Criações endógenas no kaingang como estratégia de preservação lexical

Autores

  • Fabiana Alencar da Silva fabianalencar7@gmail.com
    Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)
  • Gean Nunes Damulakis damulakis@letras.ufrj.br
    Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

Palavras-chave:

empréstimos, criações endógenas, preservação lexical.

Resumo

Neste artigo apresentamos uma análise da permanência ou desuso de itens lexicais do Kaingang, devido ao contato com o Português Brasileiro. Para isso, traçamos um comparativo de dados coletados em nossa pesquisa de campo feita em 2016 e 2018, nas Terras Indígenas de Nonoai e de Serrinha (Rio Grande do Sul), com dados presentes nas listas vocabulares ou dicionários (Vocabulário da língua bugre (1852); Val Floriana (1920); e Wiesemann (2002)). Dados coletados recentemente nos permitiram identificar a predominância de dois processos para a nomeação de elementos culturais emprestados: os empréstimos lexicais (p. ex. kãvãru [k)w)ÈRu] ‘cavalo’, bi[s]i[kl]eta bicicleta’) e as criações endógenas (AUTOR2 & AUTOR1, no prelo: p. ex. goj kron fã (“bebedor” de água para ‘bebedouro’). Baseando-nos na metodologia sociolinguística (Weinreich, Labov & Herzog, 1968), a proposta central deste trabalho foi verificar criações endógenas em competição com os empréstimos, uma vez que a preferência pela primeira estratégia pode indicar uma atitude linguística de preservação lexical da língua indígena, por parte dos falantes. Também discutimos a relevância de tornar conscientes esses processos no ensino da língua indígena materna e para os falantes em geral, de modo que possam servir como ferramentas de preservação lexical da língua minorizada.

Biografia do Autor

Fabiana Alencar da Silva, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

Mestranda pelo Programa de Pós-Graduação em Linguística pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Bolsista CNPq. Graduada em Licenciatura Letras: Português e Literaturas da Língua Portuguesa, na UFRJ. Atualmente, está dando continuidade ao estudo sobre inovações lexicais no Kaingang (língua Jê). Interesse em estudos com ênfase em pesquisas sociolinguísticas e contato linguístico.

Gean Nunes Damulakis, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

Membro do Programa de Pós-Graduação em Linguística (PPGL/UFRJ) e Professor Associado I no Departamento de Linguística e Filologia da Faculdade de Letras da UFRJ. Coordenador do PROFLETRAS (Mestrado Profissional em Letras/UFRJ), do qual é membro desde 2014.  Tem experiência nas áreas de Educação Escolar Indígena, Ensino de Língua Alemã, Ensino de Língua Portuguesa e de Lingüística, com ênfase em Teoria e Análise Lingüística, pesquisando principalmente nos seguintes temas: línguas indígenas, português, alemão, fonologia e variação.

Referências

ANÔNIMO. Vocabulário da língua bugre. Revista do Instituto Historico e Geographico do Brazil, tomo XV, n. 5, p. 60-77. Rio de Janeiro: Typographia Universal de Laemmert, 1852.

BIDERMAN, M T. C. Teoria Linguística: teoria lexical e linguística computacional. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

CARVALHO, Nelly. Empréstimos linguísticos na língua portuguesa. São Paulo: Cortez, 2009.

CRYSTAL, D. A revolução da linguagem / David Crystal; tradução, Ricardo Quintana; consultoria, Yonne Leite. – Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2005.

DAMULAKIS, G. N. & SILVA, F. A. da. Notas sobre empréstimos linguísticos do PB no Kaingáng. VIII Encontro Macro-Jê. UEL: Londrina. (no prelo)

D'ANGELIS, W. R. Primeiro século de registro da língua (1842-1950): valor e uso da documentação etnográfica. Campinas, SP: Portal Kaingang [www.portalkaingang.org], 2003. (Artigo publicado em website). Disponível em <http://www.portalkaingang.org/Primeiros100anos.pdf> Acesso em: 19. julho.2020.

__________.Panorama da história Kaingang. Disponível em: <http://www.portalkaingang.org/index_historia_1.htm>. Acesso em: 19.julho.2020.

GONÇALVES, S. A. Algumas considerações sobre Modo e Modalidade na língua Kaingang Sul (Jê). Estudos linguísticos. São Paulo, v. 40, p. 338-350, 2011.

HASPELMATH, M. & TADMOR, U. Loanwords in the World's Languages: A Comparative Handbook. Berlin: De Gruyter Mouton. 2009.

MESQUITA, R. Empréstimos Linguísticos do Português em Xerente-Akwe. Orientadora: Profa. Dra. Silvia Lucia Bigonjal Braggio. (Dissertação). Programa de pós-graduação em Letras e Linguística. Faculdade de Letras. Universidade Federal de Goiás. 2009.

MESQUITA, R. ; BRAGGIO, S. L. B. . Empréstimos semânticos do português em xerente akwe: um olhar etnossintático. NOME- Revista de Letras , v. v.1, p. 26-44, 2012.

MOLLICA, M. C. M.. Fundamentação Teórica: conceituação e delimitação. In: MOLLICA, M. C; BRAGA, M. L; (Org. ) Introdução à Sociolinguística – tratamento da variação. São Paulo: Contexto, 2003. v. 1. pp 9-14.

PAIVA, M. C. A. ; DUARTE, M. E. L. (Org.). Introdução: a mudança em curso. In: Mudança lingüística em tempo real. Rio de Janeiro: Contra Capa, 2003. v. 1.

PRAÇA, W. N. ; DOURADO, K. . Os Ãpyãwa (Tapirapé), os neologismos e a escola indígena: políticas linguísticas em resposta ao etnocídio. Revista Letra Capital , v. 1, p. 1-1, 2016.

RODRIGUES, A. Línguas Brasileiras: para o conhecimento das línguas indígenas. São Paulo: Loyola, 1986.

SANTOS, M. A. . Contato de línguas: atitudes dos Krahô em relação ao bilinguismo e os empréstimos linguísticos do Português. 2014. 164f. Dissertação (Mestrado em Letras: ensino de Língua e Literatura) – Universidade Federal do Tocantins, Programa de Pós-Graduação em Letras: ensino de Língua e Literatura, Araguaína, 2014.

SILVA, F. A. & DAMULAKIS, G. N.. Lexical Amplification in Kaingang Stimulated by Contact with Brazilian Portuguese. In: Kawsaxkuna: The University of Toronto Journal of Latin American Studies. v. 1. 2017, 16 - 23.

SILVA, F. A. Processos de inovações lexicais no Kaingang em consequência do contato com o português brasileiro. 33 f. Trabalho de Conclusão de Curso – Faculdade de Letras da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2017. Disponível em: <https://lefufrj.files.wordpress.com/2018/02/tcc-fabiana-alencar-2017-versc3a3o-final.pdf> Acesso em: 17.julho.2020.

TAVARES, M. ; BRAZ, P. . Procedimentos de nomeação de novos referentes introduzidos nas culturas Guarani e Kaiowá. ArReDia , v. 4, p. 1-23, 2015.

TROUCHE, L. M. G. O Marquês de Pombal e a Implantação da Língua Portuguesa no Brasil: Reflexões Sobre O Diretório de 1757. In: Cadernos de Letras da UFF. Niterói, n.1. p. 97-110, 2001.

WEINREICH, W.; LABOV, W.; HERZOG, M.. "Empirical Foundations for Theory of Language Change". In: LEHMANN, Paul; MALKIEL, Yakov. (eds.) Directions for Historical Linguistics. Austin: University of Texas Press: 95-188, 1968. [Fundamentos empíricos para uma teoria da mudança linguística. Trad.: Marcos Bagno; revisão técnica: Carlos Alberto Faraco. São Paulo: Parábola, reimpressão 2016.]

WIESEMANN, U. Dicionário Kaingáng-Português, Português-Kaingáng. Rio de Janeiro: Summer Institute of Linguistics. 1972, reeditado em 2002.

VAL FLORIANA, M. B. . Diccionarios Kainjgang-Portuguez e Portuguez-Kainjgang. Revista do Museu Paulista. São Paulo, 1920, vol 12:1-392.

Publicado

2021-03-25

Como Citar

ALENCAR DA SILVA, F.; NUNES DAMULAKIS, G. Criações endógenas no kaingang como estratégia de preservação lexical. Polifonia, [S. l.], v. 27, n. 48, 2021. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/polifonia/article/view/10865. Acesso em: 13 jun. 2024.