Os ventos da memória na cidade: Reconstrução histórica da cidade do Rio de Janeiro no século XX a partir do romance “Nunca houve um castelo” de Martha Batalha.

Autores

Palavras-chave:

Romance, Rio de Janeiro, memória.

Resumo

Neste artigo faremos reflexões sobre as transformações ocorridas no cotidiano, comportamento e imaginário de cidade do Rio de Janeiro ao longo do século XX. Como fonte principal trabalhamos com o romance “Nunca houve um castelo” da escritora Martha Batalha, livro que narra diferentes trajetórias pessoais de personagens que vivem na cidade carioca. Das muitas personagens que fazem parte dessa obra escolhemos analisar mais detidamente as histórias de Brigitta, Estela e Dalvanise que representam alguns modos de relação com o tempo e a vida em suas diferenças sociais, culturais e de classe na cidade, seus envolvimentos com outros personagens, entretanto, também são analisados com o intuito de desvelar representações e práticas sociais na cidade. A cidade que lembra e esquece e os sentidos e usos da memória são assuntos que procuramos abordar por meio da discussão acerca dessa obra do romance com características de metaficção historiográfica.

Biografia do Autor

Kenia Gusmão Medeiros, IF Goiano

Doutora em História pela UFG. Mestra em História pela UnB. Graduada em História pela UEG.

Álvaro Ribeiro Regiani, UFG

Doutorando em História (UFG). Mestre em História (UnB). Especialista em Filosofia (UnB). Graduado em História (UEG). Docente da Universidade Estadual de Goiás.

Referências

AGAMBEN, Giorgio. O que resta de Auschwitz: o arquivo e a testemunha (Homo sacer III). Tradução Selvino J. Assmann. São Paulo: Boitempo, 2008.

BATALHA, Marta. Nunca houve um castelo. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

CARRARA, Sergio. Moralidades, racionalidades e políticas sexuais no Brasil Contemporâneo. Mana, v. 21, n.2, pp 323-345, 2015.

COMPAGNON, Antoine. O demônio da teoria: Literatura e senso comum. Tradução de Cleonice Paes Barreto Mourão e Consuelo Fortes Santiago. Belo Horizonte: Ed.. UFMG, 2001.

FERREIRA, Marieta de Moraes. A fusão do Rio de Janeiro, a Ditadura Militar e a transição política. In.: ABREU,A A (org.).A democratização do Brasil: atores e contextos. Rio de Janeiro: FGV, 2006. cap. 6 pp 163-203.

FOUCAULT, Michel. O poder psiquiátrico: Curso dado no Collège de France (1973-1974). Tradução Eduardo Brandão. São Paulo: Martins fontes, 2006.

GAY, Peter. O século de Schnitzler: A formação da cultura da classe média (1815-1914). Tradução S. Duarte. São Paulo: Companhia das letras, 2002.

HUTCHEON, Linda. Poética do pós-modemismo: história, teoria, ficção. Rio de Janeiro: Imago Ed., 1991.

POLLACK, Michel. Memória e identidade social. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, vol. 5, n. 10, 1992.

QUEIROZ, Andréa Cristina de Barros. A cidade maravilhosa e a cultura do carioquismo. Anais do XV Encontro Regional de História da ANPUH- Rio. Ofício do historiador: ensino e pesquisa. Rio de Janeiro, 2012.

RUSEN, Jorn. Teoria da História: uma teoria da história como ciência. Curitiba: Editora UFPR, 2015.

SANSONE, Livio. Não trabalho, consumo e identidade negra: Uma comparação entre Rio e Salvador. In. REZENDE, Claudia Barcellos; MAGGIE, Yvonne (Orgs.). Raça como retórica: A construção da diferença. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. O espetáculo das raças: Cientistas, instituições e questão racial no Brasil – 1870-1930. São Paulo: Companhia das letras, 2007.

Internet:

http://bndigital.bn.gov.br/acervodigital/

http://bndigital.bn.gov.br/dossies/periodicos-literatura/titulos-periodicos-literatura/a-mensageira-revista-literaria-dedicada-a-mulher-brazileira/

http://bndigital.bn.br/acervo-digital/jornal-mocas/111031

http://news.google.com/newspapers? nid=0qX8s2k1IRwC&dat=19691206&printsec=frontpage&hl=pt-BR

Downloads

Publicado

2020-04-02