Uma leitura de Lavoura Arcaica a partir do Dialogismo

Autores

Palavras-chave:

Dialogismo, Discurso autoritário, Lavoura Arcaica.

Resumo

O romance Lavoura Arcaica narra a história do personagem André que retorna ao convívio da família após permanecer um tempo afastado - bem como a sua relação com seus familiares. Partindo do entendimento de Bakhtin sobre o romance, para o qual é possível apontar, entre as características do romance, a diversidade de linguagens, este trabalho busca identificar as vozes que atuam na narrativa e sua influência na formação do personagem. Serão apresentados alguns apontamentos teórico-metodológicos que situam a literatura no diálogo
com a cultura, além do conceito bakhtiniano de heterodiscurso em uma discussão teórica. Com base nesse arcabouço teórico, será analisada, no romance, a presença de diferentes vozes e linguagens e a tensão dialógica
entre elas. Como resultado, foi possível observar a presença de construções híbridas presentes na materialidade do texto, bem como a ocorrência de diferentes vozes e valores sociais nessas construções - como, por exemplo,
nos diálogos entre André e seus familiares; ou ainda no conflito entre valores como o sagrado e o profano. Conclui-se que a relação entre André e seu pai se apresenta de modo a construir um discurso autoritário que se expande para os outros membros da família, intensificando a incomunicabilidade entre os personagens.

Biografia do Autor

Jorge Witt Mendonça Junior, Doutorando na instituição Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), no Programa de Pós-Graduação em Estudos da Linguagem (PPgEL)

Instituição de origem: UFRN

O texto é resultado de uma pesquisa realizada em disciplina do doutorado, em coautoria com o professor da disciplina. O doutorado é financiado pela CAPES e está incluído nos estudos para a tese em produção.

 

Orison Marden Bandeira de Melo Junior, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, UFRN

Orison Bandeira Jr. tem graduação em Letras (Licenciatura em Letras - Português/Inglês), mestrado em Literatura e Crítica Literária (LCL/PUCSP) e doutorado em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem (LAEL/PUCSP). É professor do Curso de Letras-Inglês (DLLEM/UFRN), vice-coordenador e professor permanente do Programa de Pós-graduação em Estudos da Linguagem (PPgEL/UFRN), atuando, a partir do dialogismo, nas linhas Leitura do texto literário e ensino e Poéticas da modernidade e da pós-modernidade. É editor executivo de língua estrangeira da Bakhtiniana. Revista de Estudos do Discurso (ISSN 2176-4573) e editor da revista Odisseia (PPGEL/UFRN - ISSN: 1983-2435), e coordena o grupo de pesquisa Ensino de literatura estrangeira: perspectivas diversas (UFRN/CNPq). Além disso, é membro titular do Comitê de Ética em Pesquisa da UFRN (Comitê Central) e avaliador de cursos de graduação pelo INEP/MEC. Os seus temas e áreas de interesse de estudo/pesquisa são: análise dialógica da literatura, ensino dialógico de literatura em língua estrangeira, literatura e interseccionalidade discursiva (tensão entre raça/etnia, gênero, sexualidade e religião) e literatura norte-americana contemporânea dos chamados grupos minoritários. Email: junori36@cchla.ufrn.br

Referências

ARÁN, P. Bajtín y Lotman: paradigmas y nuevos espacios culturales. In: ARÁN, Pampa. La herencia de Bajtín: reflexiones y migraciones. Córdoba: Centro de Estudios Avanzados, 2016. p. 47-62.

BAKHTIN, M. Problemas da poética de Dostoiévski. Tradução, notas e prefécaio: Paulo Bezerra. 5. ed. Rio de Janeiro: Forense universitária, 2010.

BAKHTIN, M. Teoria do romance I: a estilística. Tradução, prefácio, notas e glossário: Paulo Bezerra. São Paulo: Editora 34, 2015.

BAKHTIN, M. A ciência da literatura hoje (Resposta a uma pergunta da revista Novi Mir). In: BAKHTIN, M. Notas sobre literatura, cultura e ciências humanas. Organização, tradução, posfácio e notas: Paulo Bezerra. São Paulo: Editora 34, 2017a. p. 9-20.

BAKHTIN, M. Fragmentos dos anos 1970-1971. In: BAKHTIN, M. Notas sobre literatura, cultura e ciências humanas. Organização, tradução, posfácio e notas: Paulo Bezerra. São Paulo: Editora 34, 2017b. p. 21-56.

BAKHTIN, Ml. Teoria do romance II: as formas do tempo e do cronotopo. Tradução, posfácio e notas: Paulo Bezerra. São Paulo: Editora 34, 2018.

BEZERRA, P. Bakhtin: remate final. In: BAKHTIN, M. Notas sobre literatura, cultura e ciências humanas. Organização, tradução, posfácio e notas: Paulo Bezerra. São Paulo:Editora 34, 2017. p. 81-97.

BISSOLLI, C. J. M. Como foi noticiada a morte do jornalista Vladimir Herzog pelos jornais: Unidade do sindicato dos jornalistas, Folha de S. Paulo e O estado de São Paulo?. 2018. 16f. Trabalho de conclusão de curso - Artigo. Universidade Nove de Julho, São Paulo, 2018.

BRAIT, B.; CAMPOS, M. I. B. Da Rússia czarista à web. In: BRAIT, B. (org.). Bakhtin e o Círculo. São Paulo: Contexto, 2009. p. 15-30.

CARDOSO, B. Formas do cronotopo em Lavoura Arcaica, de Raduan Nassar. REVELL, n. esp., 2019. Disponível em: https://periodicosonline.uems.br/index.php/REV/article/view/

Acesso em: 15 maio 2020.

EVANGELHO SEGUNDO LUCAS. In: Bíblia: tradução ecumênica. São Paulo: Edições Loyola, 1994. p. 1966-2035.

FLORENTINO, C. Um escuro poço: a memória enferma. Em Tese, Belo Horizonte, v. 5, p. 215-222, dez. 2002. Disponível em: http://www.periodicos.letras.ufmg.br/index.php/emtese/

article/view/3455. Acesso em: 15 maio 2020.

LOTITO, D. P. Estilo, metáforas, amor e sexo em Lavoura Arcaica. Estudos Linguísticos, v. 36, n. 3, p. 335 / 341, set.-dez. 2007.

MOTA, B. C. Uma partitura da tensão: dialogismo e poesia em Lavoura arcaica. Bakhtiniana, São Paulo, v. 8, n. 1, p. 157-175, Jan./Jun. 2013. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/bakhtiniana/article/view/13769/11703. Acesso em: 15 maio 2020.

MOTA, B. C. Kitab al-Amthal: arena de disputa em Lavoura arcaica. Arquivo Maaravi: Revista Digital de Estudos Judaicos da UFMG, v. 10, n. 18, p. 69-84, maio 2016. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/maaravi/article/view/14310. Acesso em: 15 maio 2020.

NASSAR, R. Lavoura Arcaica. In: NASSAR, R. Obra Completa. São Paulo: Companhia das Letras, 2016. p. 7-200.

SANTOS, A. B. G. A lei do pai e o desejo: interdito e transgressão da ordem familiar em Lavoura Arcaica. Estação literária, Londrina, V. 13, p. 62-75, jan. 2015. Disponível em: http://www.uel.br/seer/index.php/estacaoliteraria/article/view/27048/19514. Acesso em: 15 maio 2020.

TARDIVO, R. C. Da literatura à psicanálise implicada em Lavoura arcaica. Mudanças – Psicologia da Saúde, v. 16, n. 1, p. 43-50, jan.-Jun. 2008. Disponível em: https://www.metodista.br/revistas/revistas-metodista/index.php/MUD/article/view/912/971. Acesso em: 15

maio 2020.

Publicado

2021-04-03