Fitossociologia de uma Floresta Estacional Decídual em Unaí, MG.

Authors

  • Alessandro Dias Pio Conservação dos Recursos Naturais do Cerrado pelo Instituto Federal Goiano (IF Goiano)
  • Vagner Santiago Vale Universidade Estadual de Goiás http://orcid.org/0000-0003-2155-9156
  • Conrado Martignoni Spínola EcoBrasil Consultoria Ambiental
  • Lilian Cristina da Silva Santos Universidade Estadual de Goiás, Programa de pós-graduação em Produção Vegetal
  • João Paulo Costa Universidade Estadual de Goiás, Programa de pós-graduação em Produção Vegetal
  • Gabriel Venâncio Pereira Mariano Universidade Estadual de Goiás
  • Vanuza Pereira Garcia da Silva Universidade Estadual de Goiás- Engenharia Florestal

DOI:

10.34062/afs.v7i2.8248

Keywords:

Phytossociology, similarity, Seasonal Dry Forest

Abstract

Were performed an arboreal inventory of Deciduous Forests fragments in Unaí-MG through out sampling of 36 plots of 500 m². The plots made contact with others phygsionomioes and some of then were allocated in areas with human use. All trees with circumference at 1,30 of  soil height ≥ 15 cm  were sampled and subsequently the data converted to diameter. The density, frequency, dominance and value of the importance of the species, besides the estimated richness, collector-curve, diametric classes and dendrograms were calculated. Of the 116 species listed, Myracrodruon urundeuva Allemão, Anadenanthera peregrine (L.) Speg., Ficus sp. L. e Senegalia polyphylla (DC.) Britton & Rose had the highest values of importance. The Shannon-Weaver diversity index was 3.53 with 1095.55 ind./ha and 24.88m² / ha of basal area. The results indicate a high floristic-structural heterogeneity due to a relationship with other phytophysiognomies and anthropic pressure. These are the main reasons for an estimated high speed (152 species).

Author Biographies

Alessandro Dias Pio, Conservação dos Recursos Naturais do Cerrado pelo Instituto Federal Goiano (IF Goiano)

Graduado em Ciências Biológicas pelo Centro Universitário de Goiás - Uni-Anhanguera (2009), Mestre em Conservação dos Recursos Naturais do Cerrado pelo Instituto Federal Goiano (IF Goiano) (2018). Tem experiência em estudos de conservação da flora, com ênfase nos biomas Cerrado, Mata Atlântica e Pantanal. Atuando principalmente nos seguintes temas; Cerrado, Floresta Estacional, Florística e Fitossociologia, Reprodução de Mudas Nativas, Recuperação de Áreas Degradadas, uso de Agrominerais na agricultura.

Vagner Santiago Vale, Universidade Estadual de Goiás

Possui graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU - 2005) e mestrado e doutorado em Ecologia e Conservação de Recursos Naturais (UFU - 2008/2012). Atualmente é Professor da Universidade Estadual de Goiás (Ipameri). Tem experiência na área de Inventário Florestal e Ecologia, com ênfase em Ecologia Vegetal e Bioestatistica, atuando principalmente nos seguintes temas: Fitossociologia, Florestas Estacionais, Análises Multivariadas de Dados, Cerrado, Efeito de Borda, Ecologia de Estradas, Diversidade Funcional, Grupos Funcionais, Efeito de Represamento Florestas Nativas e Dinâmica de Comunidades Florestais. Foi vice-coordenador (2016-2017) e coordenador (2018-2019) do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Produção Vegetal

Conrado Martignoni Spínola, EcoBrasil Consultoria Ambiental

Possui graduação em Engenharia Florestal pela Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Universidade de São Paulo (2003) e mestrado em Ecologia Aplicada pela Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Universidade de São Paulo (2008). Atualmente é Gestor de Projetos Ambientais na EcoBrasil Consultoria Ambiental. Tem experiência na área de desenvolvimento de projetos socioambientais, execução no desenvolvimento de programas de monitoramento ambiental e gestão em processos de licenciamento ambiental.

Lilian Cristina da Silva Santos, Universidade Estadual de Goiás, Programa de pós-graduação em Produção Vegetal

Mestre em Produção Vegetal pela Universidade Estadual de Goiás. Bióloga pela Fundação Carmelitana Mário Palmério (FUCAMP) de Monte Carmelo MG, com cinco anos de experiência em identificação de espécies de plantas nativas de Cerrado e florestais, possui também experiência na área de germinação e desenvolvimento de mudas de espécies nativas de Cerrado, Fitossociologia e Inventário Florestal.

João Paulo Costa, Universidade Estadual de Goiás, Programa de pós-graduação em Produção Vegetal

Mestre em Produção Vegetal pela Universidade Estadual de Goiás.

Gabriel Venâncio Pereira Mariano, Universidade Estadual de Goiás

Atualmente é graduando do curso de Engenharia Florestal pela Universidade Estadual de Goiás - Campus Ipameri (2016/2020). É integrante do Laboratório de Inventário Florestal e Ecologia - LIFE, grupo de pesquisa da Universidade Estadual de Goiás. Possui bolsa de Iniciação Científica pelo Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica - PIBIC/UEG com o projeto Efeito de borda no estrato de regeneração e arbóreo em fragmentos florestais ocorrentes em clima sazonal. Tem experiência nas áreas de Inventário Florestal, Levantamento Fitossociológico e Fitofisionomias do Cerrado.

Vanuza Pereira Garcia da Silva, Universidade Estadual de Goiás- Engenharia Florestal

Possui educação técnica em Eletrotécnica pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI-2014/2015). Atualmente é graduanda do curso em Engenharia Florestal pela Universidade Estadual de Goiás - Campus Ipameri (2016/2020). É integrante do grupo de pesquisa LIFE- UEG (Laboratório de Inventário Florestal e Ecologia da Universidade Estadual de Goiás), coordenado pelo professor Dr. Vagner Santiago do Vale e bolsista de Iniciação Científica do CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico), com o projeto de pesquisa "Densidade básica da madeira em espécies nativas do Cerrado". Tem experiência nas áreas de Inventário Florestal, Levantamento Fitossóciologico, Análises Multivariadas de Dados, Cerrado, Diversidade Funcional e Grupos Funcionais.

References

Alvares, CA, Stape JL, Sentelhas PC, Gonçalves, JLM, Sparovek G. Köppen’s climate classification map for Brazil. Meteorologische Zeitschrift 2013; 22 (6): 711-728. https://doi.org/10.1127/0941-2948/2013/0507

Banda-R K, Delgado-Salinas A, Dexter, KG. (2016) Plant diversity patterns in neotropical dry forests and their conservation implications. Science; 353(6306):1383-1387. https://doi.org/10.1126/science.aaf5080

Brower JE, Zar JH. Field & laboratory methods for general ecology. 2nd Edition Iowa: Wm. C. Brown Publishers; 1984.

Choat B, Ball MC, Luly JG, Holtum JAM. (2015) Hydraulic architecture of deciduous and evergreen dry rainforest tree species from north-eastern Australia. Trees-Strucure Functional, 19:305–11. https://doi.org/10.1007/s00468-004-0392-1

Consultoria e Desenvolvimento de Sistemas Ltda – CIENTEC.(1997) Mata Nativa 4: sistema para análise fitossociológica e elaboração de inventários e planos de manejo de florestas nativas [software]. Viçosa.

Corsini CR. (2014) Diversidade e similaridade de fragmentos florestais nativos situados na região nordeste de Minas Gerais. Cerne; 20 (1): 1-10. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-77602014000100001

Colwell, R. K. (2005) EstimateS: Statistical estimation of species richness and shared species form samples. Versão 7.5.

Colwell, R. K.; Coddington, J. A. (1994) Estimating the extent of terrestrial biodiversity through extrapolation. Philosophical Transactions of the Royal Society of London. Series B, Biological Sciences; (345): 101-118. https://doi.org/10.1098/rstb.1994.0091

Felfili JM, Nascimento ART, Fagg CW Meirelles EM. (2007) Floristic composition and community structure of a seasonally deciduous forest on limestone outcrops in Central Brazil. Revista Brasileira de Botânica, 30(4):611-621. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-84042007000400007

Gentry AH. (1995) Diversity and floristic composition of neotropical forest. In: S.H Bullock, H.A. Mooney & E. Medina (eds.) Seasonally dry tropical forest. Cambridge, Cambridge University Press. p. 146-194.

Horn H. (1966) Measurement of "overlap" in comparative ecological studies. The American Naturalist. 100( 914): 419-424. https://doi.org/10.1086/282436

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. Manual técnico da vegetação brasileira. Rio de Janeiro: IBGE; 1992. (Série Manuais Técnicos em Geociências n 1).

Krebs, C. J. (2000) Ecological Methodology. New York: Wesley Longman.

Kilca RV, Schiavini I, Araújo GM, Felfili JM. (2009) Edaphic and structural differences between two seasonal forests in the Cerrado biome. Neotropical Biology and Conservation, 4(3): 150-163. https://doi.org/10.4013/nbc.2009.43.05

Kottek M, Grieser J, Beck C, Rudolf B, Rubel F. (2006) World map of the Köppen-Geiger climate classification updated. Meteorol Z , 15: 259–263. https://doi.org/10.1127/0941-2948/2006/0130.

Lehn CR, Alves FM, Damasceno-Junior, GA. (2008) Florística e fitossociologia de uma área de cerrado sensu stricto na região da borda oeste do Pantanal, Corumbá, MS, Brasil. Pesquisas Botânica, 59:129-142.

Linares-Palomino R, Oliveira-Filho AT, Pennington RT. (2011) Neotropical seasonally dry forests: diversity, endemism, and biogeography of woody plants. In: Dirzo R, Young H.S, Mooney HA, Ceballos G, editors. Seasonally dry tropical forests: ecology and conservation. Washington: Island Press, p. 3-21.

Lopes SF, Schiavini I, Oliveira, Ap, Vale, VS. (2012) An Ecological Comparison of Floristic Composition in Seasonal Semideciduous Forest in Southeast Brazil: Implications for Conservation. Int J For Research, 1-14. http://dx.doi.org/10.1155/2012/537269

Lopes SF, Vale VS,, Prado Júnior JA,.Schiavini I. (2015) Impacts of artificial reservoirs on floristic diversity and plant functional traits in dry forests after 15 years. Braz. J. Biol, 75(3) 548-557. http://dx.doi.org/10.1590/1519-6984.16013

Mendonça RC, Felfili J M, Walter BMT, Silva Júnior MC, Rezende AV, Filgueiras, TS, Nogueira PE. Flora Vascular do Cerrado. In: Sano SM, Almeida SP, editores. (2008) Cerrado: Ecologia e Flora. Planaltina: EMBRAPA-CPAC, p. 289-556.

Miles L, Newton CA, Defries RT, Ravilious C, May I, Blynt S, Kapos V. et al. (2006) A global overview of the conservation status of tropical dry forests. Journal of Biogeography, 33(3): 491-505. https://doi.org/10.1111/j.1365-2699.2005.01424.x

Oliveira AT, Fontes MAL. (2000) Patterns of floristic differentiation among Atlantic forests in southeastern Brazil and the influence of climate. Biotropica, 32: 793-810. https://doi.org/10.1111/j.1744-7429.2000.tb00619.x

Oliveira-Filho AT, Ratter JA. (2002) A study of the origin of central Brazilian forests by the analysis of plant species distribution patterns. Edinburgh Journal of Botany, Edinburgh, 52(1): 141-194. https://doi.org/10.1017/s0960428600000949

Prado DE, Gibbs, PE. (1993) Patterns of species distributions in the dry seasonal forests of South America. Annals of the Missouri Botanical Garden, Saint Louis; 80(4): 902-927. https://doi.org/10.2307/2399937

Ratter JA, Bridgwater S, Ribeiro JF. (2003) Analysis of the floristic composition of the brazilian cerrado vegetation III: Comparison of the woody vegetation of 376 areas. Edinburgh Journal of Botany; 60(1): 57-109. https://doi.org/10.1017/S0960428603000064

Ribeiro JF, Walter BMT. (2008) As principais fitofisionomias do Bioma Cerrado. In: Sano MS, Almeida SP. Cerrado: ecologia e flora. Brasília; Embrapa: p. 153-212.

Scariot A, Sevilha AC. (2000) Diversidade, estrutura e manejo de florestas deciduais e as estratégias de conservação. In: Cavalcanti TB. et al, organizadores. Tópicos atuais em Botânica. Brasília, DF: Sociedade Botânica do Brasil/Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia. p. 183-188.

Siqueira AS, Araújo GM, Schiavini I. (2009) Estrutura do componente arbóreo e características edáficas de dois fragmentos de floresta estacional decidual no vale do rio Araguari, MG, Brasil. Acta Botanica Brasilica; 23(1), 10-21. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-33062009000100003

Sloan S, Jenkins CN, Joppa LN, Gaveau DLA. Laurance, W.F. (2014) Remaining natural vegetation in the global biodiversity hotspots. Biological Conservation; 177: 12-24. https://doi.org/10.1016/j.biocon.2014.05.027

Vale VS, Schiavini I, Araújo GM, Gusson AE, Lopes SF, Oliveira AP, Prado-Júnior JA, Arantes CS, Dias-Neto OC. (2013) Fast changes in seasonal forest communities due to soil moisture increase after damming. International Journal Tropical Biology; 61(4): 1901-1917. https://doi.org/10.15517/rbt.v61i4.12862

Vale VS, Schiavini I, Prado-Júnior JA, Oliveira AP, Gusson AE. (2016) Rapid changes in tree composition and biodiversity: consequences of dams on dry seasonal forests. Revista Chilena de Historia Natural; 88(13): 1-11. http://dx.doi.org/10.1186/S40693-015-0043-5

Yang J, Frank ALS, Pyšek P, Yan P, Nowak D, McBride J. (2015) The compositional similarity of urban forests among the world’s cities is scale dependent. Global Ecology and Biogeography, 24: 1413-1423. https://doi.org/10.1111/geb.12376

Published

2020-06-28