Crescimento e Estagnação: Os Limites da Política Econômica Brasileira do Século XXI

Leonardo Flauzino Souza

Resumo


A economia brasileira vivenciou um ciclo expansivo ao longo da década de 2000, marcado pela expansão do investimento, geração de empregos e aumento da renda corrente. Após a crise econômica de 2008, que, apesar de ter seu epicentro nos mercados de dívida hipotecária norte-americana, se alastrou para várias economias do mundo, a economia brasileira entrou em uma fase de baixo crescimento, queda dos investimentos, mas com manutenção do nível de emprego. Este trabalho tem por objetivo mostrar que o recente ciclo da economia brasileira está intimamente relacionado aos mercados externos, tanto na sua fase expansiva, quanto na recessiva. Os elevados saldos em transações correntes diminuíram a dependência em relação ao capital externo para manter a estabilidade de preços, o que permitiu reduzir a taxa de juros e desvencilhar o investimento agregado. O próprio aumento da renda interna contribuiu para a redução do saldo comercial, mas a crise de 2008 intensificou este movimento, reduzindo as taxas de crescimento da economia nacional. Desta forma, a economia brasileira voltou a depender da entrada de capitais para a manutenção da estabilidade de preços e do arcabouço de políticas macroeconômicas que favorecem este movimento, a sacrificar ainda mais o crescimento do produto.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.19093/res.v16i32.2144

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




 

 

 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Este periódico está indexado nas bases: 

    

 

Revista de Estudos Sociais

Universidade Federal de Mato Grosso/Cuiabá-MT/Brasil

Faculdade de Economia

Boa Esperança, Cuiabá-MT. CEP: 78.060-900

Telefone:(65)3615.8522 – RAMAL:203

Email: ufmt.fe.res@gmail.com