MATEMÁTICAS E ARQUITETURA GUARANI TAMBEOPÉ: UMA INVESTIGAÇÃO NA EDUCAÇÃO BÁSICA

Autores

DOI:

10.26571/reamec.v9i2.12263

Palavras-chave:

Educação Básica, Povo Guarani Tampeopé, Mba’eitxa oo Djadjapo (Técnicas de Construções), Programa Etnomatemática, (Re)significação

Resumo

Este artigo apresenta um recorte de uma pesquisa de mestrado em Educação em Ciências e Matemática defendida em 2019, desenvolvida com uma turma de Ensino Fundamental, em diálogo com saberes e fazeres da cultura indígena Guarani Tambeopé. Reforçado pela efetivação da Lei nº 11.645/2008 e embasado pelo Programa Etnomatemática, o estudo teve por objetivo principal fomentar a (re)significação da cultura indígena Guarani Tambeopé por meio da inserção de seus saberes e fazeres nas aulas de Matemática. Para tanto, desenvolvemos uma Unidade Didática em uma escola da rede municipal de Vitória – Espírito Santo, abordando, especialmente, uma investigação acerca das mba’eitxa oo djadjapo (técnicas de construções) do povo Guarani Tambeopé e das possibilidades e estratégias mais adequadas à sua incorporação às aulas de Matemática da Educação Básica. Conforme constatamos, os encontros de intervenção na escola não indígena contribuíram para a (re)significação dos conhecimentos dos educandos sobre o povo Guarani Tambeopé e seus saberes/fazeres.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Ana Paula Moura, Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio Vila Nova de Colares (SEDU), Serra, Espírito Santo, Brasil.

Mestre em Educação em Ciências e Matemática pelo Instituto Federal do Espírito Santo (IFES). Professora de Matemática na Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio Vila Nova de Colares (SEDU), Serra, Espírito Santo, Brasil.

Ligia Arantes Sad , Instituto Federal e Tecnológico do Espírito Santo (IFES) – Campus Vitória e do Programa de Pós-Graduação de Educação em Ciências e Matemática do IFES – Campus Vila Velha, Espírito Santo, Brasil.

Doutora em Educação Matemática pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP). Professora de Matemática no Instituto Federal e Tecnológico do Espírito Santo (IFES) – Campus Vitória e do Programa de Pós-Graduação de Educação em Ciências e Matemática do IFES – Campus Vila Velha, Espírito Santo, Brasil.

Claudia A. C. de Araujo Lorenzoni , Instituto Federal e Tecnológico do Espírito Santo (IFES), Vitória, Espírito Santo, Brasil.

Doutora em Educação pela Universidade Federal do Espírito Santo (UFES). Professora da Coordenadoria de Matemática no Instituto Federal e Tecnológico do Espírito Santo (IFES), Vitória, Espírito Santo, Brasil.

Referências

BARTON, B. Dando sentido à etnomatemática: etnomatemática fazendo sentido. In: RIBEIRO, J. P. M.; DOMITE, M. C. S.; FERREIRA, R. (Orgs.). Etnomatemática: papel, valor e significado. Porto Alegre: Zouk, 2006. p. 39-74.

BRASIL. Lei n° 11.645, 10 de março de 2008. Dispõe sobre as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena. Brasília: 2008. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11645.htm. Acesso em: 3 mar. 2018.

CANCLINI, N. G. Diferentes, desiguais e desconectados. Tradução de Luiz Sérgio Henriques. 3. ed. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ, 2009.

CARRINHO, R. G. Habitação de interesse social em aldeias indígenas: uma abordagem sobre o ambiente construído Mbyá-Guarani no litoral de Santa Catarina. 2010. 206 f. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2010. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/94054. Acesso em: 3 mar. 2018.

CARVALHO, M. L. Tempo, aspecto e modalidade na língua Guaraní Mbyá (TAMBEOPÉ). 2013. 197 f. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Linguística, Universidade de Brasília, Brasília, 2013. Disponível em: https://repositorio.unb.br/handle/10482/13414. Acesso em: 3 mar. 2018.

D’AMBROSIO, U. Educação Matemática: da teoria à prática. 21. ed. Campinas: Papirus, 2010.

D’AMBROSIO, U. Etnomatemática: elo entre as tradições e a modernidade. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

D’AMBROSIO, U. Introdução. In: FERREIRA, M. K. L. (Org.). Madikauku – os dez dedos das mãos: matemática e povos indígenas no Brasil. Brasília: MEC, 1998. p. 11-14.

FLICK, U. Introdução à pesquisa qualitativa. Tradução de Joice Elias Costa. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2009.

FREIRE, J. R. B. A imagem do índio e o mito da escola. In: MARFAN, M. A. (Org.). Congresso Brasileiro de Qualidade na Educação – Formação de Professores: educação escolar indígena. Brasília: MEC, 2002. p. 93-99.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005.

LEONTIEV, A. O desenvolvimento do psiquismo. Lisboa: Livros Horizonte, 1978.

LIBÂNEO, J. C. Pedagogias e pedagogos, para quê? São Paulo: Cortez, 2008.

LINS, R. C. O modelo dos campos semânticos: estabelecimentos e notas de teorizações. In: ANGELO, C. L. et al. (Org.). Modelo dos campos semânticos e educação matemática: 20 anos de história. São Paulo: Midiograf. 2012. p.11-30.

LINS, R. C. Por que discutir teoria do conhecimento é relevante para a educação matemática. In: BICUDO, M. A. V. (Org.). Pesquisa em educação matemática: concepções e perspectivas. São Paulo: Ed. Unesp, 1999. p. 75-94.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. 2. ed. Rio de Janeiro: EPU, 2013.

MOURA, A. P. A. Saberes Guarani Tambeopé em aulas de matemática da Educação Básica: um olhar etnomatemático às suas mba’eitxa oo djadjapo. 2019. 130 f. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Educação e Ciências e Matemática, Instituto Federal do Espírito Santo, Vitória, 2019. Disponível em: https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/trabalhoConclusao/viewTrabalhoConclusao.jsf?popup=true&id_trabalho=8251704. Acesso em: 16 mar. 2020.

MOURA, M. O. A atividade de ensino como unidade formadora. Bolema, Rio Claro, v. 11, n. 12, p. 29-43, 1996. Disponível em: https://www.periodicos.rc.biblioteca.unesp.br/index.php/bolema/article/view/10647/7034. Acesso em: 14 jul. 2018.

MOURA, M. O. et al. A Atividade orientadora de ensino como unidade entre ensino e aprendizagem. In: MOURA, M. O. (Org.). A atividade pedagógica na teoria Histórico-Cultural. Brasília: Liber Livro, 2016. p. 93-125.

RIGON, A. J.; ASBABR, F. S. F.; MORETTI, V. D. Sobre o processo de humanização. In: MOURA, M. O. (Org.). A atividade pedagógica na teoria Histórico-Cultural. Brasília: Liber Livro, 2010. p. 15-50.

SILVA, M. M.; RIBEIRO, J. P. M.; FERREIRA, R. Biopirataria e explorações ocorridas no Brasil: um relato-denúncia de práticas criminosas contra povos indígenas. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, v. 9, n. 1, e21031, jan./abr., 2021. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/reamec/article/view/11668. Acesso em: 22 jun. 2021.

SILVA, R. M. N. B. Negro e Ensino Médio: representações de professores acerca de relações raciais no Currículo. Belém: Ed. UFPA, 2009.

TEAO, K. M.; LOUREIRO, K. História dos índios do Espírito Santo. Vitória: Ed. do Autor, 2009.

Downloads

Publicado

2021-08-03

Como Citar

MOURA, A. P.; SAD , L. A. .; LORENZONI , C. A. C. de A. . MATEMÁTICAS E ARQUITETURA GUARANI TAMBEOPÉ: UMA INVESTIGAÇÃO NA EDUCAÇÃO BÁSICA. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, [S. l.], v. 9, n. 2, p. e21044, 2021. DOI: 10.26571/reamec.v9i2.12263. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/reamec/article/view/12263. Acesso em: 23 set. 2021.

Edição

Seção

Educação Matemática