Variação das características físicas da madeira de Eugenia rostrifolia

Luana Candaten, Tauana de Souza Mangini, Eduarda Bandera, Laura da Silva Zanchetta, Rômulo Trevisan, Jonathan William Trautenmuller

Abstract


O objetivo do estudo foi verificar a variação radial e longitudinal, da massa específica básica, aparente saturada e do teor de umidade no fuste de Eugenia rostrifolia. No experimento foram utilizadas três árvores de Eugenia rostrifolia para determinação das características físicas de acordo com as recomendações da norma ASTM D-143-94 (1995). Os dados foram analisados estatisticamente por meio do procedimento Stepweise e variável Dummy, ambos a partir de modelos de regressão, com o intuito de representar múltiplas variáveis qualitativas. Os resultados mostraram um decréscimo dos valores de massa específica básica e aparente saturada da base para o topo da árvore, bem como da medula até a casca. Já o teor de umidade não apresentou alterações estatísticas nos planos analisados. Os modelos obtidos para descrever a massa específica básica e a saturada no sentido radial, apesar de apresentarem tendência de decréscimo, não podem ser utilizados para todas as posições axiais pois, de acordo com a variável Dummy analisada, evidenciaram padrões decrescentes distintos. A madeira de Eugenia rostrifolia pode ser classificada como moderadamente pesada de acordo com o valor de massa específica básica igual a 0,694 g/cm3. As características físicas obtidas demonstraram que a espécie tem potencial para uso em vários segmentos como, por exemplo, construção civil e movelaria.

 

 

Termos para indexação: Propriedades físicas; Qualidade da madeira; Eugenia rostrifolia.


Keywords


Propriedades físicas; Qualidade da madeira; Eugenia rostrifolia.

References


Associação Brasileira de Florestas Plantadas – ABRAF. Anuário estatístico da ABRAF 2010 ano base 2009, p, 140, Brasília 2010.

Almeida DH, Molina JC, Almeida TH, Calil Junior, C, Alves ACL (2014) Determinação do teor de umidade e densidade básica pra espécies de Pinus e Eucalipto. Revista Científica Eletrônica da FAIT.

American Society for Testing and Materials. ASTM D 143- 94: standard test methods for small clear specimens of timber. Philadelphia, 1995.

Batista WR, Guarneti JE, Severo D, Klar AE (2011) Calibração de um equipamento TDR (reflectometria por domínio do tempo) para a determinação da umidade da madeira de Grevillea robusta (Cunn.). Revista Energia na Agricultura, 26 (2): 129-145. doi.org/10.17224/EnergAgric.2011v26n2p129-145.

Beltrame R, Peres ML, Delucis RA, Freitas DL, Gatto DA, Haselein CR (2015) Tensões de crescimento longitudinais e propriedades mecânicas da madeira de clones de Eucalyptus spp. Revista Matéria, 20 (4): 1061 – 1074. http://dx.doi.org/10.1590/S1517-707620150004.0108.

Bonduelle GM, Iwakiri S, Trianoski R, Prata JG, Rocha VY (2015) Análise da massa específica e da retratibilidade da madeira de Tectona grandis nos sentidos axial e radial do tronco. Revista Floresta, 45 (4): 971-680. http://dx.doi.org/10.5380/rf.v45i4.31991.

Candaten L, Mangini, TS, Bandera E, Costa HWD, Trevisan R (2018) Relação da massa específica e teor de umidade da madeira de Maclura tinctoria ao longo do fuste. Enciclopédia Biosfera, 15 (28): 845-854. 10.18677/EnciBio_2018B68.

Carvalho, A. Madeiras portuguesas: estrutura anatômica, propriedades, utilizações. Lisboa: Instituto Florestal, 1996. v. 1. 340 p. Disponível em: . Acesso em: 27 de maio de 2019.

Dias DC, Colodette JL, Thiersch CR, Leite HG, Gomide JL (2017) Uso da técnica de resistografia e de variáveis dendrométricas na modelagem da densidade básica de povoamentos clonais de Eucalyptus. Revista Ciência Florestal, 27(2): 609-619. http://dx.doi.org/10.5902/1980509827746.

Eloy E, Caron BO, Trevisan R, Schimdt D, Zanon MLB, Behling A, Monteiro GC (2013) Variação longitudinal e efeito do espaçamento na massa específica básica da madeira de Mimosa scabrella e Ateleia glazioveana. Floresta, 43 (2): 327 -334.

Faria, CO (2016) Governança da biodiversidade sob a perspectiva de sistemas sócio-ecológicos: o caso do bioma mata atlântica. . . Tese (Doutorado em Planejamento Energético) - Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. 126f.

Friederichs G, Brand MA, Carvalho AF, Küster LC (2015) Qualidade da madeira e do carvão vegetal de bracatinga (Mimosa scabrella Benth.). Ciência da Madeira, 6 (2): 79-87, 2015. 10.12953/2177-6830/rcm.v6n2p79-8.

Gatto DA, Martins MF, Cademartori PHG, Stangerlin DM, Calegari L, Beltrame R (2012) Segregação do lenho de nogueira-pecã (Carya illinoinensis) pela variação radial da massa específica básica. Revista Brasileira de Ciências Agrárias, 7: 838-843. 10.5039/agraria.v7isa1935.

Juizo CGF, Loiola PL, Zen LR, Marchesan R, Carvalho DE, Bila NF, Egas A, Rocha MP, Klitzke RJ (2015) Variação radial das propriedades físicas da madeira de Pinus patula plantados em Moçambique. Pesquisa Florestal Brasileira 35 (83): 285-292. https://doi.org/10.4336/2015.pfb.35.83.771.

Machado JS, Louzada J, Santos AJ, Nunes L, Anjos O, Rodrigues J, Simoes R, Pereira H (2014) Variation of wood density and mechanical properties of blackwood (Acacia melanoxylon R. Br.). Materials and Design, 56: 975-980, 2014. https://doi.org/10.1016/j.matdes.2013.12.016.

Marchiori JNC, Santos SR (2010) Anatomia da madeira de duas espécies de Eugenia L. (Myrtaceae). Balduinia, 21: 15-21. http://dx.doi.org/10.5902/2358198014099.

Nisgoski S, Trianoski R, Muniz GIB, Matos JLM, Batista FRR (2011) Anatomia da madeira de Toona ciliata características das fibras para produção de papel. Revista Floresta, 41 (4): 717-728, 2011.

Oliveira JTS, Hellmeister JC, Tomazello Filho M (2005) Variação do teor de umidade e da densidade básica na madeira de sete espécies de eucalipto. Revista Árvore, 29 (1): 115-127, 2005. https://doi.org/10.1590/S0100-67622005000100013.

Pirola, K (2013) Caracterização fisiológica e conservação de sementes de oito fruteiras nativas do Bioma Floresta com Araucária. Dissertação. (Mestrado em Agronomia. Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Pato Branco. 129f.

Renz VD, Ritter LG, Mancuso MA, Hass A, Conceição SR, Garlet G (2014) Delimitação e monitoramento vegetativo da bacia hidrográfica do Lajeado Chiquinha. REGET/UFSM, v. 18, n. 1, p. 172-177, 2014. http://dx.doi.org/10.5902/2236117011103.

Sobral, M (2013) Myrtaceae in Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro.

Silveira LHC, Rezende AV, Vale AT (2013) Teor de umidade e densidade básica da madeira de nove espécies comerciais amazônicas. Acta Amazônica, Brasília. https://doi.org/10.1590/S0044-59672013000200007.

Trautenmüller JW, Balbinot R, Borella J, Trevisan R, Balestrin D, Vendruscolo R, Sabadini AM (2014) Variação longitudinal da massa específica básica da madeira de Cordia americana e Alchornea triplinervia. Ciência Rural, 44 (5): 817-821.

Vital, B. R (1984) Métodos de determinação da densidade da madeira. p. 24. (Boletim Técnico, 2).

Zaque LAM, Ferreira MD, Melo RR (2018) Variação radial e longitudinal da massa específica básica da madeira de Araucaria angustifolia com diferentes idades. Pesquisa Florestal Brasileira, 38: 1-5. 10.4336/2018.pfb.38e201601368.




DOI: https://doi.org/10.34062/afs.v7i2.10017

Refbacks

  • There are currently no refbacks.


                                                  
 
All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License