superiores.

Author Biographies

Bruno de Almeida Lima, UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA (UDESC) - Programa de Pós-Graduação em Engenharia Florestal

Mestrando em Engenharia Florestal - UDESC

Maycon Thuan Saturnino da Silva, Universidade do Paraná (UFPR) -Programa de Pós-graduação em Engenharia Florestal

Programa de Pós-graduação em Engenharia Florestal 

References

Alvares CA, Stape JL, Sentelhas PC, Gonçalves JLM, Sparovek G (2013) Köppen’s climate classification map for Brazil. Meteorologische Zeitschrift, 22(6): 711-728.

ARESB - ASSOCIAÇÃO DOS RESINADORES DO BRASIL. Boletim Informativo Bimestral, São Paulo, n. diversos, 2017.

Berguer R (1980) Análise benefício-custo: instrumento de auxílio para tomada de decisões na empresa florestal. IPEF - Circular Técnica, Piracicaba, n. 97.

Cordeiro SA (2009) Avaliação econômica de floresta de Pinus para produção de madeira e resina. Revista Agrogeoambiental, 1(2): 26-30.

Costa Neto PLO (2002) Estatística. São Paulo: Edgar Blucher.

De Cademartori PHG, Gatto DA, Stangerlin DM, Schneid E, Hamm LG (2012) Qualidade da madeira serrada de Pinus elliottii Engelm. procedente de florestas resinadas. Cerne, 18(4): 577-583.

FERREIRA JPRJ (2001) Análise da cadeia produtiva e estrutura de custos do setor brasileiro de produtos resinosos. Dissertação, Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, Universidade de São Paulo. 120p.

Ferreira LMC (2016) Avaliação da influência da resinagem nas características da madeira. Estudo de alguns parâmetros da atividade resineira. Dissertação, Universidade de Tras-Os-Montes e Alto Douro. 81p.

Figueiredo Filho A, Machado SA, Hosokawa RT (1992) Avaliação econômica da resinagem em florestas de Pinus elliottii engelm. var. elliottii. IPEF - Circular Técnica, Piracicaba, n.45, p.48-63.

Flach FD (2007) Crescimento juvenil da regeneração espontânea de Pinus elliottii Eng. var. elliottii sob níveis de desbaste no litoral norte do Rio Grande do Sul. Dissertação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. 66p.

IBÁ - INDÚSTRIA BRASILEIRA DE ÁRVORES (2019) Relatório anual da IBÁ 2019, ano base 2018. Brasília: IBÁ.

Inoue MT, Figueiredo Filho A, Lima R (2011) Influência do espaço vital de crescimento na altura e diâmetro de Pinus taeda L. Scientia Forestalis, 39(91):337-385.

Garrido MAO, Poz R, Freitas JA, Rocha FT, Gurgel Garrido LMA (1998) Resinagem: Manual Técnico. Instituto Florestal – Secretaria do Meio Ambiente, 23p.

Lima R, Inoue MT, Figueiredo Filho A, Araujo AJ, Macahado SA (2013) Efeito do Espaçamento no Desenvolvimento Volumétrico de Pinus taeda L. Floresta e Ambiente, 20(2): 223-230.

Lima JPC, Leão JRA (2013) Dinâmica de crescimento e distribuição diamétrica de fragmentos de florestas nativa e plantada na Amazônia Sul Ocidental. Floresta e ambiente, 20(1): 70-79.

Neves GA, Martins CA, Mivasava J, Moura AF (2006) Aproveitamento do Pinus resinoso. Revista Madeira, 99.

Rezende JLP, Oliveira AD (2008) Análise Econômica e Social de Projetos Florestais. 2º edição. Viçosa: UFV. 389p.

Rocha DP (2012) Evolução da resinagem de Pinus spp. no Brasil. Monografia, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. 24p.

Rodrigues KCS (2008) Resina de Pinus no Sul do Brasil: Caracterização e Perspectivas. Revista da Madeira: 116.

Streck EV, Kámpf N, Dalmolin RD, Klamt E, Nascimento PC, Schneider P (2002) Solos do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: EMATER/RS(UFRGS). 222p.

Vitale V, Miranda GM (2010) Análise comparativa da viabilidade econômica de plantios de Pinus taeda e Eucalyptus dunnii na região centro-sul do Paraná. Floresta, 40(3): 469-476.

Published

2021-09-01