COMPARAÇÃO ENTRE OS BENEFÍCIOS CONCEDIDOS PELA PREVIDÊNCIA SOCIAL BRASILEIRA À POPULAÇÃO RURAL E URBANA

Caroline Estefanie do Amaral Brasil Saraiva, Alice Munz Fernandes, Claussia Neumann da Cunha, Lucas Teixeira Costa

Resumo


O objetivo desse estudo consistiu em comparar o valor dos benefícios fornecidos pela previdência social à população rural e à população urbana do Brasil, nos últimos anos. Também buscou-se comparar os valores totais dos benefícios concedidos aos produtores/trabalhadores rurais conforme a divisão geopolítica do país. Para tanto, empregou-se uma pesquisa quantitativa com dados secundários provenientes do conjunto de Anuários Estatísticos da Previdência Social. Após a atualização dos valores nominais, conforme o Índice de Preço ao Consumidor Amplo, empregaram-se análises estatísticas uni e multivariadas. Por meio de uma sequência de testes t de Student constatou-se que existe diferença estatisticamente significativa nos valores totais das aposentadorias concedidas à população urbana e rural do país, considerando um nível de significância de 5%, apesar do conjunto total de benefícios previdenciários não apresentar diferença. Mediante a realização da análise de variância observou-se também que o valor total dos benefícios fornecidos pela previdência social à população rural nos últimos anos difere entre as regiões do país. Por fim, através do teste Tukey constatou-se que a Região Nordeste difere estatisticamente de todas as demais regiões, o que pode ser explicado por configurar-se como aquela que detém maior proporção da população residindo em áreas rurais.

Palavras-chave


Aposentadoria Rural. Previdência Social Rural. Seguridade Social.

Texto completo:

HTML PDF

Referências


BARROS, V. A. M.; FIÚZA, A. L. C.; PINTO, N. M. A. Habitus of social security in the lifestyles of rural families: the case of the São Miguel do Anta and Piranga municipalities in Zona da Mata Mineira, Brazil. Ciência Rural, v.47, n.6, 2017.

BEZERRA, A. J. A. A agricultura familiar e a universalização dos direitos sociais: estudo sobre a previdência social rural no município de Morro Redondo, Rio Grande do Sul. 2006. Tese. (Doutorado em Agronomia) – Curso de Pós-Graduação em Agronomia, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas – RS. Disponível em: http://capesdw.capes.gov.br/capesdw/resumo.html?idtese=20062942003016010p7. Acesso em 18 ago. 2018.

BOSCHETTI, I. Seguridade social no Brasil: conquistas e limites à sua efetivação. In: Conselho Federal De Serviço Social (CFESS). Associação Brasileira De Ensino E Pesquisa Em Serviço Social (ABEPSS). Serviço Social: direitos sociais e competências profissionais. Brasília: CFESS/ABEPSS, 2009.

BRASIL. Lei Orgânica da Assistência Social nº 7.842, de 7 de dezembro de 1993. Disponível em: Acesso em: 18 ago. 2018.

CALDAS, N. V.; DOS ANJOS, F. S. A Seguridade Social rural como um seguro agrícola: alcances previstos e imprevistos de uma política pública no sul do Brasil. Iberoamericana, IX, 36, p. 57-78, 2009.

CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES NA AGRICULTURA-CONTAG. Previdência Social Rural: Potencialidades e Desafios. Cidade Gráfica. Brasília- DF, jul. 2016.

DALFOVO, M. S.; LANA, R. A.; SILVEIRA, A. Métodos quantitativos e qualitativos: um resgate teórico. Revista Interdisciplinar Científica Aplicada, v. 2, n. 3, p. 1-13, 2008.

DELGADO, G. C. Previdência social e desenvolvimento rural. In: GRISA, C.; SCHNEIDER, S. (Org.). Políticas públicas de desenvolvimento rural no Brasil. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2015.

FACHIN, O. Fundamentos de metodologia. 4. ed. São Paulo: Saraiva, 2003.

FERREIRA, C. R.; SOUZA, S. C. I. As aposentadorias e pensões e a concentração dos rendimentos domiciliares per capita no Brasil e na sua área rural: 1981 a 2003. Revista de Economia Rural, v. 45, n. 4, p. 985-1011, 2007.

FRANÇA, A. S. A Previdência social e a economia dos municípios. 6ª ed. Brasília: ANFIP, 2011.

GALIZA, M.; VALADARES, A. Previdência rural: contextualizando o debate em torno do financiamento e das regras de acesso. Nota Técnica no 25. Brasília: IPEA, 2016.

HAIR JR, J. F.; ANDERSON, R. E.; TATHAM, R. L.; BLACK, W. C. Análise multivariada de dados. 6. ed. Porto Alegre: Bookman, 2009.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Nova proposta de classificação territorial mostra um Brasil menos urbano. 2017. Disponível em: < https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-noticias/2012-agencia-de-noticias/noticias/15007-nova-proposta-de-classificacao-territorial-mostra-um-brasil-menos-urbano.html >. Acesso em 23 ago. 2018.

KRETER, A. C.; BACHA, C. J. C. Avaliação da eqüidade da Previdência no meio rural do Brasil. Revista de Economia e Sociologia Rural, v. 44, n. 03, p. 467-502, 2006.

LACAZ, F. A. C. Precariedade, intensificação do trabalho e saúde do trabalhador: por uma postura anticapitalista das políticas sociais. In: LOURENÇO, E. Â. S. (Org.). Saúde do/a trabalhador/a e Serviço Social: estudos da relação trabalho e saúde no capitalismo contemporâneo. São Paulo: Papel Social, 2016.

LEITE, J. C. F.; SOUZA, K. L. O novo perfil do Nordeste brasileiro no censo demográfico 2010. Fortaleza: Banco do Nordeste do Brasil, 2012.

MARQUES, R. M.; MENDES, Á. O governo Lula e a contrarreforma previdenciária. São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v. 18, n. 3, 2004.

MARÔCO, J. Análise Estatística com o SPSS Statistics. 7. ed. Portugal: Report Number, 2018.

PORTO, R. G.; BEZERRA, A. J. A.; PORTO, V. H. F.; CALDAS, N. V. Pecuária Familiar: a emergência de uma categoria social no Sul do Brasil. Revista de Economia e Sociologia Rural, v. 48, n. 2, p. 473-494, 2010.

RAMOS, M. P.; AREND, S. C. O impacto da reforma da previdência social rural brasileira nos arranjos familiares. Revista Brasileira de Estudos de População, Rio de Janeiro, v. 29, n. 1, p. 67-86, 2012.

RICHARDSON, R. J. Pesquisa social: métodos e técnicas. São Paulo: Atlas, 1999.

SALVADOR, E.; SILVA, M. L. L. Fundo Público e as Medidas Provisórias 664 e 665: a contrarreforma da Previdência em curso. 2015. Disponível em: < http://plataformapoliticasocial.com.br/fundo-publico-e-as-medidas-provisorias-664-e-665-a-contrarreforma-da-previdencia-em-curso/>. Acesso em: 18 ago. 2018.

SALVADOR, E. Crise do Capital e Socorro do Fundo Público. In: BOSCHETTI, I.; BEHRING, E.; SANTOS, S.; MIOTO, R. (Org.). Capitalismo em crise, política social e direitos. São Paulo: Cortez Editora, 2010.

SCHWARZER, H. Impactos Socioeconômicos do Sistema de Aposentadorias Rurais no Brasil: evidências empíricas de um estudo de caso no Estado do Pará. Rio de Janeiro: IPEA, 2000.

SCHWARZER, H.; QUERINO, A. C. Benefícios sociais e pobreza: programas não contributivo da seguridade social brasileira. Texto para discussão nº 929. Brasília: IPEA, 2002.

SUGAMOSTO, M. Velhice e benefício previdenciário entre os agricultores familiares do município de Colombo – Paraná. In. (Orgs.). Ruralidades e Questões ambientais: estudo sobre estratégias, projetos e políticas. Brasília: MDA, 2007.

SILVA, A. A. A reforma da Previdência Social brasileira entre o direito social e o mercado. São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v. 18, n. 3. 2004.

VIEIRA, S. Introdução à Bioestatística. 3 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 1980.




DOI: http://dx.doi.org/10.19093/res7869

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




 

 

 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Este periódico está indexado nas bases: 

    

 

Revista de Estudos Sociais

Universidade Federal de Mato Grosso/Cuiabá-MT/Brasil

Faculdade de Economia

Boa Esperança, Cuiabá-MT. CEP: 78.060-900

Telefone:(65)3615.8522 – RAMAL:203

Email: ufmt.fe.res@gmail.com