Revista Territórios e Fronteiras https://periodicoscientificos.ufmt.br/territoriosefronteiras/index.php/v03n02 <p>A <strong>Revista Territórios e Fronteiras (ISSN 1984-9036) </strong>publica artigos, resenhas, entrevistas, dossiês e edições críticas de documentos relacionados, preferencialmente, à disciplina da História e aos temas associados à constituição de territórios e fronteiras na história, em suas diferentes formas, realidades e dimensões. <span style="text-decoration: underline;">Administrada </span>e <span style="text-decoration: underline;">apoiada financeiramente</span> pelo Programa de Pós-graduação em História da UFMT, cuja área de concentração é "História, Territórios e Fronteiras", a revista tem por meta constituir um espaço de debates e de divulgação da produção científica vinculada a esses temas. O periódico também recebe contribuições interdisciplinares e ligadas a áreas afins, a exemplo da Sociologia, Antropologia, Educação, Geografia, Ciência Política, Relações Internacionais etc. Sua periodicidade é semestral.</p><p>A editoração e manutenção da revista são realizadas pelo Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT).</p><p>Visite nossa página no <a href="https://pt-br.facebook.com/RevistaTerritoriosFronteiras"><strong>FACEBOOK</strong>.</a></p><p> </p><p>Veja as próximas <strong>Chamadas para Dossiês Temáticos</strong> em <strong><a href="/territoriosefronteiras/index.php/v03n02/announcement/" target="_blank">NOTÍCIAS</a></strong>.</p> Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) pt-BR Revista Territórios e Fronteiras 1984-9036 Direitos Autorais para artigos publicados neste periódico são do autor, com direitos de primeira publicação para a revista, com o trabalho licenciado simultaneamente sob uma licença Creative Commons. Em virtude de os artigos serem publicados nesta revista de acesso público, eles são de uso gratuito, com atribuições próprias, em aplicações educacionais e não-comerciais. Pareceristas https://periodicoscientificos.ufmt.br/territoriosefronteiras/index.php/v03n02/article/view/1323 <p>-</p> Carlile Lanzieri Júnior Copyright (c) 2023 Revista Territórios e Fronteiras 2023-12-11 2023-12-11 16 2 383 383 10.22228/rtf.v16i2.1323 Editorial https://periodicoscientificos.ufmt.br/territoriosefronteiras/index.php/v03n02/article/view/1318 <p>Editorial</p> Carlile Lanzieri Júnior Copyright (c) 2023 Revista Territórios e Fronteiras 2023-12-10 2023-12-10 16 2 01 03 10.22228/rtf.v16i2.1318 Apresentação https://periodicoscientificos.ufmt.br/territoriosefronteiras/index.php/v03n02/article/view/1319 <p>O dossier inserido no presente número da Revista Territórios &amp; Fronteiras, intitulado “Ter e poder: o domínio territorial régio da paisagem natural ibero-atlântica (1250-1550)”, foi motivado pela crescente consciencialização para a necessidade de integrar os elementos não-humanos – assim como a sua influência sobre as sociedades humanas – na investigação histórica.</p> André Filipe Oliveira da Silva Tiago Viúla de Faria Copyright (c) 2023 Revista Territórios e Fronteiras https://creativecommons.org/about/cclicenses/#by 2023-12-10 2023-12-10 16 2 04 09 10.22228/rtf.v16i2.1319 Propriedade régia e instabilidade climática https://periodicoscientificos.ufmt.br/territoriosefronteiras/index.php/v03n02/article/view/1313 <p>O reinado de D. Afonso IV foi um período de intensa ação régia, com uma expansão notável do oficialato régio, conflitos jurisdicionais importantes e intervenção em todos os níveis de administração da <em>res publica</em> portuguesa. A análise da ação dos oficiais régios em tempo de profundas alterações climáticas revela-nos, contudo, uma notável flexibilidade e uma simbiose com o interesse de foreiros e lavradores, contribuindo para um aparente esbatimento das consequências de condições ambientais adversas.</p> André Filipe Oliveira da Silva Copyright (c) 2023 Revista Territórios e Fronteiras 2023-12-10 2023-12-10 16 2 10 22 10.22228/rtf.v16i2.1313 Salvaguardar as florestas régias https://periodicoscientificos.ufmt.br/territoriosefronteiras/index.php/v03n02/article/view/1294 <p>O presente artigo procura trazer uma nova compreensão acerca dos oficialatos régios que guardaram os espaços naturais do reino de Portugal. Identificamos e diferenciamos três grupos – monteiros, couteiros e guardadores – explorando-os desde a sua génese até finais do século XV. Temos como principal objetivo precisar quem eram os homens que protagonizaram e aplicaram as políticas régias sobre a exploração dos recursos naturais.</p> Afonso Soares de Sousa Copyright (c) 2023 Revista Territórios e Fronteiras 2023-12-10 2023-12-10 16 2 23 36 10.22228/rtf.v16i2.1294 Os recursos naturais como instrumentos de domínio e negociação no Alentejo do século XV https://periodicoscientificos.ufmt.br/territoriosefronteiras/index.php/v03n02/article/view/1293 <p>Parto da premissa de que a gestão e exploração dos recursos naturais eram condicionadas e condicionavam as estruturas sociais das comunidades. A escolha das fontes procurou ter em conta este aspeto – os capítulos apresentados em cortes pelos concelhos e pelos <em>povos miúdos</em> de Estremoz, Elvas e Olivença poderão permitir o confronto entre perspetivas sociais diversas. Assim, este artigo procurará problematizar a resposta à questão – como é que os recursos naturais eram usados enquanto instrumentos de domínio e de negociação?</p> André Madruga Coelho Copyright (c) 2023 Revista Territórios e Fronteiras https://creativecommons.org/about/cclicenses/#by 2023-12-10 2023-12-10 16 2 37 52 10.22228/rtf.v16i2.1293 O Rei, a Justiça e a expectativa de ação na disputa pelo Reino da Sicília entre Angevinos e Aragoneses, 1282-1302 https://periodicoscientificos.ufmt.br/territoriosefronteiras/index.php/v03n02/article/view/1300 <p style="font-weight: 400;">Este artigo é sobre as disputas pela Ilha da Sicília entre Angevinos e Aragoneses. Considerou-se a crônica <em>Lu Rebellamentu di Sichilia</em>, a carta de Pedro de João Olivi aos Príncipes Angevinos, crônicas e cartas relacionadas ao tratado. Objetivou-se situar a ação dos&nbsp; governantes a partir da justiça e do direito como chaves de leitura. Conclui-se que o conflito movimentou os agentes em diferentes frentes, que essa movimentação é percebida através das cartas, e que estas são instrumentos imprescindíveis para a análise do objeto proposto.</p> Igor Salomão Teixeira Copyright (c) 2023 Revista Territórios e Fronteiras https://creativecommons.org/about/cclicenses/#by 2023-12-10 2023-12-10 16 2 53 74 10.22228/rtf.v16i2.1300 As Guianas sem limites de Élisée Reclus https://periodicoscientificos.ufmt.br/territoriosefronteiras/index.php/v03n02/article/view/1292 <p class="western" style="line-height: 150%; margin-bottom: 0cm;" align="justify"><span style="font-family: Times New Roman, serif;"><span style="font-size: medium;">A enorme obra produzida pelo geógrafo francês Élisée Reclus ainda é bastante ignorada no campo da História. Diferentes possibilidades de uso dos escritos desse precursor da geo-história podem ser indicadas para os estudos sobre fronteiras e da ocupação histórica de territórios na perspectiva da história social. A macrorregião genericamente denominada Guianas é o espaço físico </span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Times New Roman, serif;"><span style="font-size: medium;"><span lang="pt-BR">utilizado neste texto</span></span></span></span><span style="font-family: Times New Roman, serif;"><span style="font-size: medium;"> para uma análise histórica de algumas das publicações de Reclus na </span></span><span style="font-family: Times New Roman, serif;"><span style="font-size: medium;"><em>Revue des Deux Mondes</em></span></span><span style="font-family: Times New Roman, serif;"><span style="font-size: medium;"> e na </span></span><span style="font-family: Times New Roman, serif;"><span style="font-size: medium;"><em>Nouvelle Geographie Universale</em></span></span><span style="font-family: Times New Roman, serif;"><span style="font-size: medium;">.</span></span></p> Carlo Maurizio Romani Copyright (c) 2023 Revista Territórios e Fronteiras https://creativecommons.org/about/cclicenses/#by 2023-12-10 2023-12-10 16 2 75 93 10.22228/rtf.v16i2.1292 Escravos trazidos do Índico https://periodicoscientificos.ufmt.br/territoriosefronteiras/index.php/v03n02/article/view/1290 <p>O objetivo deste artigo é tratar de casos de escravizados oriundos de sociedades do Índico que tiveram passagem pela América Portuguesa (nos séculos XVII e XVIII) e deixaram traços de sua existência nos arquivos. O artigo situa os roteiros marítimos e a dinâmica do tráfico de escravizados no Índico em suas conexões com o Brasil. Estudos de caso (sobre João Dias, Francisco e Agostinho Pereira) ilustram a presença de tais escravizados na América Portugal e estimulam reflexões sobre os desafios ligados à investigação dos seus percursos de vida.</p> Patrícia Souza de Faria Copyright (c) 2023 Revista Territórios e Fronteiras https://creativecommons.org/about/cclicenses/#by 2023-12-10 2023-12-10 16 2 94 115 10.22228/rtf.v16i2.1290 O mercado mundial de café e suas transformações na segunda metade do século XIX (c. 1851-c.1895) https://periodicoscientificos.ufmt.br/territoriosefronteiras/index.php/v03n02/article/view/1284 <p>O artigo analisa as transformações vivenciadas pelo circuito comercial do café, no período 1851-1895, quando observamos o início de sua padronização internacional. A análise busca compreender a conjuntura de contínua elevação dos preços do café a partir de dois cenários distintos: o crescimento acelerado da demanda combinado à irregularidade no crescimento de sua oferta. Para isso, nos utilizamos de dados que nos permitiram mapear a circulação desta <em>commodity</em> em escala global.</p> Marcos de Brito Monteiro Marinho Copyright (c) 2023 Revista Territórios e Fronteiras https://creativecommons.org/about/cclicenses/#by 2023-12-10 2023-12-10 16 2 116 139 10.22228/rtf.v16i2.1284 O ensino de História Medieval e as mídias digitais https://periodicoscientificos.ufmt.br/territoriosefronteiras/index.php/v03n02/article/view/1301 <p>Neste artigo, refletimos sobre o ensino de História Medieval a partir do uso das mídias digitais. Para isso, utilizamos a metodologia da pesquisa bibliográfica com base em recentes reflexões sobre o tema. Observamos a existência de uma multiplicidade de canais de informação a respeito do Medievo, uma associação entre o período medieval e discursos políticos contemporâneos e um distanciamento entre os medievalistas e o cenário escolar. Como conclusão, destacamos a necessidade de investimento na formação inicial e continuada de docentes em História a partir de um diálogo mais próximo com as mídias digitais.</p> Luciano José Vianna Italúzia Pereira de Castro Santos Copyright (c) 2023 Revista Territórios e Fronteiras https://creativecommons.org/about/cclicenses/#by 2023-12-10 2023-12-10 16 2 140 163 10.22228/rtf.v16i2.1301 Processo produtivo na construção dos espaços de vida na agricultura familiar em área de domínio da União https://periodicoscientificos.ufmt.br/territoriosefronteiras/index.php/v03n02/article/view/1295 <p>Este trabalho tem como objetivo compreender as diversas práticas e o processo de produção agropecuária marginal dos agricultores familiares na área de domínio da União, às margens da BR-364 nos municípios de Jataí, Mineiros e Perolândia no estado de Goiás. Para isso utilizou-se da metodologia qualitativa com pesquisa bibliográfica; levantamentos de dados de campo, per meio da observação direta e entrevistas; e, dados secundários, pelas diversas plataformas institucionais. Estas faixas são utilizadas como terra para trabalho e moradia, portanto, espaços de vida para os agricultores.</p> Jesiel Souza Silva Marilia Luiza Peluso Copyright (c) 2023 Revista Territórios e Fronteiras https://creativecommons.org/about/cclicenses/#by 2023-12-10 2023-12-10 16 2 164 195 10.22228/rtf.v16i2.1295 Representações sociais dos discursos midiáticos sobre a migração de venezuelanos para o Brasil https://periodicoscientificos.ufmt.br/territoriosefronteiras/index.php/v03n02/article/view/1280 <p>O artigo analisa as representações sociais dos discursos midiáticos sobre a migração de venezuelanos para o Brasil, destacando a importância da mídia em interpretar as políticas de apoio aos migrantes e retratar suas condições e realidades. A análise de 50 reportagens gerou gráficos de frequência e nuvem de palavras, mostrando que a cobertura midiática sobre os imigrantes venezuelanos no Brasil aborda uma ampla gama de questões. No entanto, houve uma ênfase maior no aspecto humanitário e de crise da imigração venezuelana, com o uso frequente de termos como “crise migratória”, “refugiados” e “acolhida”.</p> Gizele Cristiane de Souza Isac Alves Correia Copyright (c) 2023 Revista Territórios e Fronteiras https://creativecommons.org/about/cclicenses/#by 2023-12-10 2023-12-10 16 2 196 210 10.22228/rtf.v16i2.1280 Proposições gerais de território e os professores surdos https://periodicoscientificos.ufmt.br/territoriosefronteiras/index.php/v03n02/article/view/1275 <p>O artigo se organiza como uma discussão teórica sobre a realidade das proposições gerais de território no contexto atual. Focaliza uma teorização sobre a constituição desses trabalhadores. Para essa realização, recupera conceitos sobre Território, Territorização, Lugares, Contribuições de cada abordagem para a nossa análise<strong><u>, </u></strong>mobilidade, para defender a situacional de professores Surdos. Além disso, lança mão dos conceitos de Territorização, para defender a Identidade do Professor Surdo não como modulações, mas em constatação enquanto categoria de professores surdos para a legitimidade pelo trabalho educativo explicitam o papel da constituição desses Indivíduos/Sujeitos por meio dos aparatos de significação e seus impactos nas formas como eles foram/são, historicamente, marginalizados. Por isso esta tese aponta caminhos para uma análise de contextos de ação de professores surdos e das formas como suas práticas poderão ser interpretadas.</p> Adriano de Oliveira Gianotto Heitor Romero Marques Copyright (c) 2023 Revista Territórios e Fronteiras https://creativecommons.org/about/cclicenses/#by 2012-12-10 2012-12-10 16 2 211 227 10.22228/rtf.v16i2.1275 Reciprocidade e partilha em terra kaingang de Palmas (PR) https://periodicoscientificos.ufmt.br/territoriosefronteiras/index.php/v03n02/article/view/1270 <p>Neste artigo, propomos reflexões sobre os conceitos de reciprocidade e a metodologia da produção partilhada do conhecimento, relacionando-os com a prática junto com a comunidade Kaingang na Terra Indígena Kaingang de Palmas (PR) na Escola <em>Segsõ Tánh Sá</em>, durante o período de 2018 a 2022. Indicamos que a produção partilhada do conhecimento pode revelar e aproximar-se da prática e da subjetividade que envolve a reciprocidade Kaingang.</p> Magda Vicini Robert Crépeau Sergio Bairon Claudecir Viri Copyright (c) 2023 Revista Territórios e Fronteiras https://creativecommons.org/about/cclicenses/#by 2023-12-10 2023-12-10 16 2 229 254 10.22228/rtf.v16i2.1270 O método de ensino da História https://periodicoscientificos.ufmt.br/territoriosefronteiras/index.php/v03n02/article/view/1266 <p>O presente artigo debate a inclusão da epistemologia na reflexão e desenvolvimento dos métodos de ensino da história. A partir da análise de três perspectivas epistemológicas: a antropologia dialética histórica, a antropologia dos saberes e a antropologia histórica, questiona se os métodos de ensino desta disciplina devem surgir de forma exógena a ciência da história, como pensados a partir da didática geral e dos pressupostos da transposição didática, ou, de forma endógena a esta ciência, como apontado pela matrize disciplinar da história rüseriana.</p> José Sebastião Vilhena Maria Auxiliadora Schmidt Copyright (c) 2023 Revista Territórios e Fronteiras https://creativecommons.org/about/cclicenses/#by 2023-10-12 2023-10-12 16 2 255 271 10.22228/rtf.v16i2.1266 Cultura e Civilização na Amazônia https://periodicoscientificos.ufmt.br/territoriosefronteiras/index.php/v03n02/article/view/1261 <p style="font-weight: 400;">Este trabalho analisa os sentidos do léxico moderno <em>cultura </em>e<em> civilização</em> no pensamento histórico-etnográfico de José Veríssimo (1857-1916). Assim, argumentou-se que a <em>mestiçagem</em> foi a <em>chave de leitura</em> que Veríssimo pondera a sociedade amazônica como um <em>modo de vida global</em> entre a civilização e a barbárie. Esta chave enfrentou a problemática da formação da nacionalidade ao propor nas coordenadas da mestiçagem brasileira o ponto de vista amazônico: o <em>tapuio&nbsp;</em>como elemento nacional na Amazônia.</p> Felipe Tavares de Moraes Copyright (c) 2023 Revista Territórios e Fronteiras https://creativecommons.org/about/cclicenses/#by 2023-12-10 2023-12-10 16 2 272 297 10.22228/rtf.v16i2.1261 Volar al Vaupés en el Noroeste amazónico https://periodicoscientificos.ufmt.br/territoriosefronteiras/index.php/v03n02/article/view/1259 <p><strong>Resumen</strong>: la aviación es una actividad que transformó profundamente la vida de la humanidad. Pese a su rápido desarrollo, el Vaupés, región distante en la frontera de Colombia y Brasil ocupada mayormente por población indígena sólo contó con los beneficios de conexión aérea de forma tardía. El estudio de fuentes impresas y visuales permite concluir que los vuelos no sólo permitieron sostener la llegada de mercancías para mantener actividades extractivas, sino también la labor de evangelización de católicos y protestantes y que adicionalmente generaron nuevos flujos de población y efectos sobre las poblaciones nativas. Aún hoy la vía aérea sigue siendo el mejor medio de comunicación con el Vaupés en los dos países, pero también el más costoso y un medio para continuar con la extracción de otras materias primas.</p> <p><strong>Fly to the Vaupés in the Northwest Amazon.</strong> <strong>Notes for a history of civil aviation on the border of Colombia and Brazil, 1935-1980.</strong></p> <p><strong>Abstract</strong>: The Vaupés, a distant region on the border of Colombia and Brazil, occupied mainly by indigenous population, only had the benefits of air connection late. This issue, explored through printed and visual sources, allows us to conclude that the flights not only allowed sustaining the arrival of goods to maintain extractive activities, but also the evangelization work of Catholics and Protestants and that additionally they generated new population flows and effects on native populations. Even today the airway is still the best means of communication with the Vaupés in both countries, but also the most expensive and a means to continue with the extraction of other raw materials.</p> <p><strong>Keywords</strong>: Aviation. Vaupés. Northwest Amazon. Amazon basin.</p> Gabriel Cabrera Copyright (c) 2023 Revista Territórios e Fronteiras https://creativecommons.org/about/cclicenses/#by 2023-12-10 2023-12-10 16 2 298 332 10.22228/rtf.v16i2.1259 Entre tempos, identidades e (trans)territorialidades https://periodicoscientificos.ufmt.br/territoriosefronteiras/index.php/v03n02/article/view/1123 <p>Neste texto, prospectado sob a égide dos estudos fronteiriços, com enfoque maior<strong> </strong>no campo da Geografia, reflete-se sobre as cidades-gêmeas de Santana do Livramento, no Brasil, e Rivera, no Uruguai, com base em três frentes de trabalho: 1) a distinção entre os conceitos de limite e fronteira; 2) o exame das origens históricas que marcam o processo de formação dessas cidades e da área que em torno delas se constituiu; 3) as implicações das dinâmicas políticas, econômicas e culturais nas práticas cotidianas de seus habitantes. Do interior desses movimentos, evidencia-se a fronteira como uma totalidade, como um lugar social vivido e redimensionado em seus aspectos simbólicos e imaginários, representado por interações baseadas na cidadania, na binacionalidade, no trânsito diário e nas necessidades da comunidade local.</p> Marcos Irineu Klausberger Copyright (c) 2023 Revista Territórios e Fronteiras 2023-12-10 2023-12-10 16 2 333 361 10.22228/rtf.v16i2.1123 Projeto de nação o Brasil em 2035 https://periodicoscientificos.ufmt.br/territoriosefronteiras/index.php/v03n02/article/view/1298 <p>Projeto de Nação: o Brasil em 2035 é um documento de 96 páginas, publicado em 2022 pelo Instituto Sagres, de autoria coletiva, que versa sobre 37 temas considerados estratégicos para o país. Cada tema é apresentado com base na “incerteza crítica”, no “minicenário foco”, nos “objetivos”, nas “diretrizes” e nos “óbices”. Ele sistematiza e exprime o pensamento político de setores das Forças Armadas, da alta classe média, da burocracia e do mercado que apoiaram o governo Bolsonaro. Nesse estudo é indagado quais seriam os seus efeitos, caso implementado, discutindo as suas consequências para os direitos sociais, para o meio ambiente e para as populações subalternas. O projeto é abordado do ponto de vista da etnografia dos documentos burocráticos e da crítica histórica. Sustentamos que a classe média, situada na burocracia do Estado e do mercado, autora desse plano de futuro, elabora uma ideologia que aglutina neofascismo e neoliberalismo com vistas a constituir, perseguir inimigos, aprofundar a novíssima dependência e a pilhagem da economia brasileira pelo “grande capital” internacional</p> Ricardo Ramos Shiota Copyright (c) 2023 Revista Territórios e Fronteiras https://i.creativecommons.org/l/by-sa/4.0/88x31.png 2023-12-11 2023-12-11 16 2 362 382 10.22228/rtf.v16i2.1298