QUALIDADE DE VIDA E CONDIÇÕES PARA SE VIVER DOS MARICULTORES: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO NO RIBEIRÃO DA ILHA, FLORIANÓPOLIS – SC

Letícia Saidy, Luiz Renato D'Agostini

Resumo


Atualmente a maricultura é um setor de destaque em Santa Catarina. Com a introdução da espécie exótica de ostra, Crassostrea gigas, em 1994, o estado despontou como líder nacional na produção desses moluscos. Por ser a maricultura um dos setores produtivos mais ativos do estado de Santa Catarina, desenvolveu-se uma pesquisa que utilizou dois indicadores como instrumentos conceituais e metodológicos para a diferenciação e avaliação da qualidade de vida e da qualidade de condições para viver: Indicador da Qualidade de Vida (IQV) e o Indicador das Condições para se Viver (IQCV). O objetivo principal do estudo foi apontar possíveis diferenças de olhares entre produtores familiares de ostras e os agentes de desenvolvimento da EPAGRI. Os indicadores IQCV e IQV foram empregados e adequados a localidade do Ribeirão da Ilha, Florianópolis – SC. Comparando-se o IQV (0,66) com IQCV (0,50), compreende-se que o grau de satisfação com a qualidade das condições de vida manifestada pelos maricultores é inferior que a percebida pela equipe de apoio da EPAGRI. O resultado demonstra que algumas melhorias nas condições de vida propostas pelos técnicos da EPAGRI nem sempre podem ser traduzidas como uma melhoria da qualidade de vida dos maricultores da comunidade.


Palavras-chave


Palavras-chave: ostra, qualidade de vida, maricultura, Florianópolis.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




 

 

 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Este periódico está indexado nas bases: 

    

 

Revista de Estudos Sociais

Universidade Federal de Mato Grosso/Cuiabá-MT/Brasil

Faculdade de Economia

Boa Esperança, Cuiabá-MT. CEP: 78.060-900

Telefone:(65)3615.8522 – RAMAL:203

Email: ufmt.fe.res@gmail.com