Observando a paisagem linguística escolar

Autores

Palavras-chave:

Paisagem linguística, identidade, escolas.

Resumo

Neste artigo, temos como objetivo refletir sobre a construção identitária de uma escola, a partir da análise da diversidade linguística presente nesse espaço. As escolas apresentam diversos cronotopos – tempos e espaços – que se modificam a partir das relações sociais neles estabelecidas. Ao observar esses espaços, é possível perceber uma grande quantidade de enunciados, fundamentais para uma comunicação bem sucedida entre os indivíduos. A presença de imagens, de narrativas figuradas é uma das maiores características das sociedades contemporâneas. Nesse sentido, este estudo se ancora nos estudos de paisagem linguística que têm como objetivo compreender as marcas linguísticas que estão dispostas nos espaços públicos; na concepção dialógica e filosófica de linguagem, compreendendo-a como prática discursiva sócio-historicamente situada; e estabelece uma interconexão com os estudos culturais, considerando que a cultura constrói valores e diferenças, em função de suas condições de produção. Esta pesquisa se insere no campo da Linguística Aplicada, área híbrida/mestiça, marcada pela interdisciplinaridade. Assim, por meio deste estudo preliminar, qualitativo, de natureza interpretativista, depreende-se que a riqueza dos discursos presentes na escola contribui para a construção de múltiplas identidades.

Biografia do Autor

Cíntia Daniele Oliveira Nascimento, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Cursa doutorado em Estudos da Linguagem (UFRN) e especialização em Literatura e Ensino (IFRN). Mestra em Estudos da Linguagem (UFRN). Graduada em Letras Língua Portuguesa e Literaturas (UFRN) e em Comunicação Social - Jornalismo (UFRN). Tem interesse nos Estudos das Práticas Discursivas, especificamente no que diz respeito aos estudos acerca de linguagem, identidade, educação e comunicação. É professora da Secretaria Municipal de Educação (SME) de Natal.

Marília Varella Bezerra Faria, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Possui graduação em Letras - Habilitação Inglês e Português pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (1992), graduação em Engenharia Química pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (1981), mestrado em Linguística Aplicada pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (1996), doutorado em Linguística Aplicada pelo Programa de Pós-graduação em Estudos da Linguagem da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (2007) e pós-doutorado na área da Linguística Aplicada pela Universidade Estadual de Campinas (2013/2014). Atualmente, é Professora Associada do Departamento de Línguas e Literaturas Estrangeiras Modernas da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, como também, vinculada ao Programa de Pós-Graduação em Estudos da Linguagem da mesma universidade. Pesquisadora do Grupo de Pesquisa/CNPq ?Práticas Discursivas na Contemporaneidade?, tem experiência na área de Lingüística, com ênfase em Lingüística Aplicada, atuando, principalmente, nos seguintes temas: discurso, identidade, crenças, língua inglesa, literaturas inglesas e cultura.

Referências

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2011.

BAKHTIN, M. Teoria do romance I: a estilística. Tradução, prefácio, notas e glossário de Paulo Bezerra. São Paulo: Editora 34, 2015.

BAKHTIN, M. Os gêneros do discurso. Organização, tradução, posfácio e notas de Paulo Bezerra; notas da edição russa de Serguei Botcharov. São Paulo: Editora 34, 2016.

BAKHTIN, M. Para uma filosofia do ato responsável. Tradução de Valdemir Miotello e Carlos Alberto Faraco. São Carlos: Pedro & João Editores, 2017.

BAKHTIN, M. Teoria do romance II: as formas do tempo e do cronotopo. Tradução, posfácio e notas de Paulo Bezerra. São Paulo: Editora 34, 2018.

BELLINZONA, M. Linguistic landscape e contesti educativi: Uno studio all’interno di alcune scuole italiane. Lingue e Linguaggi, v. 25, p. 297-321, 2018. Disponível em: http://siba-ese.unisalento.it/index.php/linguelinguaggi/article/view/18953/16210. Acesso em: 13 mai. 2020.

CANCLINI, N. G. A globalização imaginada. São Paulo: Iluminuras, 2003.

CASADO ALVES, M. P. Lendo e escrevendo na escola: O PIBID e as atividades com gêneros discursivos. In: MARTINS, A. F. P; PERNAMBUCO, M. M. C. Formação de professores: interação Universidade – Escola no PIBID/UFRN. Natal: EDUFRN, 2011. p. 117-140.

CASADO ALVES, M. P. O cronotopo da sala de aula e os gêneros discursivos. Revista Signótica, v. 24, p. 304-322, 2012. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/sig/article/view/19172/13254. Acesso em: 28 nov. 2019.

DAGENAIS, D. et al. Linguistic landscape and language awareness. In: SHOHAMY, E.; GORTER, D. Linguistic landscape: expanding the scenery. New York: Routledge, 2009. p. 253-269.

FARACO, C. A.; NEGRI, L. O falante: que bicho é esse, afinal? LETRAS, Curitiba, n. 49, p. 159-70, 1998.

FARIA, M. V. B. A construção estilística das identidades poéticas da cidade de Natal: um olhar bakhtiniano. 2007. 188 f. Tese (Doutorado em Estudos da Linguagem) – Universidade Federal do Rio Grande do Norte: Natal, 2007.

FARIA, M. V. B. Letreiros como fios dialógicos que tecem um bairro. VI CÍRCULO – Rodas de Conversa Bakhtiniana: literatura, cidade e cultura popular. São Carlos: Pedro & João Editores, 2016. p. 1009-1017.

FARIA, M. V. B; DINIZ, M. R. M. Construção identitária da cidade de Santa Cruz/RN: ordem ou desordem? In: CASADO ALVES, M. P; VIAN JR., O. Práticas discursivas: Olhares da Linguística Aplicada. Natal: EDUFRN, 2015. p. 154-170.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução de Tomaz Tadeu da Silva e Guacira Lopes Louro. 12. ed. Rio de Janeiro: Lamparina, 2015.

HAN, B. Sociedade do cansaço. Petrópolis, RJ: Vozes, 2017.

KELLNER, D. Lendo imagens criticamente: em direção a uma pedagogia pós-moderna. In: SILVA, T. T. (Org.). Alienígenas na sala de aula. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013. p. 101-127.

KUMARAVADIVELU, B. A Linguística Aplicada na era da globalização. In: MOITA LOPES, L. P. (Org.). Por uma linguística aplicada INdisciplinar. São Paulo: Parábola Editorial, 2006. p. 129-148.

MACHADO, I. A. Narrativa e combinatória dos gêneros prosaicos: a textualização dialógica. Itinerários, Araraquara, n. 12, p. 33-46, 1998. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/itinerarios/article/view/2910/2671. Acesso em: 28 nov. 2019.

MOITA LOPES, L. P. Linguística aplicada e vida contemporânea: problematização dos construtos que têm orientado a pesquisa. In: MOITA LOPES, L. P. (Org.). Por uma linguística aplicada INdisciplinar. São Paulo: Parábola Editorial, 2006. p. 85-107.

MOITA LOPES, L. P. Como e porque teorizar o português: recurso comunicativo em sociedades porosas e em tempos híbridos de globalização cultural. In: MOITA LOPES, L. P. (Org.). O Português no século XXI: cenário geopolítico e sociolinguístico. São Paulo: Parábola Editorial, 2013.

PENNYCOOK. A. Uma linguística aplicada transgressiva. In: MOITA LOPES, L. P. (Org.). Por uma linguística aplicada INdisciplinar. São Paulo: Parábola Editorial, 2006. p. 67-84.

PONZIO, A. A concepção bakhtiniana do ato como dar um passo. In: BAKHTIN, M. Para uma filosofia do ato responsável. Tradução de Valdemir Miotello e Carlos Alberto Faraco. São Carlos: Pedro & João Editores, 2017. p. 9-38.

ROJO, R. Fazer linguística aplicada em perspectiva sócio-histórica privação sofrida e leveza de pensamento. In: MOITA LOPES, L. P. (Org.). Por uma linguística aplicada INdisciplinar. São Paulo: Parábola Editorial, 2006. p. 253-276.

ROJO, R. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola Editorial, 2009.

SARLO, B. Cenas da vida pós-moderna. Intelectuais, arte e videocultura na Argentina. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2000.

SHOHAMY, E., BEN-RAFAEL, E., BARNI, M. (orgs.). Linguistic landscape in the city. Bristol, UK: Multilingual Matters, 2010.

SOUZA, S. J. Dialogismo e alteridade na utilização da imagem técnica em pesquisa acadêmica: questões éticas e metodológicas. In: Ciências humanas e pesquisa: leituras de Mikhail Bakhtin. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2007. p. 77-94.

VOLÓCHINOV, V. Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. 1. ed. São Paulo: Editora 34, 2017.

WOODWARD, K. Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual. In: Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. 15. ed. Rio de Janeiro: Vozes, 2014. p. 7-72.

Publicado

2021-04-03